Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A repressão do Natal

Poderão achar estranho o título, e quando souberem que sou psicanalista, dirão que não sei falar de outra coisa. Bem, meus olhos foram treinados para procurar por sinais de repressão, assim como os da arqueóloga buscam sinais de civilizações soterradas. Mas o que isso tem a ver com o Natal? Bastante, pois há muito tempo o significado cristão do Natal tem sido soterrado por camadas de outros badulaques.
 
Vocês sabem do que estou falando. Basta ouvir rádio, ver TV, abrir um jornal, para notar como esta festa tem de tudo, mas muito pouco do que é autenticamente cristão.
 
Quero, no entanto, escavar com meu “faro” de psicanalista-arqueóloga para mostrar que podemos ver nos Natais atuais os sinais do que foi reprimido – como se um sinal aqui e outro ali ainda trazem a mensagem da Boa Nova. Quase como uma mensagem a ser decifrada a partir de um código secreto. Precisamos ter nossos sentidos aguçados para percebê-lo:
 
- O Papai Noel é uma caricatura do Pai do Céu, este sim o Pai do Natal.
 
- Os presentes trazidos por Papai Noel, sempre os maiores presentes do ano, remetem a Jesus Cristo, o maior presente já dado ao mundo: Deus se fazendo menino, nascendo na condição humana para poder falar conosco. Muitos filmes de ficção tratam deste tema, também remetendo a essa possibilidade.
 
- As luzes coloridas apontam para Jesus que disse ser a luz do mundo – iluminando a existência humana que estava nas trevas.
 
- Há muitas histórias belas de Natal que convidam a fazer as pazes, reconciliar-se com os outros, mudar de atitude, levar presentes a pessoas desfavorecidas. Tudo isso é um resquício arqueológico da mensagem central do Natal: “Glória a Deus nas alturas e Paz na Terra aos homens (e mulheres!) de boa vontade”.
 
- A relação da festa de Natal com as alegrias da criança pode ter duas ligações “arqueológicas”: 1) Jesus veio enquanto criança, “um menino nos nasceu”; e a alegria quando há crianças presentes no Dia de Natal evoca isso. 2) A alegria pela criança também lembra que Jesus disse que cada um de nós deve voltar a ser criança para entrar no reino dos céus: receber o reino como uma criança o recebe – em alegria, em reconhecimento da sua dependência dos pais, assim como Deus quer que reconheçamos nossa dependência dele.
 
Poderíamos então nos perguntar: por que o Natal cristão foi soterrado? Qual o “terremoto” que conseguiu fazer isso? Talvez não tenha sido apenas um, mas vários: um, certamente, soterrou a lembrança de que o dom de Deus é gratuito e sem merecimento nosso. Os presentes atuais são comprados e dados por mérito, portanto, escondem o principal do Natal: “Deus tanto amou o mundo que deu seu único Filho para que todo aquele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16). Este o Natal cuja pilha não gasta, cuja alegria não estraga e não passa da moda! 
 
Se tão somente resgatarmos o centro do Natal, poderemos, ao redor dele, nos alegrarmos com crianças e luzes, com presentes e abraços, com solidariedade e perdão. E este Natal divino iluminará todo o Ano humano, e realmente o fará Novo!
 
_______
Karin Hellen Kepler Wondracek é psicóloga e psicanalista; professora na EST (Escola Superior de Teologia). É tradutora de Cartas entre Freud e Pfister, autora de Caminhos da Graça e escreveu um dos capítulos de Uma Criança os Guiará. É também co-autora de Aprendendo a lidar com crises (Editora Sinodal).

 
Leia mais

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.