Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Por uma espiritualidade que silencia para ouvir

Por Phelipe Reis

No Facebook, no Twitter, no Instagram, no Youtube… Muitas vozes. Comentando a última polêmica política, criticando ou defendendo as ações do governo, ponderando o escândalo no meio evangélico, opinando se a pandemia é ou não fruto de uma conspiração globalista, enfim. “Gente demais / Com tempo demais / Falando demais / Alto demais…”, como bem descreveu um jovem cantor.
 
Entre os cristãos não parece ser muito diferente. O púlpito e o microfone sempre foram tentadores. Mas até pouco tempo estavam restritos aos que ocupavam posições de liderança. Hoje, a internet possibilita o fácil acesso às redes sociais, onde qualquer pessoa pode fazer um post, publicar um vídeo, fazer uma transmissão ao vivo e “falar aos quatro ventos”, podendo influenciar milhões de pessoas. Sem precisar, necessariamente, ser um líder respaldado por uma igreja local.
 
Os benefícios da democratização do acesso à internet são inegáveis. Ao mesmo tempo, o fluxo instantâneo de informações representa uma atraente isca para os que fazem uso indiscriminado dessa facilidade tecnológica. É nessa hora que surgem os exageros e excessos, publicações inoportunas e inconvenientes, julgamentos precipitados e injustos, comentários maledicentes e o ímpeto de dar respostas rápidas e fáceis para assuntos complexos. Além de não contribuírem para um bom testemunho, essas práticas causam desinformação, problemas e divisões.
 
2020 tem sido um ano de muitas transformações – desafios que a igreja é convocada a responder. Em meio a isso, é natural que as pessoas queiram se posicionar, falar e emitir opiniões. Mas quando todos querem usar o microfone, quem está disposto a ouvir? Essa tendência revela algo, como diz Rubem Alves: “Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar. Ninguém quer aprender a ouvir. […] Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil da nossa arrogância e vaidade.”
 
Para este “mal pós-moderno”, a Bíblia adverte: “Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar [publicar], tardio para se irar” (Tg. 1.19). No que se refere às respostas da igreja aos desafios desses tempos, as Escrituras Sagradas também orientam: “Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha” (Pv. 18.13).
 
“Pare. Olhe. Ouça”. Esses três verbos que constam em placas de alerta em qualquer cruzamento de linha férrea podem ser um bom exercício para nossos dias confusos. Mais que falar, emitir opiniões e tomar posicionamentos para parecer relevante, é sublime aquele que se coloca para ouvir. É um exercício espiritual de paciência, humildade e alteridade. É resistir à tentação do púlpito e dos likes e desbancar a vaidade que quer assumir o trono do coração.
 
Calar e ouvir é reconhecer o lugar de fala do outro e valorizar a possibilidade de aprender, calado. Mas Rubem Alves já pontuou que não é uma tarefa fácil:
 
“Não é bastante ter ouvidos para se ouvir o que é dito. É preciso também que haja silêncio dentro da alma. Daí a dificuldade: a gente não aguenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor, sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer. Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descansada consideração e precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer, que é muito melhor.”
 
Calar e ouvir é uma disciplina espiritual estimulada nas Escrituras Sagradas, especialmente quando se trata de ouvir o Senhor:
 
“Andareis após o Senhor, vosso Deus, e a ele temereis; guardareis os seus mandamentos, ouvireis a sua voz, a ele servireis e a ele voz achegareis” (Dt. 13.4).
 
“[…] pois o Senhor, teu Deus, te abençoará abundantemente na terra que te dá por herança, para possuíres, se apenas ouvires, atentamente, a voz do Senhor, teu Deus, para cuidares em cumprir todos estes mandamentos que hoje te ordeno” (Dt. 15.4,5).
 
“Ajuntai o povo, os homens, as mulheres, os meninos e o estrangeiro que está dentro da vossa cidade, para que ouçam, e aprendam, e temam o Senhor, vosso Deus, e cuidem de cumprir todas as palavras desta lei” (Dt. 31.12).
 
 “O coração do sábio adquire conhecimento, e o ouvido dos sábios procura o saber” (Pv. 18.15).
 
“Guarda o pé, quando entrares na Casa de Deus; chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois são sabem que fazem mal” (Ec. 5.1).
 
“Aquele, porém, que entra pela porta, esse é o pastor das ovelhas. Para este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, ele chama pelo nome as suas próprias ovelhas e as conduz para fora” (Jo. 10.2,3).
 
Calar e ouvir o mundo é uma tarefa necessária para a igreja, como descreve John Stott:
 
“Ouvir duas vezes […] é a faculdade de ouvir duas vozes ao mesmo tempo, a voz de Deus através das Escrituras e as vozes de homens e mulheres ao nosso redor. Frequentemente essas vozes contradizem uma à outra, mas nosso propósito ao ouvir tanto uma como a outra é descobrir que elas se inter-relacionam. Ouvir duas vezes é indispensável para o discipulado cristão e para a missão cristã. Somente através da disciplina de ouvir duas vezes é que é possível tornar-se um ‘cristão contemporâneo’.” […] “Um dos ingredientes mais importantes – e mais negligenciados – do discipulado cristão é o cultivo de um ouvido atento. Quem ouve mal não é um bom discípulo.”
 
Calar e ouvir é saciar nossa alma de silêncio e nutrir nossa espiritualidade com outras vozes que podem inspirar nossa caminhada de fé. Que tal colocar em prática agora o exercício do silêncio e da escuta? A seguir, algumas dicas para pensar, ouvir, ler e contemplar.
 
Para pensar
“Para mim Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também. Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto.” (Rubem Alves)
 
Para ouvir
Para ler
Para contemplar

> Texto publicado originalmente no site da Sepal. Reproduzido com permissão.

>> Conheça o livro Práticas Devocionais, de Elben César
 
Leia mais
 
É natural do Amazonas, casado com Luíze e pai da Elis e do Joaquim. Graduado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e mestre em Missiologia no Centro Evangélico de Missões (CEM). É missionário e colaborador do Portal Ultimato.
  • Textos publicados: 100 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.