Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O que você sente não é quem você é. Então, como seguir em frente?

Por Emma Scrivener

1. Não se trata de acreditar em você mesmo ou num senso geral de que as coisas irão bem. É uma questão de fé verdadeira no Senhor Jesus e na firme promessa de que ele terminará o que começou. 
 
2. Ter essa fé não significa que você sempre a sentirá. Você pode amar a Deus e confiar nele, mas ainda estar mergulhado numa depressão profunda. Você pode agarrar-se às promessas do Senhor, mas ainda ter dúvidas. O que você sente não é quem você é. Você morreu e foi ressuscitado com Jesus. Isso é fato – não sentimento.
 
3. Outro fato: sentimentos importam – mesmo que eles nem sempre sejam confiáveis. Os sentimentos são parte de quem Deus nos está tornando e todos eles, mesmo os “maus”, são bons. A ira pode ser justa. A ansiedade pode se tornar compaixão. O medo pode ser prudência. E ainda que esses sentimentos sejam completamente maus, não podemos negar a existência de nenhum deles. Nós os consideramos, choramos ou rimos por eles como sendo apropriados e, acima de tudo, os contrastamos com as verdades bíblicas e oramos a um Pai que quer conosco um relacionamento íntimo.
 
4. Não caminhe sozinho. O Espírito Santo não é nosso copiloto, reservado para emergências. Ele fez morada permanente em nós: precisamos dele a cada respirar. Tudo está girando na sua cabeça e você não sabe para onde ir? Ore. As panelas, a crise de refugiados, as contas, o cachorro. Quer seja um despretensioso bate-papo ou um grito de socorro, ele embrulha nossas palavras como presente e as leva direto para o alto.
 
5. Não caminhe sozinho. Igreja é família. Não importa se você é introvertido ou extrovertido; nós fomos feitos para depender uns dos outros – e não há exceção (eu e você estamos incluídos!). Se sua tentação é carregar todos à sua volta, então deixe-se ser carregado. Mas lembre-se que, mesmo (e especialmente) em nosso sofrimento, nós podemos abençoar outros também. Isso não significa abraçar toda necessidade que surge se você está se sentindo esgotado. Significa lembrar que, assim como Jesus nos conforta, nós confortamos outros – e parte de como ele redime esses maus momentos é colocando você ao lado de outros que estão enfrentando as mesmas situações. E chegamos ao ponto 6. 
 
6. Você não está sozinho (sim, chover no molhado; mas, se você é como eu, precisa ouvir isso de diferentes pontos de vista). Tentado a se desesperar? Jesus chorou: “Por que me abandonaste?”. Sentindo-se intimidado ou perseguido? Ele foi castigado numa cruz. Afastado de sua família e de pessoas queridas? Sua cidade natal o rejeitou. Desesperado e sobrecarregado? Ele clamou: “Não há outra maneira?”. Não importa a nossa luta, ele a acolhe. Ele não nos condena; ele gentilmente nos conduz para fora da situação. Isto não significa que nossas circunstâncias necessariamente vão mudar – embora possam mudar. Significa que ele nos dará força para superá-las.
 
7. Não é preciso que “tudo” aconteça imediatamente. Você não tem de transformar sua vida quando está lutando para sair da cama. Você não tem de comandar um império quando lavar os cabelos o sobrecarrega. O mundo corporativo continuará girando. A roupa suja, as compras e os e-mails podem esperar. O perfeito você? Esqueça isso. Faça o que puder agora e saiba que isso é o suficiente. 
 
8. Deus não nos substitui, mas renova o que já existe. Então, não ouse se menosprezar. Odeie seu pecado, certo, mas não se odeie. E não ponha limites no que ele pode ver e fazer. “Impossível? Milagre?” Absolutamente. Isso é o que ele faz. É o que ele está fazendo. Ainda que você possa não sentir!

***

Traduzido por Vanessa Oliveira

• Emma Scrivener nasceu em Belfast, Irlanda do Norte, estudou na Universidade de Oxford e trabalhou em Londres. É palestrante em eventos no Reino Unidos e escreve no blog “A New Name”. Ela e seu marido, Glen, que é evangelista, moram com a filha, Ruby, em Eastbourne, Reino Unido. É autora de Um Novo Dia, lançamento da Editora Ultimato.


Algumas vezes, os cristãos parecem pessoas “perfeitas”, sem problemas, especialmente no que diz respeito à saúde mental e emocional. Mas e aqueles que, mesmo se entregando a Cristo e confiando nele, sentem que a sua vida é um desastre? 
 
Um Novo Dia é um livro sério e cheio de ternura, bíblico e também prático sobre saúde emocional e vida cristã.
 

Leia mais
» Quando viver se torna uma angústia

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.