Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Religiosidade popular evangélica

Não é de hoje que o perigo da popularidade ronda as igrejas evangélicas do Brasil, e até do mundo. Graças a isso, as igrejas estão crescendo assustadoramente. Os templos, cada vez mais grandiosos e luxuosos, abrigam fiéis que muitas vezes nem têm o que comer. Artistas, políticos, esportistas e outras pessoas de renome se dizem “crentes”. Tudo muito comum, normal, banal. Mas o que isso representa para o Brasil não apenas em termos numéricos? Temos sido sal da terra e luz do mundo?
 
Há 15 anos Ultimato publicou o artigo “Os Perigos da Religiosidade Popular ‘Evangélica’”, do missiólogo equatoriano C. René Padilla. Infelizmente esse artigo ainda se aplica à nossa realidade. Talvez o que vemos e vivemos hoje esteja até além do relatado por Padilla. Prateleira relembra alguns trechos:

“Minha recente visita ao Brasil me deixou preocupado. Por uma lado, as igrejas evangélicas estão crescendo numericamente em ritmo surpreendente. Por outro, também cresce em muitas delas uma mescla da fé cristã com valores, idéias e costumes que contradizem ou a negam: o que os missiólogos denominam de ‘sincretismo’. Ouvi, por exemplo, de evangélicos que, para evitar que ladrões os roubem, colocam na entrada de sua casa um texto bíblico: ‘O Senhor é o meu pastor, nada me faltará’. Também me contaram de outros que para neutralizar as drogas receitam chá misturado com pequenos fragmentos do Salmo 23 cortados da Bíblia.
Para complicar um pouco mais as coisas, no Brasil e em vários países da América Latina, está ganhando terreno outra forma de sincretismo que tem sua origem nos Estados Unidos: o assim chamado ‘evangelho da prosperidade’. Segundo este, Deus dispôs que seus filhos prosperem tanto espiritual como materialmente... A única condição para receber estas bênçaos -- dizem -- é crer... A partir desta perspectiva, é lógico afirmar (como de fato se afirma) que se não recebemos o que pedimos é por não termos suficiente fé.
Admitamos de início a pobreza de nossa fé. Admitamos que, em muitos casos, quando oramos nos parecemos com os crentes de At 12.12-17... Esta passagem mostra que a falta de fé não é um problema somente de hoje, mas de sempre... Tal é a pobreza de nossa fé que, se não fosse pela obra do Espírito que intercede por nós, todas as nossas orações seriam infrutuosas.” 


Leia o que Ultimato publicou sobre o assunto
A igreja de Edir Macedo tornou-se um conglomerado que mescla religião, mídia, política e negócios, ed. 309
A maré evangélica, ed. 302
Saudades dos crentes, ed. 295
Protestantismo brasileiro, ed. 278
O forte crescimento evangélico brasileiro, ed. 269

Leia o livro
O escândalo do comportamento evangélico
Cosmovisão cristã e transformação
O que os evangélicos não falam
A caminhada cristã na história
É jornalista e assistente editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 31 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.