Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Teologia politicamente correta

Apesar da visita do Papa Francisco ao Brasil já não ocupar as manchetes da mídia, gostaria de expressar minhas impressões, como jovem atenta a outros jovens, sobre a breve passagem do pontífice aqui pelo nosso país por ocasião da Jornada Mundial da Juventude.

Primeiro ressalto as boas impressões (que são as predominantes): o papa se mostrou humilde, como todo mundo conferiu pelas suas falas e atitudes. Certamente essa qualidade também se prova no seu convívio cotidiano no Vaticano, como a mídia mostra ocasionalmente. Evidenciou-se tanto nas suas famosas “quebras de protocolo”, nas tantas vezes em que ele foi até o povo e fez contato através da janela aberta do seu “papa-móvel”, quanto na sua postura ao dirigir-se aos “peregrinos”. Talvez ainda seja cedo para dizer, mas se esse não é o mais acessível de todos os papas da história, pelo menos é, sem dúvida, um deles.

A sua humildade se destaca ainda mais, se considerarmos que ele veio visitar o Brasil, como primeiro compromisso internacional, ao invés da Argentina, sua terra natal.
O papa também foi contextualizado, quando se dirigiu a nós em nossa própria língua e falando de acordo com o nosso linguajar e a nossa cultura (quando ele falava em “pôr água no feijão” e coisas do tipo). Isso já me leva a falar de outra qualidade excepcional: ele também foi bem-humorado, exibindo a alegria que temos em Cristo, como todas as letras e em todas as cores.

Isso, sem falar de sua paciência, de ficar preso no trânsito sem reclamar e ver o sofrimento dos seus peregrinos com a logística precária do evento e tudo isso, ainda elogiando os organizadores. Todos os eventuais erros nesse sentido foram por ele perdoados e atribuídos ao pouco tempo que se teve para fazer tudo acontecer. Ele chegou até a elogiar a organização da Jornada.

Mas o que me impressionou mais, talvez pela consciência da gravidade da ameaça que pairava em torno o evento, foi a sua coragem de não cancelar a viagem, mesmo sabendo das manifestações e badernas que estavam acontecendo no Brasil. Aliás, seu comportamento livre de preocupação deve ter levado muitos seguranças hipertensos a ficarem à beira de um AVC. Só com muita oração e fé para tudo ter dado (mais ou menos) certo.

Eu poderia falar aqui, com o pouco conhecimento que tenho do pontífice, sobre várias de suas qualidades (que também podemos chamar de cristãs, embora não sejam exclusividade dos cristãos), como o seu amor e devoção à pessoa de Cristo, por exemplo, o que é fundamental; ou a atualidade e equilíbrio do seu discurso sobre tantos assuntos da atualidade como o homossexualismo e os escândalos de pedofilia na igreja (Esse papa é que é “pope”!)

Mas vou ousar falar também do que senti falta, pelo menos ao longo dessa visita. Nas palestras que tenho dado Brasil a fora sobre C. S. Lewis e outros autores e sobre temas teológicos, geralmente para gente jovem, só posso constatar a fome e a sede que os jovens de hoje têm do cristianismo puro e simples. Está certo que muitos deles não sabem muito bem o que seja a teologia e para que ela serve, mas com certeza esse papa deve saber. Então, para mim faltou um pouco disso: cristianismo sólido para uma geração que está desesperada e sem rumo (ético, moral, mas também teológico) em uma sociedade cheia de relativismos, violência, falta de sentido e esperança no futuro. Faltou um pouco mais de Bíblia, de doutrina (por mais famigeradas que essas palavras sejam hoje), e quem sabe um pouco menos do discurso “politicamente correto”.

Talvez essa não seja mesmo a ênfase do papa. No entanto, é a carência que eu vejo, e não apenas entre os jovens da nossa sociedade; tenho atendido a leitores e ouvintes dos oito aos oitenta anos de idade. E nós, líderes evangélicos, protestantes, será que estamos atentos a esse clamor?


Leia mais
O papa argentino e os evangélicos brasileiros (Paul Freston) 
A renúncia de Bento 16 (Alderi Souza de Matos)
Padres sem castidade (revista Ultimato 277)
É mestre e doutora em educação (USP) e doutora em estudos da tradução (UFSC). É autora de O Senhor dos Anéis: da fantasia à ética e tradutora de Um Ano com C.S. Lewis e Deus em Questão. Costuma se identificar como missionária no mundo acadêmico. É criadora e editora do site www.cslewis.com.br
  • Textos publicados: 68 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.