Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

É proibido fumar, mas é fácil vender a alma ao diabo

É proibido fumar. Pelo menos é o que dizem os muitos avisos em ônibus, restaurantes, cinemas... Mas o que era um “raro prazer” não parece acabado. Os números do jornal The Economist são impressionantes. Nos EUA, no final dos anos 90, o cigarro matou mais do que a aids, acidentes de carro, álcool, assassinatos, suicídios, drogas ilegais e incêndios, juntos. São mais de 400 mil mortes por ano, 160 mil de câncer de pulmão.

Vale a pena ler a matéria completa publicada no Brasil pelo jornal Valoronline. A história do cigarro nos EUA é assustadora. Escrita por Allan Brandt, de Harvard, em “The Cigarette Century”, (Basic Books), começa com a máquina de enrolar cigarros, em 1881, passando pela época em que os velhos “reclames” diziam: “Mais médicos fumam Camel...”, até o acordo entre a indústria do tabaco e os Estados norte-americanos no valor de 246 bilhões de dólares. Em troca, claro, os estados abandonaram as reivindicações contra a indústria e torcem para que ela fature ainda mais e o diabo os livre da inadimplência. Daí o sugestivo título da matéria: “O diabo aceita dançar, mas escolhe a música”. (Para os cinéfilos, uma dica que combina com a matéria, mas não com a indústria do tabaco: "O Informante", com Al Pacino.)

Por falar em diabo, em Um Ano com C. S. Lewis – leituras diárias de suas obras clássicas, o autor, quando assume o papel de aprendiz do coisa-ruim, tem a fórmula certa para a distorção do prazer: “Uma dose considerável a mais de desejo, em troca de um prazer cada vez menor”. [...] “Encorajar os seres humanos a, vez ou outra, experimentar os prazeres que o Inimigo [Deus] criou de formas ou em intensidades que ele tenha proibido” e “afastar as condições naturais de qualquer prazer em direção àquele que seja o menos natural, o menos bem cheiroso ao seu Inventor [Deus] e o menos prazeroso possível”. Enfim, o aprendiz arremata: “Comprar a alma do homem em troco de nada é tudo que pode de fato contentar o coração de Nosso Pai [o diabo]. 


Leia o que Ultimato publicou sobre o assunto
A guerra contra o câncer: prevenção primária e detecção precoce, Ultimato n. 299
Drogas: o pecado de Lúcifer, Ultimato n. 257

Leia o livro
Um Ano com C. S. Lewis
Sexo: Espiritualidade, Instinto e Cultura, Ageu Heringer Lisboa
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 179 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.