Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

C. S. Lewis e a arte de morrer – uma questão de integridade

Por Paulo Ribeiro

A pandemia trouxe o valor da vida e a realidade da morte para a linha de frente dos nossos dias, e não apenas para os idosos. Como enfrentar essas questões com serenidade?

Alguns passam pelo processo com ira. Lembro do meu tio morrendo de câncer e minha mãe tentando consolá-lo, falando sobre a vida eterna, apenas para ouvir seus gritos de dor e raiva, amaldiçoando Deus por tudo. E, uma das lembranças mais surpreendentes que tenho é da coragem e serenidade dos meus bisavós. Não havia medo, autocomiseração ou tristeza por estarem morrendo, apenas a determinação de irem até o fim. Como se fosse uma coisa normal a fazer.

C.S. Lewis nos deixou ótimos exemplos e conselhos de como devemos ver e enfrentar a morte. Transcrevo a seguir alguns trechos de cartas* que ele escreveu a amigos no final de sua vida.

1. Não vês a morte como amiga e libertadora? Significa desvestir aquele corpo que o atormenta: é como sair de uma masmorra. O que há para ter medo? Há muito você tenta viver uma vida cristã. Seus pecados são confessados e absolvidos. Este mundo foi tão bom com você que deveria deixá-lo com pesar? Existem coisas melhores pela frente do que as que deixamos para trás. Lembre-se, embora lutemos contra as coisas porque temos medo delas, geralmente é o contrário, ficamos com medo porque lutamos. Claro, isso pode não ser o fim. Então faça deste evento um bom ensaio. Do seu amigo (e como você um viajante cansado perto do fim da jornada).

2. Obrigado pela sua carta gentil e suas orações. Minha esposa era Americana e eu esperava visitar os Estados Unidos com ela. Ela faleceu e, desde então, eu mesmo tive uma longa doença que me deixou mais ou menos inválido, portanto, é improvável que eu faça mais viagens antes da Grande Jornada!

3. O melhor, como você viu (tanto no que diz respeito à dor quanto às preocupações financeiras), é viver dia a dia e hora a hora, sem adicionar o passado ou o futuro ao presente. Como alguém que viveu na linha de frente, “Eles não estão nos bombardeando no momento, e não está chovendo, e as rações aumentaram, então vamos nos divertir”. Você pode ter certeza de que estará em nossas orações. Todas as minhas notícias são boas, muito bem atualizadas, mas é claro que vivemos sempre sob a espada de Dâmocles. Deus te abençoe e guarde, querido amigo. Vai ser bom quando todos acordarmos desta vida que realmente parece um pesadelo.

4. Pense em você mesmo como uma semente esperando pacientemente na terra. Aguardando para brotar na hora certa e crescer para o mundo real, o verdadeiro despertar. Suponho que toda a nossa vida atual, olhando para trás, parecerá apenas um meio-despertar sonolento. Estamos aqui na terra dos sonhos. A hora do galo cantar está chegando. Está mais perto agora do que quando comecei esta carta.

5. Querida Mary, a sua carta do dia 20 chegou até aqui. Você parece ter tido uma experiência muito desagradável. Posso ver porque você o descreve como “olhar para o rosto da morte”. Mas, quem sabe se aquele rosto, quando realmente olharmos para ele, será assim mesmo? Esperemos coisas melhores. Tirei um dente outro dia e saí perguntando se o momento da morte é parecido com aquele momento delicioso em que se percebe que o dente já está fora e uma voz diz: “enxágue a boca”.

6. Minha vida como pessoa parece definitivamente ter chegado ao fim. Sei que é fácil para mim dar bons conselhos aos outros em situações que provavelmente eu não poderia enfrentar. Mas isso não pode ser evitado: devo dizer o que considero verdadeiro. Certamente, o propósito principal da nossa vida é chegar ao ponto em que sua própria vida como pessoa chega ao fim. Nesse sentido, deve-se "morrer", tornar-se "nada", renunciar à própria liberdade e independência. Mas você sabe tudo isso tão bem quanto eu. Seu amigo Jack.

7. Há apenas alguns meses, quando eu disse que nós, idosos, não tínhamos muito mais a fazer do que ter uma boa saída, você quase ficou com raiva de mim pelo que chamou de uma observação "amarga". Graças a Deus, agora você vê que não foi amargo, apenas bom senso. Sim, eu me pergunto por que os médicos infligem tamanha tortura para atrasar o que não pode, em nenhum caso, ser muito demorado. Ou por que Deus o faz! A menos que ainda haja algo para fazermos. Tanto quanto a fraqueza permitir, espero, agora que você saiba que está perdoado, gastará a maior parte de sua força restante no perdoar os outros. Coloque todos os velhos ressentimentos aos pés feridos de Cristo. Recebi dezenas de transfusões de sangue nos últimos dois anos e conheço muito bem os horríveis e longos momentos durante os quais eles estão cutucando para encontrar a veia. Então você pensa que eles conseguiram e, na realidade, não. Existe uma alegoria aqui? As abordagens da Graça muitas vezes doem porque a veia espiritual em nós se esconde do cirurgião celestial.

