Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Debaixo da nuvem, há raios de luz no Rio de Janeiro



Dois jornalistas aceitaram o convite de Ultimato para colocar em evidência ações de pessoas e organizações no Rio de Janeiro, estado campeão de presença negativa nos noticiários diários. Elsie Gilbert conta histórias inspiradoras de proclamação e Marcelo Santos relata o cotidiano de Provetá, em Angra dos Reis, lugar que recebeu a alcunha de “Ilha dos Crentes”.

Proclamação genuína, não mofada

Por Elsie Gilbert

Na primeira reunião anual da revista Mãos Dadas, há quase dezoito anos, o pastor Elben César, fundador de Ultimato, trouxe-nos uma devocional baseada neste verso: “Em tudo vos dei o exemplo de que, assim trabalhando, é necessário socorrer os fracos e vos lembrar das palavras do Senhor Jesus, porquanto ele mesmo disse: Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber” (At 20.35).

Essas palavras de Paulo foram proferidas no momento em que ele se despedia dos líderes da igreja de Éfeso, que tinham atendido ao seu convite para encontrá-lo em Mileto, porto pelo qual Paulo passaria a caminho de Jerusalém. Muito consciente de que o futuro lhe reservava “cadeias e tribulações”, Paulo disse: “Agora, eu sei que todos vós, por entre os quais passei proclamando o reino, não vereis mais a minha face”, numa das cenas mais comoventes de Atos.

O pastor Elben ressaltou que, entre essas palavras, Paulo incluiu uma exortação ao cuidado com os mais vulneráveis. A fala completa de Paulo nessa despedida demonstra que para o apóstolo não há anúncio do reino sem proclamação e não há proclamação sem demonstração de amor.

Em visita recente ao Rio de Janeiro, vi ali muita proclamação. Não me refiro à pregação vazia e mofada, uma carga pesada imposta sobre os ombros dos ouvintes. Vi proclamação genuína, à altura dos padrões do apóstolo Paulo. São como pequenos feixes de luz anunciando dias ensolarados.

Proclamação longeva

O Centro Socioeducativo Lar do Méier é mantido pelo Exército de Salvação e tem como diferencial uma longa caminhada: oito décadas naquele mesmo local. Valéria Regina de Oliveira Ybars, educadora social envolvida no trabalho, contou que é comum receber a visita de homens para mostrar aos filhos o lugar onde cresceram. O lar foi transformado em um centro educativo em regime de contraturno escolar e atende hoje cinquenta crianças e adolescentes.

Proclamação curadora

O Projeto Calçada, executado pela Lifewords/SGM com sede no alto da Tijuca, desenvolve atividades no Brasil e no mundo. O projeto capacita voluntários para o uso de uma metodologia de atendimento individual à criança, cujo objetivo é fortalecê-la para lidar com feridas emocionais e aumentar sua resiliência. Em grande parte dos projetos sociais – por causa da necessidade de se atender o máximo de crianças possível – muitas vezes não é fácil dedicar atenção individual para situações críticas vividas pelas crianças, tais como a violência e o luto. O Projeto Calçada preenche essa lacuna. No Rio de Janeiro, mais de 3.500 crianças já receberam essa atenção individual; no Brasil, cerca de 20 mil.

Proclamação corajosa

Há doze anos, um grupo de voluntários evangélicos conduz o trabalho do que é hoje a Casa Semente, no Jardim Gramacho, atendendo, em regime de contraturno escolar, 96 crianças e adolescentes, com uma metodologia própria que permite aos voluntários manter uma sequência pedagógica rica e bem estruturada. Mais de 45 voluntários vão até o local todas as semanas; a cada dia cinco deles dedicam-se às crianças, enquanto outros se dedicam a tarefas distintas. Ou seja, o voluntário doa um dia por semana, mas o trabalho acontece todos os dias! A audácia desses voluntários em enfrentar um ambiente perigoso fica evidente nos cartazes fixados nos murais em todas as salas. Neles há instruções sobre o que fazer em caso de emergência, para onde as crianças devem se dirigir e a ordem: “Mantenha todos deitados no chão até que haja segurança”.

No muro, do lado de fora, foi pintado um mural com caricaturas alegres e festivas. Na parte do muro em que ficou um espaço em branco foram pichados nomes e a palavra “saudades”. Esses nomes formam um memorial singelo em honra aos seis adolescentes mortos no ano passado em tiroteio com a polícia. A coordenadora do projeto, Adriane, apontando o muro, disse: “Onde a luz chegou, o muro ficou bonito. Ela precisa alcançar o muro todo!”.

Proclamação participativa

O Programa de Desenvolvimento de Área (PDA Comunhão) foi estabelecido pela Visão Mundial há 25 anos e atende hoje 4.903 crianças. O PDA existe para articular ações conjuntas de quatro organizações: Associação de Moradores de Rancho Fundo, Centro Comunitário de São Sebastião de Vila de Cava, Centro Comunitário de Santa Rita e Emaús Fraternidade e Solidariedade, atingindo 23 bairros do município de Nova Iguaçu, RJ. A Biblioteca Comunitária Paulo Freire – única da região –, localizada na sede do PDA Comunhão, em Rancho Fundo, recebe por mês uma média de quinhentas pessoas de todas as idades. Líderes da Associação de Moradores contaram da luta para garantir oportunidades para as crianças e adolescentes da localidade. Em uma conquista digna de homenagem posterior pelo próprio CEFET de Nova Iguaçu, eles conseguiram que fosse incluído um curso de nivelamento para os adolescentes da região, de forma que a oferta de formação profissional acontecesse de fato para os moradores dos bairros mais pobres daquela cidade.

