Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Cristo, e não a igreja, é o evangelho

Por Ronaldo Lidório
 
Em Romanos 1:2 lemos que o evangelho havia sido “... por Deus, outrora, prometido por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras”.
 
As palavras promessa e evangelho fazem parte do mesmo movimento. Promessa em grego é epaggelia e evangelho é euaggelion. Soa como um trocadilho em alguns textos bíblicos. A promessa é a expectativa do evangelho que haveria de vir e o evangelho é o cumprimento dessa promessa.
 
Assim, chegamos ao ponto máximo dessa porção bíblica, pois Paulo agora passa a apresentar o conteúdo do evangelho, a sua mensagem. Nos versos 3 e 4 ele afirma que o evangelho diz respeito ao “… Filho, o qual, segundo a carne, veio da descendência de Davi e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor”.
 
Essas palavras são impressionantes. A primeira mensagem que Paulo, inspirado por Deus, transmite à famosa igreja de Roma é que a igreja não é o evangelho – o evangelho é Jesus!
 
Talvez esta fosse uma das mensagens mais simples e necessárias para a igreja naquela época. Talvez seja ainda hoje a mensagem mais necessária em nossos dias: o evangelho é Jesus.
 
E a teologia bíblica paulina expressa que o evangelho é Jesus em duas dimensões: quem Cristo é (sua identidade) e o que Ele fez, faz e fará por nós (seu ministério). Esse parece ser o cerne da mensagem do evangelho. Assim, conhecer o evangelho é conhecer Jesus. Crer no evangelho é crer em Jesus. Viver o evangelho é viver Jesus. Proclamar o evangelho é proclamar Jesus. E negar o evangelho é negar Jesus.
 
Estou convencido que um dos mais graves problemas da igreja em nossos dias é a má compreensão do que é o evangelho. Por influências sociológicas, um ramo mais liberal da teologia norte-americana entre os anos 1950 e 1970, passou-se a igualar “igreja” e “evangelho”.  Esta formatação hermenêutica eclesiocêntrica passou a olhar para as Escrituras a partir da igreja, e não para a igreja (e o mundo) a partir das Escrituras. Muito se perdeu por essa ênfase liberal em diversas áreas, teológicas e práticas, o que foi sendo recuperado por escolas e movimentos que defendiam a autoridade das Escrituras até os nossos dias.
 
 
Apesar do realinhamento teológico escriturístico nas últimas décadas, em certa medida o equívoco teológico quanto ao evangelho permanece no imaginário coletivo do povo de Deus. Quando se diz que “o evangelho está entrando no Saara” pensa-se que a igreja, ou os missionários, estão entrando naquele território. Ao ouvirmos que “o evangelho está sendo perseguido na Coreia do Norte”, vem logo à mente cristãos sendo perseguidos naquele país, pois no imaginário coletivo “igreja” e “evangelho” são sinônimos.
 
Essa compreensão gera diversos efeitos negativos e preocupantes, e um deles se encontra no processo de evangelização: à medida que se entende que o evangelho é a igreja, ao evangelizar, a mensagem apresentada será a própria igreja, e não Cristo.
 
Com o entendimento de que Cristo, e não a igreja, é o evangelho, entendo que devemos falar menos sobre nós e mais sobre Cristo; apresentar menos a igreja e mais as Escrituras; destacar menos nossos líderes e mais o Senhor Jesus; defender menos nossas logomarcas e mais a cruz de Cristo; e levantar menos as nossas bandeiras e mais a bandeira do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. 

Leia mais:
Ronaldo Lidório é teólogo e antropólogo, missionário (APMT e WEC) entre grupos pouco ou não evangelizados. É organizador de Indígenas do Brasil -- avaliando a missão da igreja e A Questão Indígena -- Uma Luta Desigual.
  • Textos publicados: 36 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.