Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Quem precisa de um casamento criativo?

Por Pedro Dulci
 
Se eu disser que um casamento tem que ser criativo, o que você pensaria? “Novidades”, com certeza, aparecia em sua mente. Criativo é aquele casal que sempre “cria" para inovar sua rotina. “Monótono” é o casamento que não é criativo.
 
Essa imagem de criatividade nos joga em uma tirania da novidade. Ela faz parecer absolutamente tedioso para um casal viver com o mesmo cônjuge por décadas. A busca incansável por um casamento constantemente criativo esconde um medo terrível: da monotonia de uma vida presa a um relacionamento desinteressante.
 
O desastre é ainda maior quando essa imagem é transposta para a igreja. Não são poucos os que tiveram suas vidas conjugais feridas por instruções equivocadas que receberam nos famigerados encontros para casais.
 
Pregadores engraçadinhos entretêm a comunidade com piadas cheias de estereótipos e pornografia leve. O desespero da tirania da novidade adentra à igreja em aconselhamentos que orientam a busca por novidades que apimentem os matrimônios.
 
Eu não quero um casamento criativo. 
 
Não com essa imagem de criatividade. Eu aprendi com C. S. Lewis, no livro A Imagem Descartada (Ed. É Realizações), que a tirania da novidade é uma característica da modernidade. Os artistas medievais, mergulhados na visão de mundo cristã, não tinham essa imagem de criatividade. Não tentavam criar significado para as obras. A beleza e a criatividade eram sinais, elas apontavam para onde o significado estava – em Deus.
 
Precisamos renovar as imagens do casamento. Carecemos de uma imaginação governada por imagens bíblicas. Só assim recuperaremos uma criatividade que não fica desesperada para dar novos significados à velha relação, mas que encontra todo o sentido do casamento na aliança de Deus com seu povo.
 
Esse é o meio de nos desvencilharmos da teologia da prosperidade afetiva que perpassa cursos de noivos e encontros para casais. Encontraremos no evangelho a estrutura, a beleza e o mistério da relação conjugal que tem na entrega de Jesus e na submissão da Igreja seus parâmetros. A esperança estará na nova vida em Cristo e não nos novos brinquedos do sex shop.

• Pedro Lucas Dulci, filósofo e pastor presbiteriano, é casado com Carolinne e pai de Benjamin. É autor de Fé Cristã e Ação Política, publicado pela Editora Ultimato.
 

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.