Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Teólogos expressam-se sobre situação política do Brasil

O ambiente político tenso pelo qual vive o país foi motivo nesta semana de pronunciamentos por parte de dois grupos de teólogos evangélicos.

Os participantes do 10º Congresso de Teologia Vida Nova, realizado na semana passada, em Águas de Lindóia, SP, publicaram a Declaração sobre a Atual Conjuntura Sociopolítica da Nação, em que repudiam a corrupção, “toda forma de relativização da Constituição Federal”, a “idolatria do Estado” e a “usurpação da autonomia das esferas executiva, legislativa e judiciária”. O documento faz críticas a partes da igreja “que, em nome de uma agenda ideológica iníqua, se eximem de fazer crítica profética a partir das Escrituras e, com isso, contribuem para a corrosão do estado democrático de direito”.

Outro pronunciamento também expressou seu olhar sobre o momento atual, só que com ênfases diferentes. Por iniciativa do Ministério “Missão na Íntegra” que organiza pelo Brasil debates com teólogos, missiológos e líderes de ministérios, o Manifesto de Evangélicos pelo Estado de Direito também valoriza o combate à corrupção e a impunidade, mas rejeita “igualmente toda indignação pecaminosa que suplante o ordenamento jurídico, que aja com parcialidade e dissemine o ódio e o desejo de vingança entre os brasileiros” e faz críticas “à postura midiática tendenciosa com divulgações editadas dos processos investigativos”.

Sobre protestos nas ruas

Quanto à participação de protestos nas ruas, ambas as declarações fizeram menções à questão. A primeira valorizou as manifestações públicas contra a corrupção, mas “dentro dos parâmetros do respeito e da moderação, como pacificadores (Mt 5.9), entendendo que este é um momento oportuno de expressão do compromisso com a fé cristã”. Já a segunda reiterou que a voz das ruas deve ser ouvida, mas ressaltou que “os gritos de ‘crucifica-o’ são motivados, muitas vezes, por gente mal intencionada e isso pode nos trair e nos levar a julgamentos precipitados”. “O limite é a Constituição Brasileira”, diz.

Se nos dois pronunciamentos há diferenças, pontos em comum também podem ser observados, como: a busca pela paz e pela justiça, o combate à corrupção e à preservação da ordem jurídica. Nenhum dos dois grupos defendeu uma postura de não participação do cristão na esfera pública. Ambos temem ainda que o acirramento entre as pessoas provoque conflitos mais graves e por isso pedem o engajamento e valorização da paz.

Imagem: Grupos favoráveis e contrários ao impeachment de Dilma Rousseff em frente ao Palácio do Planalto (DF). Foto: Alexandre Brasil

Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1134 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.