Enquanto conversávamos, acontecia no campinho da associação a escolinha de futebol com professor formado em educação física. Um número significativo de adultos observavam seus filhos e netos dedicando-se a essa paixão nacional. Tudo feito com muito respeito e seriedade.

Dona Maria Moreira, 74 anos, líder comunitária e membro do grupo gestor do PDA Comunhão, resumiu assim o motivo de seu envolvimento, que já passa dos trinta anos, na comunidade: “Faço isso por causa do evangelho. É o amor pelo evangelho que se traduz em amor pelo meu próximo. É isso que me mantém na luta”.

Dona Maria Moreira, assim como tantos no Rio de Janeiro – invisíveis, porém incrivelmente relevantes –, obedece fielmente às exortações de Paulo em sua despedida dos líderes em Éfeso. A maldade e corrupção sistêmica e histórica que assolam o Rio de Janeiro se originam daquele que busca “matar, roubar e destruir”. No entanto, esses homens e mulheres de Deus teimam em anunciar dias ensolarados para uma cidade que continua maravilhosa e, por que não dizer também, amorosa?

• Elsie Gilbert é jornalista e editora do blog da Rede Mãos Dadas.

* * * * *

A ilha dos crentes

Por Marcelo Santos

Cerca de vinte quilômetros separam a cidade de Angra dos Reis, no sul do Rio de Janeiro, até a Praia de Provetá, na Ilha Grande. Um percurso que só pode ser vencido pelo mar, numa viagem que ladeia o “temido” costão do Itassucê, um conjunto rochoso onde as ondas se embaralham nos dias de mar revolto, mas que ganha calmaria logo ao se ler as boas-vindas estampadas em tinta branca nas pedras: Bem-vindos. Jesus te ama. “É um lugar diferente. De sossego e paz”, explica o barqueiro evangélico Evilázio Cardozo Ayres, 28 anos. Três vezes por semana é ele quem leva e busca moradores e turistas da ilha ao continente em sua embarcação, chamada “Senhor, obrigado”. Um percurso de cerca de duas horas a cada travessia.

Provetá é uma antiga colônia de pescadores de 2 mil moradores, formada quase que exclusivamente por evangélicos que congregam em dois templos: um pequeno, da Congregação Cristã do Brasil, e uma construção imponente, na praça central do vilarejo, da Igreja Assembleia de Deus Ministério Provetá. Sua história teve início na década de 1930, com a chegada do casal de missionários Dioclécio e Helena Neves, numa aventura épica. “Vieram numa canoa com o filho pequeno nos braços, chamado Samuel. Enquanto remavam, por quase quatro horas, o sol era intenso. Eles morreriam no mar. Oraram e então Deus mandou uma nuvem que os protegeu até chegarem em Araçatiba, uma praia que fica perto daqui. Fizeram então a travessia pela mata”, relatou a agente de saúde Elisânia da Silva, 42.

Membro da Assembleia de Deus, ela passou meses pesquisando sobre as origens do povoado para apresentar uma peça de teatro em comemoração aos 80 anos da igreja, celebrados em 2015. Transformou-se então numa espécie de historiadora não oficial do local. “Mas não foi só isso. Outro milagre decisivo foi quando o então sacristão que vivia aqui, na época que Dioclécio chegou, ficou gravemente doente.”

Elisânia reconta as histórias ouvidas de sua mãe, Lucildes da Silva, 74, e dos mais antigos habitantes da vila. A de que o sacristão padecia de uma fortíssima dor de cabeça, dessas de corar o rosto e esbugalhar os olhos. “Nada dava jeito. Foi quando chamaram o Dioclécio, que orou por ele.” O resultado, segundo ela, foi a cura instantânea do religioso, sua conversão ao protestantismo e o fechamento da capela, nunca mais reaberta.

Causos, ou melhor, testemunhos de milagres, são rotineiros pelas pequenas vielas onde placas com versículos bíblicos enfeitam os portões das casas e as músicas evangélicas estão sempre nos aparelhos de som. Um deles, no entanto, tornou-se assunto principal no vilarejo desde o fim do ano passado. A pesca da sardinha, principal pescado da região de Angra dos Reis, havia despencado brutalmente. Era um drama que vinha desde 2016, quando as redes dos pescadores recolheram quase três vezes menos peixes que no ano anterior. E, em 2017, o número caiu para 4,6 mil toneladas no primeiro semestre, bem menor que as 42,3 mil toneladas de pescados retirados do mar em 2015. Decidiram convocar um dia de jejum e oração na igreja. “Das seis da manhã até o fim do dia a gente se reuniu”, relembra o pescador Manoel Gonçalves Filho, 57, conhecido como seu Manoelzinho.

De pele dura, feito couro de peixe. Pele ressecada e salgada de água do mar e maré, ele vive desde “que se lembra” num barco de pesca, mas nunca tinha experimentado algo semelhante. “Saímos na semana seguinte e encontramos grandes cardumes de cavalinha, um pescado bem parecido com a sardinha. Desde então, não paramos mais de pescar. São muitas toneladas. Passamos vinte dias no mar, pescando sem parar. Só paramos quando a lua muda e depois retornamos”, explicou, enquanto esvaziava seu barco na cooperativa de pescadores no cais de Angra dos Reis. A multiplicação dos peixes salvou a economia do povoado. “Deus nos abençoou. Tenho muito orgulho do meu trabalho. Tudo o que tenho, consegui nessas águas. Se hoje, em Provetá, tem engenheiro, médico e advogado formado, é devido ao mar e à nossa fé em Deus. Não existe faculdade pro mar. É o mar quem ensina o pescador.”

• Marcelo Santos é jornalista e escritor.

Nota: Conteúdo publicado originalmente na revista Ultimato, edição maio-junho de 2018.

>>> Assine a revista Ultimato <<<
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1091 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.