Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O amor antecipa a eternidade. Um encontro inesperado com Sheldon Vanauken

Por Paulo F. Ribeiro
 
Era sexta feira, logo depois do “Dia de Ação de Graças”, em 1995. Uma tarde fria e, com as nossas quatro filhas, ao custo de 8 dólares (dois para cada criança) como prêmio por me acompanharem, e a reprovação da minha esposa – não se vai a casa de um idoso sem avisar –, decidimos fazer uma rápida visita ao autor de Uma Misericórdia Severa, Sheldon Vanauken, chamado carinhosamente de Van.  
 
Mudamos de Cupertino, na Califórnia, para Lynchburg, Virginia, quando numa conversa animada com alguns membros da Igreja Presbiteriana que requentávamos, sugeri com entusiasmo que todos lessem Uma Misericórdia Severa. Um membro mais antigo do grupo disse que o autor morava a poucos quilômetros da igreja. Quase não acreditei, mas sabia que Van tinha vindo para Lynchburg para ser professor no Lynchburg College (hoje University of Lynchburg), onde eu fazia meu MBA. Não sabia que ele ainda vivia.
 
Ao aproximarmos da casa notei uma bandeira dos Confederados na janela. Quase desisti, pois muitas vezes ela representa um sentimento separatista dos brancos do sul, que não aceitaram o fim da escravidão nos Estados Unidos. Além da bandeira, um Ford “T” antigo, bem conservado, estava estacionado no portão da garagem ao lado da casa.
 
Com a ajuda das crianças continuamos. Batemos na porta e um senhor idoso olhou pela janela com um ar de interrogação. Como carregava um exemplar do livro comigo, acenei e ele riu, abrindo a porta logo em seguida. 
 
A casa era pequena, mas aconchegante e cheia de relíquias. Um pouco escura, o que trazia um ar de mágica – nas palavras de nossa filha mais nova. Muitos livros antigos e uma máquina de escrever sobre a mesa. Por alguns instantes era como se estivéssemos em Nárnia, visitando o Professor Digory Kirke.  
 
Van foi muito gentil com as crianças e comigo, e tivemos uma boa conversa sobre a amizade dele com C.S. Lewis.  
 
Na saída, ele autografou o livro e fizemos um convite para jantar conosco – em Nárnia, o nome da nossa residência desde o inicio do nosso casamento. Ele prontamente aceitou e ficamos de marcar um dia na primavera de 1996.
 
A primavera chegou e liguei pra Vanauken. Fui buscá-lo em casa e passamos um tempo muito agradável. Como tínhamos comprado uma garrafa de vinho, a ofereci ao Van e ele não titubeou: bebeu liberalmente. Isso provavelmente ajudou a sua disposição, pois ele nos contava tudo sobre o tempo na Inglaterra com Lewis e como professor no Lynchburg – mas não falou muito sobre sua querida Davy. Parece que, mesmo depois de quarenta anos (Davy morreu em 1955), o amor de Van por Davy ainda era algo muito presente. Van nunca se casou novamente.
 
Assim como Lewis, que nunca deixou o cigarro, logo após o jantar Van pediu permissão e começou a fumar para saborear o restante do vinho. Ficamos preocupados, pois ele tinha mais de 80 anos, mas estava tão ou mais vivo que minha esposa e eu quarenta anos mais novos. As crianças acompanhavam tudo com muita atenção. E, diga-se, quando enviei o primeiro rascunho dessa resenha, elas rapidamente me ajudaram com detalhes.
 
Foi uma noite fantástica. A conversa e um espirito de alegria reinavam. E, finalmente, a conexão com C.S. Lewis foi feita. Em tempo: Van não era racista. Quando perguntei sobre a bandeira ele deixou claro que não tinha nada a ver com o fim da escravidão, mas sua origem sulista.
 
Mantivemos contato frequente por correspondência, pois ele sempre escrevia artigos para o jornal local para o qual eu também escrevia cartas. Van chegou até a aceitar escrever, a pedido de uma das nossas filhas, um artigo para o jornal do colégio onde estudava.
 
No outono de 1996 recebemos a notícia de que ele estava muito mal no hospital da cidade. Quando tentei visitá-lo já era tarde demais. Van havia entrado na eternidade e estava na presença do Deus que ele relutantemente reconheceu e, certamente junto à sua amada e única esposa, que foi tão importante na sua conversão e transformação. Foi ela quem levou Vanauken a terminar o livro dizendo que, mesmo nos seus pensamentos sobre Davy, ele sempre retornava à antecipação da eternidade – uma imagem –, não do passado, mas do que haveria de ser.


UMA MISERICÓRDIA SEVERA  |  SHELDON VANAUKEN


“Nenhuma crítica breve pode fazer justiça à profundidade humana deste livro.”
– WASHINGTON POST

Vencedor do National Book Award e do Gold Medallion AwardUma Misericórdia Severa é um relato comovente de uma história de amor em meio à dor e à descoberta da fé. O livro traz dezoito cartas de C. S. Lewis, que, além de testemunhar sua amizade e influência na relação de um homem e uma mulher, apresentam algumas questões universais sobre a fé, a existência de Deus e as razões por trás do sofrimento.

[Lançamento] 
Doutor em engenharia elétrica pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, é pesquisador e professor na Universidade Federal de Itajubá, MG. É originário do Vale do Pajeú e é torcedor do Santa Cruz.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.