Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Bíblia como literatura. Alguns exemplos

Por João Leonel

No texto anterior (Bíblia como literatura?) introduzi o tema da abordagem literária da Bíblia e argumentei em prol de sua validade para a interpretação. Neste apresentarei dois Josés bíblicos como exemplos práticos que, penso, permitirão reconhecer a relevância da leitura literária da Bíblia. Analisarei aspectos relativos às estratégias do narrador e à construção de personagens.

José, esposo de Maria

Na cena em que José descobre que Maria está grávida e resolve abandoná-la por não querer denunciá-la como adúltera, há uma espécie de nota de rodapé: “sendo justo”  (Mt 1.19). Tal informação é trazida pelo narrador ao leitor. 
 
Ela funciona como uma chave de leitura para nós, indicando que tudo quanto José fará, seja a intenção de deixar secretamente a esposa para não expô-la, e depois a mudança de plano em virtude da revelação do anjo (1.20), demonstra o tipo de justiça que orienta sua vida. José é apresentado antecipadamente como um exemplo de justo ao leitor. Dessa forma, o narrador já está nos preparando para o desenvolvimento da justiça que aparecerá no evangelho de Mateus e que será um dos eixos centrais desse evangelho.

Quando Jesus afirma que se a nossa “justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entraremos no reino dos céus” (Mt 5.20) ele não está se referindo a um cumprimento ainda mais rigoroso da lei por parte de seus discípulos, mas a uma justiça que ama o próximo e empenha-se em fazer o melhor para ele, como José em relação a Maria.

José do Egito

José, filho de Jacó, normalmente é visto a partir de sua fé e fidelidade a Deus. É importante notar, entretanto, que a narrativa em Gênesis nem sempre o apresenta dessa forma. Há um processo de desenvolvimento desse personagem bíblico. 
 
Inicialmente, José é descrito como o irmão menor que denuncia os demais aos pais (Gn 37.2). A tensão com os irmãos aumenta com a informação de que ele era o preferido de Jacó (Gn 37.3a), que não fazia questão de esconder sua predileção, demonstrada a partir de uma túnica chique presenteada ao filho (Gn 37.3b).
 
Resultado? Os irmãos o odiavam (Gn 37.4). Odiaram ainda mais (Gn 37.5) quando José, insensível à situação conflituosa que se intensificava, e provavelmente com uma ponta de vaidade, descreve aos irmãos um sonho no qual eles, representados por feixes, se inclinavam diante do feixe de José (Gn 37.7). Gota d’água é o relato de outro sonho, sem disfarçar o orgulho, no qual sol, lua e onze estrelas se curvam diante dele. Os irmãos, obviamente, interpretaram como sendo pai, mãe e eles próprios.
 
Como consequência, os irmãos de José resolvem matá-lo, não executando o plano por interferência de Ruben. Decidem, então, vendê-lo aos midianitas (Gn 37.20-22,28). Começa, então, a saga de sofrimento que culminará na exaltação final de José. 
 
Quando, já governador do Egito, os irmãos se apresentam a ele sem o reconhecerem, José age de forma ríspida e vingativa, lembrando-se dos sonhos que tivera. Para ele, a situação confirmava os sonhos de outrora. Por isso, trata-os como espiões e os prende (Gn 42.9,15).
 
José estava preocupado apenas com seu irmão de sangue, Benjamim (Gn 42.15), e com o pai (Gn 43.27). Para trazê-los ao Egito usa uma série de estratagemas e armadilhas que humilham os demais irmãos. Somente ao final José revela sua identidade e perdoa os irmãos, reconhecendo que Deus o usou para preservar a família (Gn 45.3-8). 
 
Para a adequada compreensão do personagem José é necessário observar como ele se desenvolve na narrativa, iniciando como o irmão mais novo arrogante que se torna, ao final, o salvador de sua família.    
 
O espaço deste texto não permite maiores desenvolvimentos. Para outras informações e textos acadêmicos, sugiro o site do grupo de pesquisa que coordeno: Bíblia e literatura.

Nota: 1. A verão bíblica utilizada é a de João Ferreira de Almeida, revista e atualizada, 2. ed. 1993.
 
• João Leonel é graduado em Teologia e Letras. Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Doutor em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pós-doutor em História da Leitura pela Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Professor no Seminário Presbiteriano do Sul, Campinas (SP), e na graduação e pós-graduação em Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie, SP. É autor dos e-books Perguntas de Quem Sofre: uma leitura do Livro de JóApocalipse para Hoje: aplicação e atualidade da Revelação e, em parceria com Gladir Cabral, O Menino e o Reino: meditações diárias para o Natal, todos pela Editora Ultimato.

Leia mais
» Para Entender a Bíblia

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.