Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

1 em cada 7 cristãos é perseguido no mundo de acordo com a Lista Mundial da Perseguição 2024

Por Ariane Gomes
 


Lançada no dia 17 de janeiro pela missão Portas Abertas, a Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2024 apresenta os 50 países onde é mais perigoso seguir a Jesus.
 
Este ano, os fatos que mais chamam atenção no ranking atual são: o aumento do total de cristãos perseguidos para 365 milhões, a permanência da Coreia do Norte na primeira posição da LMP 2024, a ascensão de 20 posições da Nicarágua.  
 
Um em cada sete cristãos é perseguido 
Até 2023, o número de seguidores de Jesus sob perseguição alta, severa ou extrema era de 360 milhões. A última pesquisa da Portas Abertas confirma que outros 5 milhões de cristãos sofrem perseguição hoje, de modo que um em cada sete cristãos no mundo é perseguido.
 
A perseguição extrema atinge 13 países, ao invés de 11, como na LMP 2023. Os países que passaram ao nível de perseguição extrema são Síria (12º) e Arábia Saudita (13º). Os outros países com perseguição extrema permaneceram os mesmos, apenas com alterações de posição no ranking:
 
  1. Coreia do Norte
  2. Somália
  3. Líbia
  4. Eritreia
  5. Iêmen
  6. Nigéria
  7. Paquistão
  8. Sudão
  9. Irã
  10. Afeganistão
  11. Índia
  12. Síria
  13. Arábia Saudita 
 
Coreia do Norte permanece no topo da LMP 2024
A Coreia do Norte continua sendo o país mais perigoso para os cristãos. A nação esteve no topo da Lista Mundial da Perseguição durante 20 anos, sendo superada apenas uma vez, em 2022, pelo Afeganistão por causa da tomada do Talibã, e desde 2023 se mantém no topo da lista.
 
A igreja cristã é vista como inimiga do regime norte-coreano, por isso, por volta de 400 mil cristãos secretos se reúnem em igrejas clandestinas, são enviados para prisões ou campos de trabalho forçado e, os que conseguem fugir, vivem como refugiados na China, que também faz parte dos 50 países mais perigosos para cristãos.  
 
Nicarágua sobe 20 posições na LMP 2024 
A Nicarágua foi o país que mais subiu posições na Lista Mundial da Perseguição 2024, saindo da 50ª para a 30ª posição. A ascensão de 20 posições no ranking dos 50 países onde é mais difícil ser um seguidor de Jesus é resultado do aumento da pressão do governo sobre a igreja, com prisões arbitrárias, fechamento de instituições cristãs, como orfanatos, e restrições gerais às atividades da igreja. 
 
Nigéria: morte e violência
A Nigéria, que ocupa a 6ª posição na LMP 2024, também continua sendo um país onde há alto índice de sofrimento e perseguição aos cristãos. Dentre os 4.998 casos de cristãos mortos no período da pesquisa da LMP 2024, 4.118 ocorreram neste país.
 
A Nigéria também lidera em outros tipos de violência. Há uma estimativa de mil casos de violência sexual e mais de 10 mil casos de violência física e psicológica. Os números reais podem ser muito maiores, mas a falta de registro dos casos torna impossível saber o número exato.

 
Para o secretário-geral da Portas Abertas no Brasil, Marco Cruz, a LMP 2024 é uma referência do que tem acontecido no cenário internacional: crescimento da violência, de guerras, fome e perseguição étnica e religiosa. E Portas Abertas utiliza as informações dos países em que atua para trabalhar e apoiar de forma efetiva ao cristão perseguido.
 
Live de lançamento e recursos
Para compreender as mudanças da Lista Mundial da Perseguição 2024, Portas Abertas preparou uma live para o dia 17 de janeiro, às 19h no canal de Portas Abertas no Youtube. Também disponibiliza um mapa e e-book gratuitos da LMP 2024 que podem ser baixados neste link.  
 
 
Você pode apoiar a Igreja Perseguida
A participação ativa da igreja brasileira na causa é fundamental para que a Igreja Perseguida seja fortalecida e permaneça viva nos lugares mais hostis ao evangelho.
  • Interceda: Ore diariamente. O primeiro pedido dos cristãos perseguidos é “ore por nós”.
  • Doe: Por meio de doações, os projetos de socorro à Igreja Perseguida podem ser mantidos.
  • Encoraje: Mostre seu amor envolvendo-se em ações. Há pelo menos duas iniciativas de Portas Abertas em que todos os cristãos brasileiros podem se envolver: o Domingo da Igreja Perseguida (DIP), e envio de cartões para os cristãos perseguidos em todo o mundo.
 

REVISTA ULTIMATO | DOENÇAS QUE FAZEM SOFRER TAMBÉM OS QUE CREEM
 
Todas as pessoas – também os que creem – correm o risco de adoecer mentalmente. Há multidões na igreja lutando com problemas de saúde mental. Felizmente, há esperança e ajuda: profissionais da saúde, recursos terapêuticos e medicamentos. Os cristãos podem contar ainda com a ajuda extraordinária de seu Deus. E a igreja deve proporcionar um espaço seguro para estes.

É disso que trata a matéria de capa da edição 405 da revista Ultimato. Para assinar, clique aqui.

Saiba mais:
» Sangue, Sofrimento e Fé – a missão cristã em contextos de perseguição, Antonia Leonora van der Meer | William Taylor | Reg Reimer, ORG.
Ariane Gomes atua como coordenadora de produção de Ultimato e gestora de conteúdo do Portal Ultimato.
  • Textos publicados: 21 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.