Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O caminho da pacificação para a igreja no Brasil

Paulo Ribeiro
 
De que adianta, meus irmãos, dizerem que têm fé se não a demonstram por meio de suas ações? 
 
Há muitos anos li um artigo no New York Times de um jornalista não cristão louvando o trabalho de John Stott. Num certo ponto do artigo ele diz:
“Eu mesmo não sou religioso, mas admiro aqueles que vejo arriscando suas vidas dessa maneira – e me enoja ver essa fé ser ridicularizada em coquetéis em Nova York”. 
“Por que isso é importante? Porque muitas pessoas religiosas ou não fazem um trabalho fantástico em questões humanitárias e, muitas vezes, não trabalham juntas por causa de suspeitas mútuas. Se atravessarmos esse ‘abismo de Deus’ [e agora da política], faríamos muito mais por esse mundo doente e carente. E isso seria uma dádiva de Deus”.
 
Que acusação para a maioria dos protestantes e evangélicos no Brasil.
 
Que exemplo a ser seguido. Em vez da pregação de fogo e enxofre, pureza doutrinária ou ideologia política, Stott pregou unidade sob a Cruz de Cristo.
 
Nos anos 60, quando um líder evangélico convocou todos os clérigos e líderes leigos das igrejas evangélicas na Inglaterra a saírem de suas denominações liberais, John Stott pediu um compromisso da maioria dos evangélicos da Igreja Anglicana na Inglaterra para permanecer nela.

 
Sua mensagem era ficar com a Igreja e trabalhar em conjunto com várias outras organizações religiosas ou não de forma caridosa e generosa.
 
Quando morávamos na Inglaterra nos anos 80, experimentamos o benefício de iniciativas semelhantes.
 
Esse exemplo pode servir de lição para ajudar a igreja brasileira a sair dessa polarização política e religiosa e retornar à prática do amor de Cristo com aqueles que mais carecem.
 
Finalmente, “De que adianta, meus irmãos, dizerem que têm fé se não a demonstram por meio de suas ações? Acaso esse tipo de fé pode salvar alguém?” (Tg 2.14).

Saiba mais:
Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, foi Professor em Universidades nos Estados Unidos, Nova Zelândia e Holanda, e Pesquisador em Centros de Pesquisa (EPRI, NASA). Atualmente é Professor Titular Livre na Universidade Federal de Itajubá, MG. É originário do Vale do Pajeú e torcedor do Santa Cruz.
>> http://lattes.cnpq.br/2049448948386214
>> https://scholar.google.com/citations?user=38c88BoAAAAJ&hl=en&oi=ao

Pesquisa publicada recentemente aponta os cientistas destacados entre o “top” 2% dos pesquisadores de maior influência no mundo, nas diversas áreas do conhecimento. Destes, 600 cientistas são de Instituições Brasileiras. O Professor Paulo F. Ribeiro foi incluído nesta lista relacionado a área de Engenharia Elétrica.
  • Textos publicados: 68 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.