Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Eu também comecei em “Puritânia”, de O Regresso do Peregrino: um aviso de C. S. Lewis de que nos enganamos...

Por James Andrew Gilbert

O primeiro livro escrito por Lewis logo após sua conversão, em 1933, O Regresso do Peregrino é uma narrativa alegórica de João. O texto é um tanto dado a diálogos filosóficos, como uma mistura do O Peregrino, de John Bunyan, com os diálogos registrados por Platão. 
 
João é um vagante, um peregrino perdido. Por mais que tenha o alvo de chegar à Ilha de seu Desejo Querido, constantemente se desvia por alternativas: filosofias contraditórias e objetos de desejo ilusórios. No livro, filosofias, ideias e desejos são encarnados em pessoas às vezes com nomes um tanto quanto diretos como Puritânia, Sr. Iluminismo, Sr. Humanista, Sabedoria, Razão, História e Virtude, companheiros de viagem de João.
 
Assim como João, comecei em “Puritânia”, tive dúvidas e questionamentos lógicos quanto à existência de Deus e percorri caminhos que tentaram me convencer que Ele era mera criação de um desejo meu. E, assim como João que, a todo instante pensa achar uma resposta ao problema da sua “Ilha”, vez ou outra acho que solucionei minhas dificuldades com o cristianismo. 
 
Na jornada de João é possível deparar-se com dois lados do mundo, o “Norte” e o “Sul”. Em um lado temos os extremos da lógica, ciência, regras e moralidades rasas, que acabam nos aprisionando, andamos em círculos de pensamentos paradoxais, controversos e autoenganadores. No outro lado temos as emoções, as imagens, os desejos, paixões e religiões que acabam nos levando por caminhos ilusórios e vazios. 
 
As filosofias não satisfazem. Elas negam a existência do fruto de nossos desejos, Deus, Cristo, a graça e salvação. E por mais que possamos concordar com seu raciocínio por algum tempo, acabamos sentindo mais uma vez o “Doce Desejo” e já não conseguimos nos segurar àquela filosofia. E os desejos e emoções que frequentemente procuramos como substitutos à “Ilha” bem, são exatamente meros substitutos, sombras. Acabam sendo incompletos, também não satisfazem. 
 
C.S. Lewis é inteligente o suficiente para conseguir nos convencer dessa ou daquela filosofia só para então mostrar o erro delas quando o herói é salvo pelo acaso, pela Razão ou, talvez, poderíamos dizer que pela própria graça. Dessa maneira, C.S. Lewis é capaz de demonstrar como cada filosofia e modo de viver tem o seu charme e suas verdades, nem tudo é preto e branco. Mas independente delas conterem partes de verdade, são insuficientes e incompletas.
 
Penso que minhas aulas de filosofia na escola deveriam ter sido melhores para me dar a base necessária para digerir este livro por completo. Apesar disso, o conhecimento adquirido nas leituras de Cristianismo Puro e Simples e até mesmo A Cadeira de Prata, das Crônicas de Nárnia, de C. S. Lewis, ou nos livros de Francis Schaeffer, H.R. Rookmaaker e Guilherme de Carvalho, me ajudaram a entender um pouco mais dele.
 
No fim do dia, O Regresso do Peregrino é um lembrete de quão fácil é nos desviarmos, quão fácil é acharmos que resolvemos nosso problema, e de acreditarmos que pelo próprio esforço descobriremos o jeito correto de viver e pensar. É um lembrete de que frequentemente nos enganamos, e nos deixamos ser enganados. Mas, no fim, a graça de Cristo nos guia e liberta, mesmo a despeito de nossos erros e distrações.

• James Andrew Gilbert é ilustrador e estudante de Artes no Calvin College, em Grand Rapids, Michigan. Conheça o trabalho do artista aqui.

Leia mais
» O Regresso do Peregrino – Uma Defesa Alegórica do Cristianismo, da Razão e do Romantismo
» Imaginação e autenticidade: C. S. Lewis e as ferramentas da fantasia
» Ficção, alegorias e mitos podem fortalecer a fé cristã?
 

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.