Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Nem que eu bebesse o mar

Jorge Camargo

Aurélio Agostinho nasceu em Tagaste (atual Souk-Ahras, Argélia), em uma família burguesa, em 13 de novembro do ano 354, filho de Patrício, pai pagão, e de Mônica, uma cristã fervorosa que exerce sobre ele grande influência religiosa.

Em Cartago, onde seguiu para estudar, Agostinho aderiu ao maniqueísmo, filosofia religiosa que dividia o mundo entre bem, ou Deus, e mal, o Diabo, e que afirmava ainda que a matéria é intrinsecamente má e o espírito intrinsecamente bom. Agostinho julgou encontrar nesse dualismo maniqueu a solução do problema do mal e o sentido para a sua vida.

Ao terminar seus estudos, abriu uma escola em Cartago, partiu para Roma e posteriormente para Milão.

Aos trinta e dois anos, afastou-se definitivamente do ensino, em 386, por razões de saúde e também de ordem espiritual.

Ao final de um maduro exame crítico, Agostinho abandonou o maniqueísmo e abraçou a filosofia neoplatônica que lhe ensinou, entre outras coisas, a espiritualidade de Deus e a negatividade do mal.

Em setembro do ano 386 Agostinho renunciou inteiramente ao mundo, à carreira e ao matrimônio; retirou-se durante alguns meses em companhia da mãe, do filho e de alguns discípulos nas proximidades de Milão. Ali, aos trinta e três anos, escreveu seus diálogos filosóficos, e, na Páscoa do ano 387, juntamente com o filho Adeodato e o amigo Alípio, foi batizado por Santo Ambrósio.

Depois de sua conversão, Agostinho abandonou Milão e após a morte de sua mãe em Óstia voltou para Tagaste. Depois de vender todos os seus bens e distribuir o dinheiro entre os pobres fundou um mosteiro. Ordenado padre em 391 e consagrado bispo em 395 governou a igreja de Hipona (atual Annaba, Argélia) até a morte, aos setenta e cinco anos de idade, que ocorreu durante o assédio da cidade pelos Vândalos, em 28 de agosto do ano 430.

De Agostinho muito poderia ser dito. Dentre outras coisas, que foi o primeiro grande filósofo cristão, o último dos pensadores antigos e o primeiro dos medievais. Que inaugurou a literatura confessional, e que seu livro Confissões tem no mundo Medieval tanta importância quanto a que é dada à Odisséia ou à Divina Comédia na Antiguidade Clássica.

Nele, escrito quando tinha 43 anos de idade, Agostinho narra sua vida e revela a descoberta da intimidade, que poderia ser definida como alma ou realidade espiritual, que não quer dizer necessariamente o não-material, mas a realidade que é capaz de entrar em si mesma.

É de Agostinho a máxima que diz, "não vá fora, entra em ti mesmo: no homem interior habita a verdade".

Sua grande constatação é a da interioridade. Essa entrada na intimidade, no mais profundo de si mesmo em confissão, é o tema de sua autobiografia e é também o cerne de seu pensamento: a descoberta de sua própria intimidade, que começa com ele e que se torna uma aquisição de todos nós.

Quando penso em Agostinho e em mim mesmo, portanto, uma palavra me vem à mente: sede.

Desde os primeiros anos de vida, Agostinho revela um anseio profundo, uma busca incessante por sentido e significado; a busca que é, por fim, a que todos empreendemos.

Impossível também não relacionar seu anseio à letra do Djavan na canção Seduzir:

"Vou andar, vou voar pra ver o mundo, nem que eu bebesse o mar encheria o que eu tenho de fundo."

Vejo Agostinho como um parceiro, um companheiro de jornada que em muitos momentos diz coisas que eu não consigo dizer, que expressa em linguagem profunda e poética minha inquietação diante das muitas perguntas sem resposta que me povoam a alma.

Por isso, considero-o um amigo. Afinal, amigo é aquele que nos canta ao ouvido a nossa própria melodia, a melodia que nos identifica, que nos revela ao mundo e que por muitas vezes esquecemos ao longo do caminho, e que só amigos de verdade também conhecem e podem cantarolá-la, a fim de que retomemos o tom da vida.

(Trecho do livro-CD "Somos Um", de Jorge Camargo, a ser lançado oficialmente em 25 de fevereiro na Livraria Saraiva do Shopping Morumbi-SP)


Jorge Camargo, mestre em ciências da religião, é intérprete, compositor, músico, poeta e tradutor. www.jorgecamargo.com.br
Mestre em ciências da religião, é intérprete, compositor, músico, poeta e tradutor.
  • Textos publicados: 39 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.