Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Um dia de cada vez: não confie em sua mente nem em suas emoções

Por Emma Scrivener

“Eu me odeio.”
“Eu não tenho esperança.
“Eu estou tão envergonhada.”
“Eu não me sinto parte da igreja.”
“Por que ele me fez desse jeito?”
“Eu tenho problemas de saúde mental.”
“Eu sou fraca.”
“Eu não me encaixo.”
“Eu acredito no evangelho, mas não o sinto.”
“Eu tenho medo.”
 
Se você se identifica com estas afirmações, então saiba que Jesus é para você. Você não é inadequado ou deslocado. Na sua fraqueza e dependência, você está diante do Senhor. Ele está agindo, não importa o que sua mente lhe diga.
 
Não confie em sua mente nem em suas emoções. Confie no amor de Deus, que é imutável. Se você está enfrentando uma doença mental, então, claro, você não sente essa verdade sobre o amor de Deus. Aceite-se assim e não se critique. Se você quebrasse a perna, se culparia por não escalar uma montanha? Não. Então pare de tentar imaginar ou sentir como seria se sua vida fosse diferente.
 
O primeiro requisito para alguém ser cristão é reconhecer que está perdido, preso e totalmente dependente. O último requisito é reconhecer que está perdido, preso e totalmente dependente. A cada passo da jornada, seja um recém-convertido ou um cristão de longa data, você é como uma criança, agarrando-se ao Pai celestial. Dependência de Deus não é algo que nós superamos, é um sinal de crescimento.
 
Embora o sofrimento nos tire muitas coisas, ele nos dá algo: nós conhecemos nossa carência. É quando Deus mais age em nossa vida e de modo mais profundo – quando nossas camadas de proteção caem e nossas feridas são expostas. É o tempo do seu toque curador. Não necessariamente em nosso corpo ou em nossa mente, mas sempre – se nós clamarmos – em nosso coração; no mais profundo do ser, onde nem a medicina, nem a riqueza nem a saúde conseguem alcançar. Nas mãos de Deus, o nosso sofrimento tem propósito – e ele não pode nos separar de Deus.
 
Os valores deste mundo não são os nossos valores. O que o mundo vê como valioso, Deus trata como lixo. O que o mundo despreza, o Senhor glorifica. Independência, força, beleza exterior, autoconfiança, orgulho – tudo isso é pó. Mas o coração que clama ao Senhor – de uma cama de hospital, das profundezas da depressão e da dor, da escravidão do vício, da doença e do pecado –, este para ele é ouro. Ele vê. Ele chora. Ele se importa.
 
Você pode odiar seus rótulos ou agarrar-se a eles. Mas antes do seu diagnóstico e antes de julgamentos, você já é precioso. Você é, antes de tudo e sempre, filho de Deus, escolhido e redimido, criado para refletir a glória dele. Essa pessoa é verdadeiramente você, mesmo sendo alguém que você sente que nunca conheceu. Você não precisa trazer à existência um novo eu; essa pessoa já está aqui, na sujeira e na bagunça.
 
Quem são as pessoas que o Senhor usa? O inimigo da igreja que permitiu o assassinato de Estêvão. O “exército” de Deus reduzido a nada. O gago que falou ao mais poderoso homem do mundo. A prostituta, o leproso, o marginal. A mulher estéril que dá à luz uma nação. O homem nu pendurado numa cruz. 
 
Algo pode nos separar do amor de Cristo? Se enfrentamos perseguição, fome ou nudez? Se estamos divididos ou se nos automutilamos? Se conhecemos o evangelho, mas Deus nos parece distante? Se nos sentimos envergonhados, culpados, paranoicos, exaustos?
 
Não. Em todas essas coisas, a vitória retumbante é nossa por meio de Cristo, que nos amou.
 
Porque confiamos nele o suficiente? Porque sentimos como se ele estivesse perto? Não, porque ele nos carrega, e em sua força nós carregamos uns aos outros.
 
Você pode dizer a si mesmo que não tem valor ou que não faz diferença, mas isso é mentira. Eu preciso de você e você precisa de mim, e nossos sentimentos sobre isso não estão nem aqui nem acolá. 
 
“Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo” (Gl 6.2, NVI). Graças a Deus, nós fomos criados para ser carregados.

***

Traduzido por Vanessa Oliveira

• Emma Scrivener nasceu em Belfast, Irlanda do Norte, estudou na Universidade de Oxford e trabalhou em Londres. É palestrante em eventos no Reino Unidos e escreve no blog “A New Name”. Ela e seu marido, Glen, que é evangelista, moram com a filha, Ruby, em Eastbourne, Reino Unido. É autora de Um Novo Dia, lançamento da Editora Ultimato.


Algumas vezes, os cristãos parecem pessoas “perfeitas”, sem problemas, especialmente no que diz respeito à saúde mental e emocional. Mas e aqueles que, mesmo se entregando a Cristo e confiando nele, sentem que a sua vida é um desastre? 
 
Um Novo Dia é um livro sério e cheio de ternura, bíblico e também prático sobre saúde emocional e vida cristã.
 

Leia mais
» Quando viver se torna uma angústia

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.