Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Por Escrito

Eles viviam Cristo todos os dias

Como de costume, ao sair das aulas do cursinho, todos os dias um amigo ia comigo até o ponto de ônibus. Mas em uma sexta-feira ele resolveu mudar o caminho e disse que precisava buscar algo com seu irmão. Fiquei esperando na porta do lugar até que ele voltou sem a minha mochila dizendo que ela tinha ficado em uma salinha e que se eu quisesse poderia pegá-la, mas para isso seria preciso passar entre todos que estavam em uma reunião. Na hora senti raiva, vergonha, e vi que não havia o que fazer a não ser esperar o término da reunião.

Ao sentar na porta da sala, comecei a observar o grupo ali reunido. Era uma reunião do Grupo Base da Aliança Bíblica Universitária (ABU), de Juiz de Fora. Eles discutiam o modelo de batismo. Aquilo me chamou atenção: pela primeira vez vi um grupo debater algo relacionado à Bíblia, com divergência de opiniões e com firmeza de argumentos, mas que, ao final, se abraçava e combinava o lugar em que iriam comer um lanche no final da noite. Logo em seguida, alguns do grupo vieram me cumprimentar e saber quem eu era. Bastou eu dizer o meu nome para também ser chamada para o lanche.

No dia seguinte eu já estava indo à casa de um deles para ver filme e jogar “Imagem e ação” e, no domingo, participando de um piquenique na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Era tudo estranho para mim. Eu tinha receio que descobrissem que eu não era da religião deles e que fosse excluída do novo círculo de amizade. Para minha surpresa, quando contei que eu não pertencia a alguma igreja e que não acreditava que Cristo era o Filho de Deus e que ele não passava de um “espírito evoluído”, eles reagiram de uma forma tão natural e acolhedora, que todos os preconceitos que eu tinha dos evangélicos foram descontruídos naquele momento.

Os meses foram passando, e eu estava cada vez mais envolvida com esse grupo de pessoas. Diversas vezes, eu cedia minha casa para encontros, lanches, e almoços de fim de semana. Em nossos encontros, eu ficava impressionada com o modelo de amizade que eles tinham, o cuidado um com o outro, a forma como se ajudavam e como falavam de Cristo com tanta certeza e amor. Eles viviam Cristo todos os dias.

Por causa disso, comecei a questionar profundamente as certezas que tinha até então e concluí que precisava rever tudo o que eu acreditava e o que não acreditava. Mas minha resistência ao uso da Bíblia era tão forte que não queria aceitar que algo estava mudando em mim.

Chegando meu aniversário, fui presenteada com o livro Deus em Questão, escrito por um psiquiatra contando a vida de um cara que eu admirava: Freud – e de C. S. Lewis que eu nunca tinha ouvido falar. Claro que esse eu iria ler, afinal não era a Bíblia e o livro tinha despertado minha curiosidade.

Ao ler o livro e somá-lo à nova experiência que estava vivendo, entrei num profundo conflito interno: “Será que tudo que acreditava não era o que parecia ser?”.

Foi então que em um fim de semana em casa decidi que precisava rever tudo. Sentei aos pés da minha cama e falei: “Jesus, será que você é mesmo real? Esta aqui? É Deus? Morreu mesmo para nos salvar?”. Eram tantas dúvidas, mas se as respostas fossem “sim”, eu o queria em minha vida, largaria todo aquele modelo que vivia e o seguiria.

Esse “sim” veio ao longo dos dias. Era algo transbordante dentro de mim. A minha oração foi ouvida. Que alegria! Eu precisava conhecer a história desse “Jesus”, o que realmente tinha acontecido com ele e o que eu necessitava para segui-lo.

Alguns amigos iniciaram comigo o estudo do Evangelho de Lucas, do Projeto Lucas, da ABU. Tive a oportunidade de saber toda a história de Jesus narrada no Evangelho de Lucas. Entendi que precisava renunciar várias coisas em minha vida, pedir e dar o perdão a algumas pessoas, que o chamado da cruz nos traz uma esperança eterna e que a maravilhosa graça de Jesus nos dá condições de viver todos os dias recebendo o amor e cuidado de nosso Salvador e Redentor.

• Ingrid Reis, estudante de economia na Universidade Federal de Viçosa (UFV) e estagiária na Editora Ultimato. Fundou o grupo da ABU na cidade de Mariana (MG).

Leia mais
A cabra
Em um janeiro de luz fui iluminado
O Cão de Caça do Céu e o Menino Sorriso

Photo by Victoriano Izquierdo on Unsplash.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Por Escrito

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.