Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Deus, irrelevante? Acredite, se quiser!

“Deus está morto”. A frase do filólogo e filósofo Friedrich Nietzsche firmou-se como grito de torcida de certos grupos que rejeitam o Cristianismo.

Investida mais modesta que a de Nietzsche foi difundida pelo aristocrata e matemático britânico Bertrand Russell: propôs que Deus seria irrelevante. Considerou que “Deus e a imortalidade, os dogmas centrais da religião cristã não encontram apoio na ciência. (...) Eles estão fora da região de conhecimento provável e não há nenhuma razão para considerar qualquer um deles.”1

Em primeiro lugar é fato que Deus e imortalidade são realidades para muitas culturas e religiões; não são exclusividade da “religião cristã”. Em segundo lugar, vale à pena lembrar que no “centro da religião cristã” não estão dogmas, como escreve Russell, mas a pessoa e as realizações de Jesus, descritos com expressiva confiabilidade histórica2 em quatro livros chamados Evangelhos. Em terceiro lugar, o termo “conhecimento provável” é especialmente pertinente à matemática, e entre os grandes matemáticos é significativo o número dos que – ao contrário de Russell – reiteraram a importância de considerar Deus e a imortalidade: Leibniz, Bernoulli, Pascal, Euler, Gauss, Cauchy, Boole, Hermite, Riemann, Hamilton e Gibbs, para citar alguns.

Ao desconsiderar tudo aquilo que está fora do tal “conhecimento provável”, Russell e seus companheiros de opinião lançam fora Deus e a imortalidade, bem como um fundamento sólido para compaixão, misericórdia, bondade, amor, etc. Consequências funestas para as predisposições, motivações e ações são inevitáveis; podem ser conferidas com o próprio Russell que escreveu: “Ultimamente tenho sido meramente oprimido pelo cansaço, tédio e a vaidade das coisas, nada parece valer à pena fazer ou ter sido feito. A única coisa que eu sinto fortemente que vale à pena, seria matar tantas pessoas quantas possíveis de modo a diminuir a quantidade de consciência no mundo.”1 “Há um ódio feroz em mim, um ódio que é também uma fonte de vida e energia – não seria realmente bom se eu deixasse de odiar... Eu costumava ter medo de mim mesmo e do lado escuro do meu instinto, [mas] agora eu não tenho.”1

A perplexidade aumenta ainda mais diante da modernidade que Russell tenta conferir à sua proposta. O antiquíssimo livro de Jó já descreve pessoas decididas pela irrelevância de Deus: “Quem é o Deus Todo-poderoso para que o adoremos? Que adianta fazer orações a ele?”3 “Ciência” e “conhecimento provável” não integram o vocabulário do livro de Jó, mas o contexto deixa claro que a razão alegada para a decisão daquelas pessoas foi a falta de percepção de que Deus faria alguma diferença.

Mas, por que considerar que Deus e imortalidade são, sim, relevantes? O matemático Gauss disse: “Existem questões a cuja resposta eu daria um valor infinitamente maior do que às matemáticas, por exemplo, questões sobre ética, sobre nosso relacionamento com Deus, sobre nosso destino e nosso futuro. Para a alma existe uma satisfação de espécie superior, para a qual dispenso o que é material.”4 Para Gauss, assuntos relevantes não se limitam àqueles tangíveis pelo método científico ou pela matemática.

Por que Russell acreditava o contrário? O motivo está num fenômeno descrito pelo matemático Pascal: “A vontade, que prefere um aspecto a outro, afasta a mente de considerar as qualidades daquilo que não gosta de ver.”5 De certa forma, Pascal resume o que Paulo de Tarso já havia dito sobre contemporâneos seus que (como Russell) “reprimiram a verdade”6: “Sua realidade invisível – seu eterno poder e sua divindade – tornou-se inteligível, desde a criação do mundo, através das criaturas, de sorte que não têm desculpa. Pois, tendo conhecido a Deus, não o honraram como Deus nem lhe renderam graças; pelo contrário, eles se perderam em vãos arrazoados, e seu coração insensato ficou nas trevas.”7

Felizmente a condição descrita por Paulo não precisa ser terminal. Isto é exemplificado pelo escritor C.S. Lewis, pela cantora Nina Hagen, pelos cientistas Francis Collins e Alister McGrath, e tantos outros que, deixando de “reprimir a verdade” voltaram-se a Jesus, tiveram suas vidas transformadas, e aderiram à confissão que o ex-cético Tomé fez diante do Cristo ressurreto: “Meu Senhor e meu Deus!”8

Notas
(1) Citado em D.J. Peterson - “Bertrand Russell: Prophet of the New World Order,” New Oxford Review, 2000.
(2) Veja por exemplo F.F. Bruce - Merece confiança o Novo Testamento? Editora Vida Nova, 2004.
(3) Jó 21:15 (Nova Tradução na Linguagem de Hoje).
(4) Citado em J. Gutzwiller - Das Herz, etwas zu wagen, Friedrich Bahn Verlag: Neukirchen-Vluyn, 2000.
(5) Blaise Pascal - Pensèes, fragmento 99.
(6) Romanos 1:18b (Bíblia da CNBB).
(7) Romanos 1:20-21 (Bíblia de Jerusalém).
(8) João 20:28 (Bíblia de Jerusalém).

__________
Karl Heinz Kienitz recebeu o doutorado em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica Federal de Zurique, Suíça. Trabalha como professor de engenharia em São José dos Campos. É membro da Primeira Igreja Batista naquela cidade. É também docente voluntário em seminários de liderança do Instituto Haggai no Brasil e no exterior.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.