Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O ouro dos ouros

Colocar o ouro no Cristo Redentor é uma irreverência [veja imagem ao lado], além de ser muito pouco. Mas o Jesus - não de concreto mas de carne e osso - merece o ouro dos ouros. Aos olhos dos crentes, ele já foi coroado de “glória e de honra por causa da morte que ele sofreu” (Hb 2.9). Falta apenas a sessão pública e final para que todo o universo veja a sua glória “para declarar abertamente que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus, o Pai” (Fp 2.9-11). É preciso esperar só mais um pouco!

***

De onde nos vem a certeza da centralidade absoluta de Jesus?*
O que o mundo sabe sobre Jesus Cristo -- sua concepção sobrenatural e seu nascimento, seus feitos e suas palavras, sua morte vicária e sua ressurreição, sua ascensão aos céus e sua volta em poder e muita glória -- não foi escrito originalmente por qualquer pessoa. Além de inspirados especialmente por Deus (2Tm 3.16) e guiados especialmente pelo Espírito Santo (2Pe 1.21), os escritores do Novo Testamento foram testemunhas pessoais dos fatos que se deram, e de tudo aquilo que entrou dentro deles (pelos olhos e ouvidos). Pedro escreve em sua segunda carta:

“Nós não estávamos contando coisas inventadas quando anunciamos a vocês a vinda poderosa do nosso Senhor Jesus Cristo, pois com os nossos próprios olhos nós vimos a sua grandeza. Nós estávamos lá [no monte da transfiguração] quando Deus, o Pai, lhe deu honra e glória [...]” (2Pe 1.16-17).

João fez a mesma declaração:

“Estamos escrevendo a vocês a respeito da Palavra da vida [Jesus Cristo], que existiu desde a criação do mundo. Nós a ouvimos e com os nossos próprios olhos a vimos. De fato, nós a vimos, e as nossas mãos tocaram nela. Quando essa vida apareceu, nós a vimos. É por isso que agora falamos dela e anunciamos a vocês a vida eterna que estava com o Pai e que nos foi revelada. Contamos a vocês o que vimos e ouvimos para que vocês estejam unidos conosco, assim como nós estamos unidos com o Pai e com Jesus Cristo, o seu Filho” (1Jo 1.1-3).

Paulo, por sua vez, explica que ele tem autoridade para dar sua opinião neste ou naquele assunto “como uma pessoa que, pela misericórdia, merece confiança” (1Co 7.25). Afinal, ele viu e ouviu pessoalmente o próprio Senhor Jesus, no dia da sua conversão (At 9.17; 22.14) e em outras ocasiões (At 18.9; 22.18; 23.11). Além do mais, catorze anos antes de escrever a segunda epístola aos Coríntios, talvez em 54 depois de Cristo, o apóstolo foi levado ao paraíso ou ao mais alto céu e “ouviu coisas que palavras humanas não conseguem contar” (2Co 12.4).

Outra coisa que alimentou a convicção dos apóstolos e dos primeiros discípulos quanto à centralidade de Jesus foi a descoberta de que era sobre ele que os profetas falavam, mesmo sem ter perfeita consciência do fato (1Pe 1.10-12).

Precisamos levar em conta ainda que o autor do terceiro Evangelho e do primeiro volume da história da igreja (Atos dos Apóstolos) era um historiador nato, um mestre em historiografia. Basta ler a apresentação do Evangelho que leva o seu nome:
“Tendo em vista que muitos já se empenharam em elaborar uma narrativa histórica sobre os eventos que se cumpriram entre nós, conforme nos transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculares dos fatos e servos dedicados à Palavra, eu, pessoalmente, investiguei tudo em minúcias, a partir da origem e decidi escrever-te um relato ordenado, ó excelentíssimo Teófilo. E isso, para que tenhas plena certeza das verdades que a ti foram ministradas” (Lc 1.1-4, KJ).

(Segundo a Bíblia King James, Teófilo foi um militar de alta patente do exército romano que, convertido ao Senhor, patrocinou a pesquisa e a publicação do Evangelho de Lucas.)

* Texto publicado originalmente na revista Ultimato 354.

Imagem: Anderson Góes
Diretor-fundador da Editora Ultimato e redator da revista Ultimato, Elben César é autor de, entre outros, Mochila nas Costas e Diário na Mão, Para Melhor Enfrentar o SofrimentoConversas com Lutero, Refeições Diárias com os Profetas Menores, A Pessoa Mais Importante do Mundo, História da Evangelização do Brasil e Práticas Devocionais. Ex-presidente da Associação de Missões do Terceiro Mundo e fundador do Centro Evangélico de Missões, do qual é presidente de honra, é também jornalista e pastor emérito da Igreja Presbiteriana de Viçosa.
  • Textos publicados: 104 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.