Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Ainda somos teologicamente infantis

Por Pedro Dulci
 
Hoje uma aluna do 8º ano veio à minha sala sugerir mudanças no momento devocional de sua turma. Queria vários ajustes, mas a reclamação central era o livro que eu havia escolhido: Um Ano com C. S. Lewis, da Editora Ultimato.
 
Eu fiquei pessoalmente ofendido, e argumentei que aquele era o melhor material que eu poderia ter dado a eles. Eu tinha passado dias fazendo a curadoria e nada poderia ser melhor.
 
Não adiantou, ela me larga o seguinte contra-argumentou: essa semana toda ele está falando de um diabo mais velho ensinando um diabo mais novo. Ninguém entende nada na devocional!
 
Na hora eu ri muito, porque eu sabia a qual livro do Lewis ela estava se referindo. Depois eu resolvi as questões da devocional e terminei dizendo que estava chateado. Mas ressaltei: não é com você, é com a igreja evangélica brasileira!
 
Esse é o estado em que se encontra a formação teológica dos jovens de nossas igrejas. Eles não têm a menor dimensão da importância da teologia para a vida deles. E não é por menos, eles são filhos de uma igreja que há décadas não insiste na formação teológica de pastores, líderes e membros!
 
C. S. Lewis escrevia literatura infantil! Hoje, ler o Lewis é sinônimo de ser um calvinista nerd e hipster. Isso depõe contra nós. Quando o mero cristianismo torna-se o lugar mais alto que podemos chegar teologicamente, significa que estamos muito aquém das expectativas - incluindo as do Lewis!
 
Em tempos de setembro amarelo, vale lembrar: as incapacidades de nossos jovens em lidar com suas carências emocionais está diretamente ligada ao seu desconhecimento de quem é Deus e de como a identidade deles está escondida em Cristo. Isso é teologia, meus amigos!
 
Não podemos infantilizar nossos irmãos mais novos. A cultura não age assim com eles. Os produtores culturais tratam nossos jovens como consumidores maduros e um público alvo com muito potencial. Só nós que insistimos em mantê-los entretidos em programações superficiais para garantir que eles não frequentem a balada no fim de semana.

Nota: Texto publicado originalmente no instagram.

• Pedro Lucas Dulci, filósofo e pastor presbiteriano, é casado com Carolinne e pai de Benjamin. É autor de Fé Cristã e Ação Política, publicado pela Editora Ultimato.

>> Conheça também o livro O Regresso do Peregrino, de C. S. Lewis

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.