Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Doze motivos para descansar

Sexta-feira à tardinha. Você está desligando seu computador no trabalho, encerrando suas atividades. Qual o primeiro pensamento que vem em sua mente? Falando honestamente, muitas vezes somos tomados por um sentimento de frustração, de “tarefa inacabada”: “Puxa! Acabou meu prazo semanal e não fiz isso, aquilo e mais aquilo”; “Não dá mais tempo de atingir minha meta pessoal”; “Não fechei aquela venda”; “Não terminei aquele assunto”; “Sobrou um monte de e-mails pra semana que vem”...

Relendo Gênesis 1.31–2.3, o que podemos concluir da atitude de Deus quando ele “desliga seu computador na sexta-feira”? “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom... E... descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito”. E ainda: “E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera”.

Deus demonstra uma atitude de avaliação, uma sensação de realização, prazer e alegria. E de descanso. Em outra passagem, diz-se que Deus “tomou alento” (Êx 31.17), frase que dá a ideia de parar para respirar um pouquinho antes da próxima atividade. O sábado (um dia na semana) foi desenhado para isso. Nós podemos (e devemos) ter um dia na semana diferente dos outros dias, porque Deus deixou seu próprio exemplo e nós fomos feitos à sua imagem – “parte da nossa vocação é descansar”1.

Além de deixar o exemplo, Deus também ordenou ao seu povo que guardasse o sábado (Êx 20.8-11). Este mandamento está no mesmo nível de outros mandamentos, como não matar e não roubar.2 E gasta ainda mais linhas que o mandamento de não fazer imagem de escultura (estes são os dois mandamentos com mais explicações entre todos os dez mandamentos).

Em Êxodo 16.29, podemos observar que o sábado é também uma dádiva, um presente de Deus para nós: “Considerai que o Senhor vos deu o sábado; por isso, ele, no sexto dia, vos dá pão para dois dias; cada um fique onde está, ninguém saia do seu lugar no sétimo dia”.

Em Êxodo 31.12-18, vemos repetidamente que o sábado é um sinal da aliança de Deus com seu povo. Já imaginou? Um sinal da aliança, assim como o arco-íris! Mas o texto também fala que o sábado é santo e serve para nos santificar: “Certamente, guardareis os meus sábados; pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica. Portanto, guardareis o sábado, porque é santo para vós outros. Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do repouso solene, santo ao Senhor... Pelo que os filhos de Israel guardarão o sábado, celebrando-o por aliança perpétua nas suas gerações. Entre mim e os filhos de Israel é sinal para sempre”.

Como a prática de separar um dia na semana nos santifica? Pela renovação da confiança em Deus, que tudo provê para nós. Guardar o sábado nos faz olhar novamente para “o Norte”, que é Deus, o provedor por excelência. Como o maná de sexta era suficiente também no sábado, e não se estragava, assim podemos confiar que Deus vai suprir nossas necessidades neste dia separado para Ele.

Em Levítico 23.3, fala-se de “santa convocação” no sábado. Então o sábado (domingo, para alguns) é também dia de se reunir para adorar a Deus.

O sábado também serve para aguçar nossa memória. De quê o sábado nos lembra? Em primeiro lugar, do Deus Criador (Êx 20); ao povo de Israel, lembrava também o tempo de escravidão no Egito (Dt 5.15). Daí obtemos ainda outro significado: esta mesma passagem nos ensina a guardar o sábado para os servos, os “colaboradores”, para que os “patrões” lembrem que eles também tiveram seu tempo de servidão. A instituição do ano de descanso visava igualmente os pobres: “no sétimo ano, a deixarás descansar [a terra] e não a cultivarás, para que os pobres do teu povo achem o que comer” (Êx 23.11). Assim, o sábado é também justiça.

