Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Por Escrito

Sentenças

Por Levi Agreste

Juntou todos os papéis intermináveis, contando os números incalculáveis. À medida que seus olhos deslizavam sobre as folhas, seus lábios se amargavam. Concluiu, revisou, releu: não havia saída. Não havia dinheiro.

Com o choro engasgado, comunicou à esposa e os filhos que todo o esforço financeiro que fizeram não foi suficiente. Os meses desempregado tiraram-lhes aos poucos as joias, o sofá, o carro, a TV e - por fim - a casa.

Foram sentenciados à rua.

Sem opções, buscaram abrigo em um prédio abandonado. Um grupo antes desconhecido geria o local ocupado com regras rígidas e horários implacáveis.

As primeiras semanas de adaptação foram difíceis: a companhia indesejável, a limitada privacidade, os serviços comunitários. Tudo começou a melhorar quando os contatos com o grupo renderam ao pai um emprego razoável como representante de vendas e à mãe a oportunidade de fazer uns trocados com produtos artesanais.

Gradativamente, as dívidas iam diminuindo. O pai, agarrado com unhas e dentes ao novo emprego, cresceu na carreira. A mãe, despertando seu potencial, organizou a fundação de uma cooperativa que multiplicou a renda das artesãs.

Com lágrimas dobradas fecharam o contrato de financiamento da nova casa - casa confortável, de paredes singelas e janelas alegres. Construíram ali novo lar.

Os anos se passaram. As paredes se esfriaram. As janelas endureceram. Os novos residentes - descendentes daqueles primeiros - tomavam café ao som de fundo da televisão.

“...prédio ocupado irregularmente desaba após incêndio durante a noite...”

O som da TV se misturava à letárgica mastigação.

“Não se sabe ao certo quantas pessoas ainda podem estar nos escombros...”

O homem da casa finalmente levantou os olhos, observando as cenas de destruição. Parou por alguns instantes, ouvindo atentamente a voz da jornalista. Quando a cena foi cortada, ele voltou os olhos para sua companheira.

“Baderneiros... tiveram o que mereciam...”

• Levi Agreste, graduado em Letras pela Unicamp, leciona em três escolas da região metropolitana de Campinas, faz parte da coordenação da ONG Soprar e escreve no blog umanovaviagem.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Por Escrito

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.