Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

O aborto foi abortado!

Recebi, há poucos dias, um vídeo de uma história real, na qual o vento bateu forte e, de um ninho de canarinhos, foi derrubado um dos ovinhos, caindo em um monte de lixo ao pé da árvore; a casca do ovo se partiu vendo-se então um filhote de passarinho em plena gestação, ainda meio informe, destinado, portanto, à morte.

Por certo, como na parábola do Bom Samaritano, pessoas devem ter visto o ocorrido, mas passaram de largo, porém, pela graça de Deus, outra pessoa que passava, vendo o desastre da natureza, deu-se ao trabalho, melhor dizendo, deu-se à bondade de pegar aquele ovo.

Durante alguns dias, após acabar de descascar o ovinho, acolher aquele filhotinho de pássaro, referida pessoa cuidava dele alimentando-o sempre; fazia uma espécie de mingau e, com uma colher, após medir cuidadosamente a temperatura do líquido, com um termômetro, dava o alimento no biquinho do pequeno ser.
Tirar da casca em pedaços foi um trabalho delicado com uma pequena pinça; removia suavemente os pedaços da casca e depois a membrana protetora em torno do filhotinho.

O desenvolvimento da mini-criatura foi-se dando com vagar até que, crescendo o bastante, cobriu-se de lindas penas amarelas, andou e, finalmente, voou indo e vindo até à mão de seu benfeitor.

O aborto da natureza foi abortado pelo amor de uma pessoa; viveu o lindo canário, dono de um apaixonante e mavioso cântico!

Há, na história recente, alguns casos em que havia risco para a saúde das gestantes ou do bebê e a medicina recomendou a interrupção da gravidez, todavia mulheres corajosas não permitiram os respectivos abortos e seus filhos, que se tornaram famosos, por serviços à Sociedade/Humanidade, são muito respeitados e admirados, como:

• Christiano Ronaldo [ jogador de futebol],
• Andrea Bocelli [tenor],
• Steve Jobs [criador da Microsoft],
• Justin Bieber [cantor],
• Roberto Gómez Bolaños [o ator que representa "Chaves"],
• Susan Boyle [cantora lírica famosa],
• Celine Dion [cantora canadense],
• Thiago Silva [jogador de futebol],
• Jack Nicholson [ator, cineasta, produtor de cinema e roteirista americano] etc.

Também, já contei em artigo anterior, tive um caso na família, minha filha, cujo exame de sangue apontou vírus de Rubéola, uma doença que a maioria das pessoas teve na infância, antes da existência da adequada vacina.

Sua médica aconselhou a interrupção da gestação [de "risco" para o bebê]; ela sofreu, chorou muito, mas decidiu não fazer; mudou de médica que explicou que o vírus era normal, ou seja, em toda a sua vida, quando fizer exames, aquela marca do vírus sempre será visível e apontada, embora não haja risco algum.

Hoje, 27 anos depois, temos uma linda, inteligente, dinâmica e saudável netinha.

Conta-se, nas páginas virtuais, a "estória" de uma moça, grávida recente, com um bebê no colo, que engravidou novamente; foi ao médico dizendo não poder dar continuidade à gestação, pois não aguentaria criar duas crianças na mesma faixa etária, fraquinha que estava.

O médico, então, "sabiamente", sugeriu a ela se livrar do pequeno que estava em seu colo para ter uma gravidez tranquila, podendo se recuperar da fadiga e, quando o outro chegasse, ela estaria em condições de acolhê-lo e dele cuidar bem.

Ela reagiu: "não doutor, isso é crime!" – o médico, então, alertou: "o que a senhora me pede também é crime"; é, portanto, uma questão de escolha.

Quando se toca nesse assunto, é comum ouvir dizer que a mulher tem o direito de decidir, pois é ela a "dona" do seu corpo!

Não podemos negar, sim, ela é dona do "seu" corpo e não do corpo, da vida da inocente criatura que está em seu ventre; por que sacrificar um inocente?

Por que não dar a esse inocente o direito de viver, quiçá a felicidade de ser alguém extremamente útil à humanidade?

Como cristãos, temos que ser favoráveis à vida; não é sadiamente possível concordar com a interrupção da gravidez de quem quer que seja; e se tudo correr bem conforme mencionamos, acima, nos casos de pessoas hoje importantes, cujas mães tiveram a coragem de dizer não ao aborto?

Se for responsável um estupro [o mal já está feito], por que interromper a gestação [um mal maior] de um inocente, alguém que não solicitou para ser gerado?

Melhor deixar nascer e viver e poderá se dar o que aconteceu, também, com alguns dos casos acima citados: filhos [fenômenos] de heroínas anônimas?

O Senhor Jesus afirmou (João 10.10) que "Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância" [longevidade e qualidade].

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 627 [ver]
Site: http://www.sefiel.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.