Algo impressionante é a inclusão dos animais no mandamento do sábado: “Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhum trabalho... nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu” (Dt 5.14); e ainda: “para que descanse o teu boi e o teu jumento” (Êx 23.12). Além disso, o povo deveria guardar o ano de descanso da terra: “a terra guardará um sábado ao Senhor. Seis anos semearás o teu campo... Porém, no sétimo ano, haverá sábado de descanso solene para a terra, um sábado ao Senhor” (Lv 25.1-4). Isso sem falar no ano do jubileu, projetado, entre outras coisas, para dar “resgate à terra” (Lv 25.24). Daí entendemos que o sábado significa também cuidado com o meio ambiente – os animais e a terra.

Por fim, o sábado é esperança – esperança escatológica. Hebreus 4.9-10 fala sobre isso: “Portanto, resta um repouso [repouso sabático] para o povo de Deus. Porque aquele que entrou no descanso de Deus, também ele mesmo descansou de suas obras, como Deus das suas.” Sérgio Lyra comenta: “Por ‘repouso’ não devemos entender inatividade ou paralisação no que diz respeito a fazer o que é bom e certo. Deus nunca cessa de fazer o bem (“Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também”; Jo 5.17). Desfrutar do que é bom com a exclusão de toda prática pecaminosa e seus efeitos é o descanso que Deus oferece ao seu povo, pois o cansaço, a fadiga e o desgaste físico são frutos do pecado, o qual será totalmente banido”.3

Mas o sábado envolve esforço. Vejamos a continuação da passagem de Hebreus: “Esforcemo-nos, pois, por entrar naquele descanso, a fim de que ninguém caia, segundo o mesmo exemplo de desobediência” (Hb 4.11). “Muito longe de pressupor inatividade, o repouso cristão exige empenho, requer esforço. Trata-se de um esforço para permanecer na dependência de Deus”.4 Digamos que o sábado implica num descanso proativo – ele não vem de graça, precisamos nos esforçar para experimentar esta sensação maravilhosa de dependência completa de Deus!

Vale a pena recordar e resumir: O que é o sábado?

1. Um reflexo da imagem de Deus em nós; exemplo a ser seguido (Deus o praticou);

2. Uma dávida de Deus para nós;

3. Um mandamento a ser obedecido;

4. Um sinal da aliança de Deus conosco;

5. Uma prática de santificação;

6. Uma renovação da dependência de Deus e confiança nele;

7. Um dia para se reunir e adorar a Deus com outros;

8. Uma lembrança contemplativa (do Deus criador, do tempo de servidão);

9. Uma providência para que haja igualdade e justiça para todos;

10. Um cuidado com o meio ambiente;

11. Uma esperança escatológica;

12. Um esforço (ou um descanso proativo).

Agora podemos voltar ao início da conversa, naquela sexta-feira à tardinha. Você desliga o computador e pensa em pelo menos três coisas que tinha planejado fazer e realmente fez – no trabalho, nos estudos ou em casa. Como Deus, você se alegra por isso e faz uma pausa. Você agradece ao Autor da vida pela dádiva do sábado, este sinal da aliança. Você também declara sua dependência de Deus, renova sua confiança nele e a esperança pelo sábado perfeito, que ainda virá.

Que 2015 nos traga um ciclo saudável de trabalho e descanso na presença do Senhor!

"Nestes dias difíceis, formemos o hábito de dar 'domingos' à nossa mente; momentos nos quais ela não faça trabalho algum, mas simplesmente esteja quieta, olhe para cima e se estenda diante do Senhor como o velo de Gideão – para ficar embebida do orvalho do Céu." (Mananciais no Deserto, vol. 1, p. 328).

Notas
1. CARRIKER, T. Trabalho, Descanso e Dinheiro; uma abordagem bíblica, p. 54.
2. Idem, p. 55.
3. Nota da Bíblia Missionária de Estudo, p. 1286-1287.
4. CARRIKER, T. Trabalho, Descanso e Dinheiro; uma abordagem bíblica, p. 56.


D. Bastos, casada, três filhos, é diretora da agência missionária Interserve no Brasil. Ela tem pensado e resgatado a prática do descanso, pois experimenta um tempo de licença sabática.


Leia também
O último sábado 
A Espiritualidade na Prática
Saúde emocional e vida cristã

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.