Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Ter esperança é viver! [Esperança é certeza!]

No final de cada ano, é normal que se tracem planos para o futuro que se avizinha e se relembre o passado; eu, em artigos anteriores, abordei o anúncio do anjo a respeito do nascimento do Senhor Jesus e a questão do meu envelhecimento "com sustentabilidade".

O anúncio do anjo é promissor, trouxe expectativas, desejos, esperanças, sonhos para dias futuros; já a questão do "envelhecimento", embora sustentável, isto é, amparado e cuidado por Deus, traz a lembrança de que há um final se aproximando, irreversível.

A Palavra de Deus alerta para isto: "Os dias da nossa vida sobem a 70 anos ou, em havendo vigor, a 80; neste caso, o melhor deles é canseira e enfado, porque tudo passa rapidamente, e nós voamos" (Salmo 90. 10).

Já adentrei à reta de chegada, 80; logo, estou no lucro, que seria "canseira e enfado".

Um pouco de canseira sim, mas me sinto ainda bem, como se tivesse menos de 50; aliás, observo que os idosos de hoje não têm o mesmo semblante dos mais antigos, das décadas passadas [1950/60]: tinham pele já não mais lisa, fraqueza, dificuldade para andar etc. – hoje há idosos com mais saúde e vigor, pela graça de Deus.

Nosso Deus nos conhece [Salmo 139], sabe o dia do nosso nascimento, também o dia de irmos encontrar o Senhor Jesus nos ares, entre nuvens (I Tessalonicenses 4. 17); finalmente o "arrebatamento" prometido por Ele!

"Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também" (João 14. 2-3).

Observe-se que nessa "volta" Ele não pisa na terra, recebe-nos em pleno ar, entre nuvens, conforme descrito por Paulo em carta aos cristãos de Tessalônica (4.17).

Não consigo pensar o simples "Plano de Deus" [de salvação], para toda a humanidade, a não ser a partir da humilde estrebaria, onde o boi comia palha.

Na segunda vinda do Senhor Jesus, após implantado o seu reino sobre todas as nações, a partir de Jerusalém, os animais domésticos serão companhia para os chamados animais selvagens, ferozes.

O leão comerá palha como o boi; os animais ditos ferozes se darão bem; a criança brincará com animais hoje peçonhentos e perigosos; isso é paz verdadeira, completa e definitiva.

"O lobo habitará com o cordeiro, e o leopardo se deitará junto ao cabrito; o bezerro, o leão novo e o animal cevado andarão juntos, e um pequenino os guiará. A vaca e a ursa pastarão juntas, e as suas crias juntas se deitarão; o leão comerá palha como o boi. A criança de peito brincará sobre a toca da áspide, e o já desmamado meterá a mão na cova do basilisco. Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar. Naquele dia recorrerão as nações à raiz de Jessé que está posta por estandarte dos povos; a glória lhe será a morada" (Isaías, 11. 6-10).

Não há como nos abstrairmos de que falta paz no mundo pelo fato de, ainda, o Senhor Jesus não ter um lugar para Ele.

Em terra dominada pelo mal [e o mau] não pode haver entendimento, amor, alegria, união; cada um quer o que é seu e, se possível, o que é do próximo.

A Palavra de Deus nos afirma que "o mundo jaz no maligno" (I João 5. 19).

Não pode haver paz onde reina o mal [e o mau], a mentira [ele é o pai da mentira], a corrupção [ele é o corruptor de corações]; segundo disse o Senhor Jesus "o diabo veio só para roubar, matar e destruir" (João 10. 10).

Já o Senhor Jesus veio, voltará, para trazer vida e vida em abundância, saúde, longevidade, pois trará "amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio", características do "Fruto do Espirito" na vida do cristão. (Gálatas 5. 22-23).

Em pregação do meu filho pastor, há uma semana, ficou claro que, às vezes, não somos atendidos em nossas orações pela existência de "murmuração" em vez de "adoração", o que desagrada a Deus.

Nada, pois, de murmurar pelo que perdemos [ou não conquistamos], nada de choro pelo que passou longe dos nossos desejos, nada de lamuriar pelos sonhos insatisfeitos, nada de reclamações pelo pouco quando nossa meta era o muito [ou o TUDO]!

"Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Filipenses 3. 12-14).

Não precisamos, em 2022, parar de sonhar, somos mais que vencedores em Cristo Jesus (Romanos 8. 37), mas sejamos gratos por tudo que Ele já nos deu, principalmente a sua própria vida em nosso lugar! Vide João 3. 16.

Em Cristo, esperança é certeza [FÉ] – (Hebreus 11. 1).

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 717 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.