Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Pesquisa revela que 87% dos jovens não têm restrições para usar Internet

(ADITAL) Uma pesquisa inédita realizada pela organização não-governamental SaferNet Brasil - que luta pelos Direitos Humanos na Internet - revela dados preocupantes sobre a exposição e os riscos que crianças e adolescentes correm ao acessar a Internet. O estudo contou com a participação de quase 1.400 entrevistados, entre crianças, adolescentes e pais de todo o país. Um dos dados que mais chamaram a atenção foi de que 87% dos jovens internautas afirmam não possuir restrições ao uso da Internet. A facilidade para se ter contato com conteúdos que deveriam ser restritos também foi um ponto de destaque, já que 53% tiveram contato com conteúdos agressivos e que eles mesmos consideravam impróprios para sua faixa etária.

Mesmo com a preocupação revelada pelos pais em relação àquilo que seus filhos vêem na Internet, ao contato com pessoas mal intencionadas e à falta de segurança on line, a pesquisa mostra que há pouca restrição em relação aos tipos de sites que são acessados pelos filhos, bem como ao número de horas que eles passam em frente ao computador - 63% dos pais disseram que não impunham regras para o uso que os filhos fazem da Internet.

Ainda de acordo com o estudo, 77% dos jovens afirmam que não possuem limite algum no tempo que podem ficar na Internet. Além disso, 64% deles dizem que usam a Internet principalmente no próprio quarto, contrariando uma das dicas de prevenção que orienta a manter o computador em área comum da residência, a fim de que os pais possam acompanhar o que os filhos estão acessando.

Por outro lado, mesmo considerando que estão sempre seguros e podem se defender de qualquer ameaça do mundo virtual, os jovens internautas relataram na pesquisa já terem sofrido práticas nocivas como ciberbullying (38%) e chantagem on line (10%). O ciberbullying - uma variação do bullying - é um conjunto de agressões promovido entre colegas de escola ou em grupos de amigos, que utilizam o ambiente virtual para ridicularizar uma determinada pessoa.

Outra preocupação revelada pelo estudo é com o tipo de sites que são acessados por crianças e jovens, já que 80% dos jovens preferem os sites de relacionamento e 72%, comunicadores instantâneos. Um problema detectado pela pesquisa é que a maioria dos jovens (66,71%) conta que se cadastrou em sites de relacionamento sem supervisão de um responsável, mesmo que os endereços fossem proibidos para crianças e adolescentes.

Com base nos dados obtidos, a SaferNet pretende elaborar uma cartilha voltada para os jovens. Unindo conteúdo pedagógico e linguagem acessível, a cartilha pretende dar dicas de como prevenir e se defender de possíveis ameaças no mundo virtual. A ONG também quer realizar, em breve, uma nova pesquisa, desta vez voltada para educadores e lan-houses, para definir um diagnóstico de como a Internet pode se tornar um perigo se for mal utilizada.

Contato: SaferNet Brasil www.safernet.org.br

Fonte: www.adital.com.br

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.