Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Desastre climático deixa milhões de pessoas em situação de emergência humanitária em Moçambique, Zimbábue e Malawi

Por Ariane Gomes

Na quinta-feira, dia 14 de março, o ciclone Idai atingiu Moçambique, com ventos que chegaram a 177km/h, avançando rumo aos países Zimbábue e Malawi, deixando um rastro de destruição. Famílias afetadas perderam suas casas e estradas, escolas, hospitais, pontes e plantações também foram destruídas.

A cidade da Beira, uma das maiores de Moçambique, com meio milhão de habitantes, foi a mais afetada pelo ciclone – 90% da cidade foi destruída – e aldeias inteiras desapareceram do país. Cinco dias após a tempestade chegar a Moçambique, o número de mortos confirmados é de 217, mas a estimativa é de que ao menos 1 mil pessoas tenham morrido no país. No Malawi foram confirmadas 56 mortes e no Zimbábue, 139. No total, mais de 2 milhões sofrem com a tragédia que afetou a região, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

Especialistas da ONU classificaram o ciclone como um dos piores desastres climáticos já registrados no hemisfério sul.

Desde o início de março, Moçambique e Malawi já vinham sofrendo com chuvas constantes e torrenciais, responsáveis por mais de 120 mortes nos dois países e estimativas preliminares indicam que ao menos 1,7 milhão de pessoas estavam na rota do Idai em Moçambique, sendo diretamente afetadas pelo fenômeno. No Malauí, o número chegou a mais 920 mil indivíduos, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos da ONU.

Após a passagem do ciclone, a tragédia continua a se agravar em Beira e outras áreas de Moçambique, com acessos terrestres bloqueados por causa dos alagamentos e devastação, falta de eletricidade e dificuldades para enviar ajuda.

Você pode ajudar

Doações para o projeto Fundo de Assistência - Crise e Fome, da Missão Para o Interior da África podem ser feitas com Fernanda Trindade pelo telefone (43) 3357-1200. As doações feitas a este fundo ajudarão a suprir necessidades básicas de alimentação e subsistência, bem como apoio na reconstrução de casas e evacuação, se necessário.

A Junta de Missões Mundiais da Convenção Batista Brasileira está trabalhando para viabilizar a ida de voluntários a Moçambique. Se você deseja participar deste projeto escreva para voluntários@jmm.org.br.

Outra forma de participação organizada pela Junta de Missões Mundiais é a doação por meio de uma das seguintes contas
- Banco Bradesco | agência 1125 | conta corrente 59000-2
- Banco do Brasil | agência 3010-4 | conta corrente 1419a005
- Banco Santander | agência 3894 | conta corrente 13001270-8
- Caixa Econômica Federal | agência 0201 | conta corrente 1165-4 | operação 003
- Banco Itaú | agência 9218 | conta corrente 65100-9

Para saber mais sobre doações escreva para ofertas@jmm.org.br ou envie uma mensagem por whatsapp: 21 98216 7960 ou 21 9 8055 1818

Para apoiar agências e organizações que têm pessoas nas regiões afetadas, a Junta de Missões Mundiais e a Missão Para o Interior da África, com apoio da Associação de Missões Transculturais Brasileiras estão montando um grupo de gerenciamento de crise. Para saber o funcionamento do grupo, escreva para @Rodrigo Gomes.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.