Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Cristo nossa Páscoa foi imolado, ressuscitou como disse, aleluia!

Por Luiz Fernando dos Santos
 
“Não tenham medo”, disse ele. “Vocês estão procurando Jesus, o Nazareno, que foi crucificado. Ele ressuscitou! Não está aqui. Vejam o lugar onde o haviam posto” (Mc 16.6).
 
O título desta pastoral (Pascha nostrum immolatus est Christus. Resurrexit sicut dixit, Alleluia!) é a junção de duas belíssimas antífonas da antiquíssima tradição litúrgica da igreja cristã. Traduzidas livremente, dizem algo assim: Cristo nossa Páscoa foi imolado, ressuscitou como disse, aleluia! É o mais perfeito sumário das celebrações pascais, pois de fato, Cristo, o nosso cordeiro pascal, foi imolado. Como nosso substituto e dando pleno e verdadeiro sentido e eficácia aos sacrifícios da antiga dispensação, Cristo se oferece como oferta pelos nossos pecados e essa oferta ele faz por nós, em nosso favor, mas não para aí. Ele também nos substitui no madeiro. 
 
A cruz não foi preparada para ele, pensada nele, mas para nós, pensada em nós, malfeitores, cruéis e pecadores inveterados. Abraçando livremente a paixão, ele o faz em nosso lugar e carrega sobre si as nossas enfermidades e iniquidades e recebe em seu corpo o castigo que deveria ser descarregado sobre nós. Na liturgia de sua crucifixão, a um só tempo, Jesus é sacerdote, altar e cordeiro. É o ofertante, sobre ele a oferta e sacrificada e ele mesmo é o sacrifício. O Pai aceita nos céus o holocausto do Cordeiro amado e desvia de nós a sua ira e assim, nos recebe de volta em seu seio. 
 
Mas, o sacrifício de sua vida física, sua morte real não conta toda a história. Ele ressuscitou ao terceiro dia, como havia dito, sua ressurreição física, histórica é real, aconteceu de fato. A ressurreição de Cristo é a primícia e ao mesmo tempo, o penhor da nossa ressurreição. O seu corpo agora glorificado é uma prova antecipada do que acontecerá também com esse nosso pobre corpo mortal. Um dia, seremos como ele é agora e o contemplaremos face a face. Muitas outras mensagens podem derivar das festas pascais, como o desejo de que todas as coisas sejam renovadas, que as marcas da cultura a morte desapareçam da sociedade, que os homens se reconciliem, que as guerras cessem de uma vez, que o perdão seja estendido a todos de maneira incondicional, como o da cruz. Entretanto, a igreja nunca poderá deixar de confessar e professar na liturgia, à luz das Escrituras, esse mistério que é o centro estruturante da nossa fé: Cristo Ressuscitou! Sem que esta verdade seja proclamada e ensinada, crida, vivida e celebrada, não há cristianismo autêntico, não há evangelho poderoso, não há esperança que se imponha ao caos do mundo.
 
A ressurreição de Cristo é o centro do universo criado e o eixo central da história dos homens e o ponto culminante da revelação bíblica. Vivemos dias estranhos na igreja. Os males do mundo são agravados quando a igreja muda ou perde o foco da sua mensagem. 
 
O ‘evangelho’ da prosperidade, do bem-estar, do ‘coach’ não é mais perigoso do que o ‘evangelho’ das causas sociais, do engajamento político, da teologia inclusiva. Infelizmente não há lugar nessa pastoral para dizer que há espaço, em certa e equilibrada medida, de levarmos os homens a considerarem que a vida na Aliança acarreta toda sorte de bênçãos, materiais e psicológicas, inclusive. Há também espaço para uma teologia encarnada e comprometida com a justiça e a transformação da sociedade e a luta em favor dos marginalizados. Mas, essas são mensagens, ensinamentos derivados da mensagem central, irredutível e inegociável da ressurreição de Cristo. Essa proclamação está esculpida nas Escrituras de Gênesis a Apocalipse e é dramatizada nos sacramentos, de maneira que no batismo participamos da morte e ressurreição de Jesus e na Ceia, recordamos a sua paixão, anunciamos a sua morte, proclamamos a sua ressurreição e juntos, ceamos, aguardando a sua volta gloriosa. 
 
 
A Igreja, em si mesma, é um poderoso sinal da ressurreição de Cristo em meio as mortes do mundo. Ela é o sinal sacramental da humanidade redimida e que desde agora, já vive as primícias da ressurreição enquanto aguarda a transfiguração do seu corpo. 
 
Que as celebrações destes dias pascais nos encorajem a um retorno e a um apego mais deliberado de fazermos da mensagem da cruz e do túmulo vazio o centro da nossa pregação, a verdade mais desconcertante que um homem possa ouvir e a maior bênção que a igreja possa comunicar ao mundo. Como ensina o apóstolo: “...se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm. E, se Cristo não ressuscitou, inútil é a fé que vocês têm, e ainda estão em seus pecados” (1Co 15.14,17). Feliz e santa Páscoa da ressurreição de Jesus Cristo para todos!
 

Leia mais:
 
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 102 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.