Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Por pastores que também são mestres

Por Pedro Dulci
 
No artigo anterior, lembrei o cancelamento da anual premiação da Faculdade Teológica da Universidade de Princeton, em 2017, quando o indicado do ano ao prêmio Abraham Kuyper de Excelência em Teologia Reformada e Vida Pública era o pastor da cidade de Nova York, Timothy Keller. E, ironicamente, Keller deixou de receber um prêmio em teologia reformada e vida pública em razão de suas convicções teológicas publicamente conhecidas.
 
Agora, diante das carências por parte dos pastores e teólogos, bem como das demandas da igreja, tanto nos Estados Unidos e, especificamente, no caso brasileiro, saúdo a publicação de Becoming a Pastor Theologian [Tornando-se um Pastor Teólogo, Editora Ultimato, no prelo]. Nada mais urgente do que a redescoberta da Teologia como a diferença específica na identidade dos pastores e líderes da igreja. 
 
A maior crise que esses líderes enfrentam hoje é de identidade. Homens e mulheres à frente de trabalhos das comunidades cristãs simplesmente não sabem o que devem fazer, o que se espera deles e nem com o que comparar seu trabalho. E uma das reações mais normais a essa crise é a busca de parâmetros na cultura da profissionalização que os cerca. Através de comparações com administradores, terapeutas, coachs e intelectuais públicos diversos, as lideranças cristãs procuram justificar a relevância dos seus ministérios.
 
E não podemos deixar a culpa desse processo de degeneração da vocação pastoral recair apenas sobre os ombros de alguns, como se fosse um erro só dos pastores e líderes. As igrejas hoje estão cada vez mais exigentes, esperando de seus obreiros habilidades gerenciais, terapêuticas e até mesmo de entretenimento — e se os pastores tiverem um MBA, melhor ainda!
 
Não podemos imaginar como isso gera, por um lado, uma frustração terrível nos pastores, por outro lado o desinteresse teológico das lideranças leigas da comunidade e, por fim, um fatal envenenamento da Igreja como um todo.
 
Hoje, mais do que nunca, é necessário lembrar aos nossos irmãos que nós não somos profissionais, como dizia John Piper. Não há nada de errado com eles, mas o vocabulário da profissionalização não consegue traduzir o trabalho para qual fomos vocacionados.
 
O serviço de um pastor ou líder da igreja sempre será TEOLÓGICO. E a maior contribuição que esse lançamento da Editora Ultimato traz é justamente nos lembrar disso através da boca instruída de homens como Kevin Vanhoozer, James K. A. Smith, Peter Leithart, dentre outros coautores da obra.
 
Seja em ministérios femininos, de juventude, profissionais ou entre estudantes, nós só contribuímos com a igreja quando compartilhamos a Palavra de Deus em formulações doutrinárias que contribuam para os discípulos de Cristo viverem bem diante de Deus! Não deixe reduzirem seu chamado a uma agenda de eventos e espetacularização dos grupos sociais da igreja. Não fomos chamados para organizar chás com as senhoras, louvorzão com os jovens e churrasco com os homens!
 
A anemia teológica que a igreja evangélica brasileira vive é uma consequência natural da busca ingênua que os seus líderes insistem com os valores e parâmetros administrativos e terapêuticos — que nunca conseguiram acrescentar relevância a um ofício que, por natureza, precisa ser teológico!
 
Em um tempo que os pastores do rebanho de Cristo sofrem de uma crise de identidade terrível — não sabendo ao certo se são administradores da máquina eclesiástica, se são terapeutas de carências afetivas das ovelhas ou até mesmo animadores de auditórios nos fins de semana —, a identidade dos "pastores que também são mestres" (conforme uma boa tradução de Ef 4.11) surge não apenas como um corretivo para tais ênfases viciadas do ministério pastoral, como também uma saída para a crise que acomete tantos pastores.
 
Que Deus nos dê mais intelectuais como Keller que não se calarão para ganhar uma medalha de honra às modinhas do espírito do tempo.

Leia mais
» O pastor, a teologia e a vida pública. Não necessariamente nessa ordem
» Os desafios de viver uma fé pública
 
Autor de Fé Cristã e Ação Política, Pedro Lucas Dulci, é filósofo e pastor presbiteriano. Casado com Carolinne e pai de Benjamin, desenvolve pesquisa em ética e filosofia política contemporânea e estudos sobre o diálogo entre ciência e religião, com estágio na Vrije Universiteit Amsterdam. É teólogo e coordenador pedagógico no Invisible College.
  • Textos publicados: 10 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.