Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Teologia da Prosperidade: um adolescente rebelde?

Igrejas comprometidas com a Teologia da Prosperidade podem ser consideradas cristãs? Aqueles que aderem ao evangelho da prosperidade devem ser tratados como nossos irmãos em Cristo? Mas e os pastores e líderes que enganam as pessoas com essa mensagem espúria? Como devemos encará-los?

Essas perguntas têm perturbado muitas pessoas há muito tempo. Acredito que também não eram poucos os que buscavam respostas a essas questões ao participar da Consulta Teológica e Pastoral “Um chamado à humildade, à integridade e à simplicidade”, nos dias 3 a 5 de abril na Estância Palavra da Vida, em Atibaia (SP). Essa Consulta, promovida pela Aliança Cristã Evangélica Brasileira em parceria com o Movimento de Lausanne, ocorreu mais de 20 anos depois que a Teologia da Prosperidade começou a confrontar as igrejas evangélicas brasileiras.

O que motivou tamanho atraso na realização de um encontro de alto nível sobre o assunto em nosso país? Creio que foi em grande parte pela nossa dificuldade em administrar a tensão que também esteve presente na Consulta. De um lado, há aqueles que preferem adotar uma atitude conciliatória, tentando aproximação com os adeptos da Teologia da Prosperidade, deixando-lhes abertas as portas para o caso de mudarem de posição. Do outro lado, há os que se preocupam com a doutrina e prática corretas e sentem necessidade de denunciar os abusos dos promotores da Teologia da Prosperidade a fim de proteger cristãos e não-cristãos dessa heresia.

Joel Edwards, Diretor Internacional do Micah Challenge (Desafio Miquéias), causou impacto ao comparar os adeptos da Teologia da Prosperidade a um “adolescente desviado”, que tem crises éticas e é caracterizado por atitudes egocêntricas. Lembrou que quando os adolescentes cometem erros, em vez de expulsá-los de casa, os pais devem conversar com eles e, ao fazê-lo, talvez percebam coisas que precisam aprender deles.

Comparar os adeptos da Teologia da Prosperidade a adolescentes implica conferir-lhes legitimidade, aceitando-os como filhos ou irmãos, membros da nossa família. Talvez devamos, sim, ter coração aberto para relevar alguns erros na doutrina e na prática, pois é próprio dos adolescentes serem imaturos, irresponsáveis, fazer criancices e até cometer pequenos delitos de vez em quando.

Devemos, porém, lembrar que a realidade é muito mais complexa. Há os que se aproveitam da imaturidade dos adolescentes e lhes passam drogas ou os conduzem à prostituição. E mesmo entre os traficantes, há os pequenos vendedores, os chefes do “morro” e os donos do tráfico, e não podemos tratar todos da mesma maneira.

Nos evangelhos, Jesus trata de maneira diferenciada os diversos tipos de ouvintes. Em relação aos mestres da lei e fariseus, não mediu palavras para denunciar os ensinos e malfeitos desses líderes religiosos que não queriam entrar no Reino de Deus nem deixavam entrar os que desejavam fazê-lo (Mateus 23). Já em relação às multidões, sempre demonstrou compaixão e acolhimento, embora tomasse o devido cuidado para evitar que sua fama se espalhasse e ele fosse encarado como um Messias que iria satisfazer os interesses egoístas e utilitaristas dos judeus (Mateus 9.36; Marcos 6.34; cf. Marcos 1.43-44; 5.43; 7.36; 8.26, 30; 9.9; João 6.15).

Seguindo o exemplo de Jesus, nossa resposta à Teologia da Prosperidade deve fazer distinção clara entre a “multidão” e os falsos mestres. Para os que estão premidos pelas necessidades ou se encontram na infância teológica e se tornam presas fáceis do ensino da prosperidade, precisamos apresentar a mensagem autêntica de Jesus, mas com compaixão e paciência, lembrando que ele nos amou primeiro. Para os que exploram dolosamente os incautos com o “outro evangelho” da prosperidade, em especial aos donos das igrejas, a mesma severidade com que Jesus tratava os que enredavam o povo com ensinos espúrios. E a todos, o evangelho integral do Reino de Deus, com sua visão de riqueza e pobreza, prosperidade e simplicidade, poder e serviço, glória e cruz.


• Norio Yamakami é pastor da Igreja Evangélica Holiness do Brasil.

Leia também
A Teologia da Prosperidade na berlinda (exclusivo para assinantes)
A ganância nossa de cada dia 
Trabalho, descanso e dinheiro  

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.