Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O que é a nossa vida?

Por Luiz Fernando dos Santos

"Sim, lembre-se dele, antes que se rompa o cordão de prata, ou se quebre a taça de ouro; antes que o cântaro se despedace junto à fonte, a roda se quebre junto ao poço, o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu." (Ecl 12.6-7)
 
A antiquíssima regra beneditina exorta o monge a ter todos os dias, diante dos olhos, a morte como a surpreendê-lo. É um sábio conselho à vigilância e também um gracioso convite para que o monge viva cada “pedacinho” da vida confiado na graça de Deus e vivendo com intensidade e integridade as coisas mais essenciais. 
 
Esse trechinho da regra dos monges tem profundas raízes bíblicas: “Mostra-me, Senhor, o fim da minha vida e o número dos meus dias, para que eu saiba quão frágil sou” (Sl 39.4); “Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa” (Tg 4.14); “Meus dias são como sombras crescentes; sou como a relva que vai murchando” (Sl 102.11) e ainda: “Lembra-te, ó Deus, de que a minha vida não passa de um sopro; meus olhos jamais tornarão a ver a felicidade” (Jó 7.7). 
 
Também os puritanos dos séculos XVI e XVII cultivavam uma espiritualidade semelhante e homens como John Flavel; John Owen; Thomas Goodwin e Robert Macheynne, ensinavam, em suas pregações e tratados, os cristãos a considerarem com gravidade e solenidade o fim de seus dias e a hora da morte. Em nossa sociedade e cultura superficiais e inconsistentes, esses ensinamentos soam como inoportunos, mórbidos e doentios. 
 
Claro, nosso tempo banalizou a morte e esvaziou o seu sentido do sagrado. Basta ver as séries de Tvs como CSI; Law & Order; Walking Dead, para ficar nesses exemplos, como a vida e o corpo humano são coisificados e a morte tratada com profundo secularismo, isto é, esvaziado de qualquer traço de transcendência ou relação com o sagrado.
 
Escrevo essa pastoral tendo em mente a horrível tragédia de Brumadinho-MG. Mais que uma tragédia, até onde se pode entender o caso, um crime brutal. Penso em todas as vítimas envolvidas e como deve ter sido aquele pedacinho da vida que antecedeu o infortúnio. 
 
Penso no marido saindo de casa para o trabalho e deixando a esposa no portão, dela se despedindo com um beijo e prometendo chegar mais cedo do trabalho. Penso naquela mãe que deixou o filho adolescente dormindo, aproveitando o restinho das férias, saiu para o trabalho e deixou um bilhetinho com instruções para o dia até a sua chegada. 
 
Penso nos amigos, saídos do refeitório, num papo animado sobre o clássico do futebol mineiro que se realizaria dali uns dias. Uma conversa animada, daquelas que devolvem a sanidade e renovam as forças para a continuação da faina. 
 
Difícil não pensar nos hóspedes daquela pousada, um tempo de celebração da vida e pensar na última mensagem de WhatsApp que terminou com reticências e depois o ensurdecedor silêncio. 
 
De repente aquele pedacinho da vida foi abruptamente interrompido e sei que parece absurdo o que escrevo, a morte chegou de improviso sobre todos. Seus planos futuros, grandes ou pequenos, importantes ou triviais, seus sonhos, realizáveis ou delirantes, tudo soterrado pelo pesado manto dos rejeitos minerais e lama.
 
Eventos assim devem provocar sempre nos cristãos profundas reflexões sobre a natureza da vida, seu propósito e como a temos administrado. Sim, a vida deve ser entendida em termos de uma administração da qual daremos contas um dia. 
 
Em tragédias como essas – passados os dias do engajamento emergencial, engajamento em orações, solidariedade concreta em forma de doações, serviço voluntário e engajamento por justiça e transformação da realidade política para que essas coisas não mais ocorram por negligência e avareza – é preciso que façamos uma espécie de auditoria em nossa consciência em busca de desperdício e mau uso dos “pedaços” de vida que a soberania do Senhor nos entrega para viver. 
 
Creia, a vida não nos vem por inteiro, mas em “pedacinhos” e o Senhor faz assim para que possamos saborear sem pressa, degustar com intensidade, ter prazer em distinguir os sabores de cada momento que podem ir do amaríssimo à doçura mais inefável. Esses pedaços de vida e da vida nos oferecem em cada instante a oportunidade de buscar o que é o essencial do porquê estarmos aqui, viver para a glória de Deus, desfrutar de suas bênçãos no recesso do lar e no aconchego daqueles que nos foram dados para amar, a família. 
 
Viver dentro do pacto como povo de Deus na Igreja e desfrutar das conquistas de Cristo e participar da missão dele no mundo. Viver com intensidade o nosso chamado a santidade a partir de nossa vocação que se realiza em nossa profissão, para que quando a morte chegar, não tenhamos outra coisa a fazer, se não morrer para que a vida jamais se acabe.
 
• Rev. Luiz Fernando dos Santos é Ministro na Igreja Presbiteriana Central de Itapira, casado com Regina, pai da Talita. É Coordenador do Departamento de Teologia Pastoral do Seminário Presbiteriano do Sul em Campinas e professor. É professor de Teologia Histórica, Filosofia e Teologia no Seminário Teológico Servo de Cristo em São Paulo.

Leia mais
 
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 61 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.