Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Disciplina ou vingança?

João Heliofar de Jesus Villar

Recentemente na cidade de Viamão, região metropolitana de Porto Alegre, o diretor e os professores de uma escola de ensino médio resolveram promover um mutirão para pintar o prédio. Todos participaram da iniciativa e graças a esse esforço, a obra ficou pronta num final de semana.

Porém, no dia seguinte a escola amanheceu pichada com o apelido de um dos alunos. Foi simples identificá-lo, já que ele era conhecido pelo apelido estampado na parede da escola, e o próprio, quando questionado, assumiu a responsabilidade pelo estrago.

Não é difícil imaginar o grau de revolta dos professores. A professora de inglês, Maria Denise Bandeira, resolveu aplicar uma disciplina ao pichador. Ordenou ao garoto que não só apagasse a mancha deixada na parede, mas que também fizesse retoques na pintura em outras oito salas. Enquanto pintava e promovia os retoques, o menino era filmado e ia sendo execrado pela professora, que o chamava de “bobo da corte” e ameaçava expor as cenas no Youtube. O vídeo na verdade acabou sendo visto em todo o Brasil e a cena gerou um debate sobre os limites da disciplina nas escolas.

Nas manifestações dos leitores dos jornais houve maciço apoio à atitude da professora. Para se ter uma ideia do percentual de apoio que ela conquistou, em 124 manifestações de leitores do jornal gaúcho Zero Hora, apenas uma fez reservas à disciplina aplicada ao pichador.

Os pais do aluno, porém, se revoltaram. O filho se sentiu humilhado e não queria voltar à escola de jeito nenhum.

Quem tem razão nessa história? Parece claro que há um clamor público por limites. Diante do afrouxamento dos valores na pós-modernidade, uma era norteada pela incerteza e que glorifica a dúvida, fica difícil sustentar valores, estabelecer limites, disciplinar. Mas a “louvação” da professora de Viamão revela que o povo clama por limites.

Então qual o limite da disciplina? A questão não é acadêmica e nem se restringe à educação escolar, já que afeta não só a família, mas se estende inclusive à igreja. E a resposta está no propósito da disciplina. Seu objetivo não é apenas punir, e sim restaurar. Se Deus disciplina a todos a quem ama, o princípio que deve orientar a autoridade que exerce o poder disciplinar é a restauração do aluno ou discípulo. Na revolta causada pela falta cometida, porém, regularmente a restauração é totalmente esquecida e a punição assume o papel de protagonista principal do drama.

No caso de Viamão, a professora Maria Denise agiu bem em decidir disciplinar a falta do aluno. Contudo não se pode dizer o mesmo em relação à dose empregada, na medida em que a punição assumiu ares de vingança. E a vingança é a perversão da disciplina. Ajusta-se perfeitamente a este caso o dito popular de que a diferença entre o remédio e o veneno está na dose.


• João Heliofar de Jesus Villar, 45 anos, é procurador regional da República da 4ª Região (no Rio Grande do Sul) e cristão evangélico.
45 anos, é procurador regional da República da 4ª Região (no Rio Grande do Sul) e cristão evangélico.
  • Textos publicados: 17 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.