Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Sobre a ligação entre pulso e vida

Por Ivan Abreu Figueiredo

A história da medicina nos traz detalhes saborosos, como ilustrações datadas desde o Egito antigo e que se repetem em várias culturas e lugares, nas quais um médico ou seu equivalente naquela época verifica o pulso de um doente. Há de fato um poder, um carisma nesse ato simples e rico de significados. Ele significa a chegada da possibilidade de alívio e esperança para o doente e sua família. É uma demonstração de cuidado, afeto até.

Lembro das aulas de semiologia, do esforço sempre necessário para entender os sinais emitidos pelo corpo. Da recomendação oportuna de silêncio e máxima concentração ao se examinar o doente. Do aprendizado de tantas coisas que o pulso demonstra em sua amplitude, frequência, ritmo. Gosto de lembrar das vezes em que, ao aferir um pulso, recebi aquele olhar inconfundível de esperança e até devoção do doente.

Medir um pulso, primeiro momento, o toque terapêutico até podendo fazer suas mágicas. Pulso que nos ajuda a excluir hipóteses mais graves ou confirmá-las. Pulso tão detalhadamente explorado numa era pré exames de imagem, pulso condutor de esperança ou preocupação, alívio ou lamento. O fato elementar de que enquanto houver pulso há vida, ainda que enfraquecida. A dor trazida por sua ausência.

Corte súbito para a Palavra e sua afirmação de que a vida com o Pai tem seu pulso bem evidente no que fazemos e somos. No fato de não ser o pulso quem confere vida, e sim o contrário. Sem o doador da vida, nada de pulso.

Lembro da T, amiga querida que me brindou com a expressão "vida que pulsa", desde então dançando em minha mente.

Lembro da linda canção do Gerson Borges, “O pulso, a pulsação”, passeio pelas recordações do meu trabalho. Faço a autocrítica das vezes em que fui negligente em investigar os pulsos de meus pacientes, perdendo a chance de um primeiro contato fortalecedor de um vínculo especial. Presto tributo ao clássico Vieira Romeiro da semiologia médica, verdadeira bíblia para nós, estudantes e médicos, boquiabertos de admiração diante de tanta capacidade de, sem exames complementares, fazer diagnósticos complexos; uma arte que está se perdendo por nossa dificuldade em equilibrar velho e novo, exame físico e tecnologia de ponta.


Volto à Palavra, à clara equação do pulso objetivo, mensurável, como evidência do subjetivo não menos real, da centelha de vida vinda do Criador e que transmitimos por bondade dele à nossa descendência. Lamento as horas de pulso filiforme (aquele fraquinho, quase imperceptível) em minha vida, fruto da indiferença e pouco espaço para o afeto. Anseio por pulso medianamente amplo, pleno e tenso (obrigado mais uma vez, professor Viera Romeiro), aquele pulso tranquilo e sem exageros da saúde plena de quem não negligencia o relacionamento com o Pai.

Tanta coisa nos ensina o pulso que me percebo somente arranhando a superfície de sua riqueza em significados. Por ora, que não percamos de vista que o pulso revela a qualidade da caminhada com Deus, através daquilo que somos e fazemos.

• Ivan Abreu Figueiredo, médico, professor universitário, membro da Igreja Batista Plenitude, São Luís, MA.


Leia mais: 
» Médicos de Cristo: a ética cristã e o compromisso com a vida humana
» Olhar a morte nos olhos – reflexões de um médico cristão

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.