Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Não abandonem os hinos

Por Gerson Borges

“Os teus decretos são o tema da minha canção em minha peregrinação” (Sl 119.54)

Se há um consenso no meio literário não é sobre o que é literatura ou muito menos sobre o que é arte. Longe disso. Uma ideia, no entanto, que é quase universal entre os escritores e artistas em geral é a verdade inegável e intrigante de que a Bíblia é a sua grande fonte de inspiração. Eu passaria um tempão citando gente de peso e renome que podem confirmar minha afirmação; críticos literários consagrados e renomados que admiro, tais como Harold Bloom, Northrop Frye, George Steiner o brasileiro Alfredo Bosi e muitos outros. Como John Gabel e Charles Charles Wheeler mostram em “A Bíblia como literatura”, a influência da Palavra de Deus é central e única na literatura. A lista percorre criadores geniais que vão desde Dante, Bach, Rembrandt e Michelângelo, Guimarães Rosa, Machado de Assis, Paulo Leminski, Melville, Dickens, Conrad, até nas letras de canções de Chico Buarque e Sting. Como disse a intelectual protestante norte-americana Susan Wise Bauer na sua deliciosa obra “Como educar a mente – O guia para entender grandes autores”: “todo poema ou é sobre Deus, ou sobre o amor ou sobre a morte.”

Nas palavras do mais importante dos intelectuais cristãos, o indiano Vishal Mangalwadi, a Bíblia é “o livro que criou a alma da civilização ocidental”. Sim, a Bíblia Sagrada é excelente literatura e fonte de inspiração literária. Seu tema é esse mesmo: Deus, o amor e a condição humana, salva apenas pela graça. Mas é muito mais que isso, é a soberba revelação do Criador. Revelação maior que a Palavra só a Palavra encarnada, Cristo (João 1). C. S. Lewis, sempre ele, comentou que “para Hamlet conhecer Shakespeare somente se Shakespeare entrasse na trama. Deus entrou no nosso enredo. O Criador entrou na sua criação.”

Eu sei disso muito bem. Não sei compor sem a Bíblia. Simplesmente sou incapaz de escrever canções que não sejam bíblicas. Ou a uso de diferentes formas: adaptando, parafraseando trechos dos salmos, dos profetas ou dos evangelhos, ou pensando em como posso falar de Deus sem falar de Deus, como fez o autor do livro de Ester – um dos livros que mais expressam a soberania divina, teocêntrico de ponta a ponta, mas que sequer cita o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Até quando escrevo uma canção de amor para minha esposa ou meus meninos, sempre tem algo escriturístico e teológico nas linhas ou entrelinhas. Algum princípio cristão, algum mandamento, alguma bem-aventurança ou enfrentamento de algum pecado ou demônio, real ou imaginário. “Os teus decretos são o tema da minha canção em minha peregrinação” (Sl 119.54), diz o salmista nessa obra-prima que é o Salmo 119, um poema-acróstico, numa homenagem metalinguística (uma obra literária sobre uma obra literária).

Foi lendo, meditando e orando por semanas nesse tesouro davídico que compus “A minha delícia” (facilmente encontrado nos serviços como como o Spotify, Deezer e Google Play Music - basta digitar “Gerson Borges A minha delícia”).

Rios de águas correm dos meus olhos
Quando não guardo a sua Lei
Teus mandamentos, os teus preceitos
São perfeitos, eu sei

Teu Estatuto é a minha canção
A alegria do meu coração
Sou peregrino na terra
Tua palavra não esquecerei
A minha delícia é a Tua Lei

Uma canção simples, um lamento pungente de um coração que, orando e adorando, expressa tanto seu apreço pelas Escrituras quando seu pesar por não obedecê-las. A condição humana sem o Salvador. Ah, como preciso da Graça! O que seria de mim se não “alcançássemos a Misericórdia de Deus”, como Paulo fala repetidamente a Timóteo (1Tm 1.13, 15).

Outro exemplo é “A alegria da minha alegria”, composta há mais de 20 anos em um momento que eu, em meio às lutas da juventude, não me sentia exatamente alegria. Aliás, é uma canção muito apropriada para esses dias cinzentos do nosso país e da desesperança que cobre a geopolítica mundial:

“Mesmo quando estiver atribulado
Mesmo quando estiver sendo provado
Tu serás a alegria da minha alegria
Minha força é a tua alegria…”

Um hino quase à antiga moda protestante, quase um spiritual em compasso 12 por 8 (anotação técnica para os músicos que me leem, perdão) que começa com citações de Isaías 61: “Vestes de louvor ao invés de espírito angustiado, óleo de alegria ao invés de pranto”, à exortação pastoral de Esdras 8.10, em um momento de profunda tristeza e abatimento: “A alegria do Senhor é a nossa força”. Finalmente, a letra parafraseia Paulo aos Filipenses: “Ser cristão é aprender a viver contente”.

Eu poderia citar meus mestres, os irmãos Wesley, Isaac Watts e tantos e maravilhosos tesouros que estão esquecidos nos nossos hinários ou ainda Guilherme Kerr, Nelson Bomilcar, Sérgio Pimenta e Aristeu Pires. Todos cantaram direta ou indiretamente a Palavra. Nossa espiritualidade e culto perdem se esquecermos disso. Os antigos executivos das gravadoras, agora empregados das plataformas de streaming de música, não podem definir a nossa liturgia. Eles adoram a Mamom, como sabemos. Não ao Deus de Davi, Isaías e Jesus. Podem crer na minha palavra. Melhor, creiam na Palavra de Deus. E então, cantem-na. Aliás, para fim de papo, alguém, por favor, comece uma hashtag #salveoshinarios ou #naoabandoneoshinos.

Leia mais
Ser Evangélico Sem Deixar de Ser Brasileiro [Gerson Borges Martins]
Contando e Cantando – Conhecendo as Histórias de Hinos Cristãos [Henriqueta Rosa F. Braga]
Louvor, Adoração e Liturgia [Rubem Martins Amorese]
Perdão e purificação nos hinos que a igreja canta
A igreja deveria cantar mais os salmos

Photo by chuttersnap on Unsplash
Carioca do subúrbio e paulista do ABCD. É educador, escritor, músico/poeta e pastor na Comunidade de Jesus em São Bernardo (SP). Casado com Rosana Márcia, pai de dois meninos e torcedor do Flamengo e do São Paulo.
  • Textos publicados: 23 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.