8. Não que você e eu tenhamos agora muitos motivos para nos alegrar por termos corpos! São como automóveis velhos, não são? Onde todos os tipos de coisas aparentemente diferentes continuam dando errado, mas o que elas significam é o simples fato de que a máquina está se desgastando. Bem, não era para durar para sempre. Ainda assim, tenho um sentimento gentil pelo velho calhambeque. Por meio dele, Deus me mostrou todo esse lado de Sua beleza que está incorporado na cor, som, cheiro e espaço. Sem dúvida, muitas vezes me desencaminhou: mas não tanto quanto minha alma o fez. Pois os males espirituais que compartilhamos com os demônios (orgulho, ódio) são muito piores do que o que partilhamos com os animais. E a sensualidade realmente surge mais da imaginação do que dos apetites, os quais, se deixados apenas à própria força animal, e não elaborados por nossa imaginação, seriam facilmente administrados.

9. A pobreza apenas revela a dependência indefesa que sempre foi a nossa real condição. Somos membros uns dos outros, quer escolhamos reconhecer o fato ou não. Eu estou muito bem no momento. Meu principal problema é a dificuldade de dormir à noite e de me manter acordado durante o dia. Talvez eu esteja me transformando em um animal noturno. Lobo? Coruja? Espero que seja a coruja, a ave da sabedoria (pois sempre fui atraído por ratinhos!). Seu amigo Jack.

O apóstolo Paulo disse que ele próprio seria o mais miserável dos homens se sua esperança em Cristo fosse limitada a esta vida (1Co 15.19), razão que foi também a esperança de Lewis.

O amigo, Peter Bayley no funeral de Lewis, descreve:
Havia uma vela no caixão quando foi levado para o cemitério. Parece não apenas apropriado, mas também um símbolo do homem e de sua integridade, dignidade e fé, que a chama ardia tão continuamente, mesmo ao ar livre, e parecia tão brilhante mesmo sob o sol forte.
– Shadowlands: The True Story of C S Lewis and Joy Davidman

10. Finalmente, Lewis nos lembra em “As Crônicas de Nárnia”, que “Todos os mundos chegam ao fim e a morte nobre é um tesouro que ninguém é tão pobre que não possa comprar”.
Na cena final de A Última Batalha, Aslam [o leão semelhante a Cristo] informa que as crianças morreriam em um acidente de trem. Ele explica:

– Aconteceu mesmo um acidente com o trem – explicou Aslam. – Seu pai, sua mãe e todos vocês estão mortos, como se costuma dizer nas Terras Sombrias. Acabaram-se as aulas: chegaram as férias! Acabou-se o sonho: rompeu a manhã!

E enquanto falava, Ele não mais parecia como um leão; mas as coisas que começaram a acontecer depois disso foram tão grandes e belas que não consigo escrevê-las. E para nós este é o fim de todas as histórias, e podemos dizer com toda a certeza que todos viveram felizes para sempre. Mas para eles foi apenas o começo da história real. Toda a sua vida neste mundo e todas as suas aventuras em Nárnia tinham sido apenas a capa e a página de rosto: agora, finalmente, eles estavam começando o Capítulo Um da Grande História que ninguém na terra leu: que continua para sempre, no qual cada capítulo é melhor do que o anterior.

         *    *    *

Então a nova terra e o novo céu, os mesmos mas não iguais a estes, surgirão em nós quando ressuscitarmos em Cristo. E mais uma vez, depois de quem sabe quantos éons de silêncio e escuridão, os pássaros cantarão e as águas correrão, a luz e as sombras se moverão pelas colinas, os rostos de nossos amigos rindo e espantados ao nos reconhecerem. Suposições, é claro, apenas suposições. Se não forem verdadeiras, algo melhor será. Pois ‘sabemos que seremos feitos como Ele, pois o veremos como Ele é’. [1 João 3: 2]
– Cartas para Malcolm

(*) Lewis, C.S., The Collected Letters of C.S. Lewis, Volume 3: Narnia, Cambridge e Joy, 1950-1963 Harper One.
Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, foi Professor em Universidades nos Estados Unidos, Nova Zelândia e Holanda, e Pesquisador em Centros de Pesquisa (EPRI, NASA). Atualmente é Professor Titular Livre na Universidade Federal de Itajubá, MG. É originário do Vale do Pajeú e torcedor do Santa Cruz.
>> http://lattes.cnpq.br/2049448948386214
>> https://scholar.google.com/citations?user=38c88BoAAAAJ&hl=en&oi=ao

Pesquisa publicada recentemente aponta os cientistas destacados entre o “top” 2% dos pesquisadores de maior influência no mundo, nas diversas áreas do conhecimento. Destes, 600 cientistas são de Instituições Brasileiras. O Professor Paulo F. Ribeiro foi incluído nesta lista relacionado a área de Engenharia Elétrica.
  • Textos publicados: 44 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.