Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A profecia de dcTalk

Rodrigo de Lima Ferreira

Deus me deu a graça de poder circular nos diversos meios evangélicos com certa liberdade. Tenho amigos de diversas denominações e, dentro desses grupos, felizmente vejo pessoas de Deus querendo levar o compromisso com o Reino a sério.
 
Mas confesso que venho me preocupando. Cresce, nos mais diferentes graus, o sentimento de frustração, angústia e decepção. Cresce o número de pastores que pensam seriamente em “jogar a toalha”. Em cada grupo denominacional (junto com seus subgrupos peculiares), a perplexidade entre aqueles chamados por Deus para o pastoreio aumenta. 

Ao mesmo tempo, vemos que a igreja evangélica brasileira experimenta um tremendo crescimento numérico, ainda que esteja aquém das projeções ultra-otimistas do final do século passado. A cada dia que passa, vemos igrejas sendo abertas, e logo cheias de gente, em praticamente todos os cantos do Brasil. 

Ora, dirão alguns, qual o motivo, portanto, da perplexidade e do cansaço desses pastores? 

O grande problema com a igreja evangélica brasileira de hoje (obviamente salvando-se as honrosas exceções) é aquilo que deveria ser sua marca diferencial e essencial: o próprio evangelho. O evangelho tornou-se um estorvo para grande parte dos nossos evangélicos. Afinal, o evangelho nos manda (e não sugere!) viver uma vida digna do reino ao qual fomos chamados (Fp 1.27); nos ensina a amar a Deus com todas as nossas forças, razão e emoções, ou seja, amar a Deus acima das nossas igrejas, doutrinas, estruturas e “pop-stars” de púlpito, alguns que se arrogam em se chamar “pastores” (Mc 12.33); nos exorta a prestarmos a Deus não um culto extasiante, mas racional (Rm 12.1, 2); nos adverte a sermos cautelosos e não aceitar qualquer um que se diz “servo do Senhor”, pois nem todos o são (1Jo 4.1). 

Infelizmente, não é o que vemos por aí. O que temos são brigas monumentais de egos idem, onde cada um quer aparecer mais do que o outro, dizendo que estão “na promoção do reino”. O que temos são escândalos de toda monta: financeiros, sexuais, doutrinários. Alguns são casos de polícia mesmo, com direito a boletim de ocorrência. E são todos casos de um enviesamento de prioridades, em que egos enfermos não são curados, e sim promovidos ao estrelato. 

A banda estadunidense dcTalk, uma das minhas preferidas, certa vez escreveu em uma de suas músicas: “Fale o que quiser, veja por si só / a resposta para tudo é uma vida de prosperidade / pegue o que puder porque só se vive uma vez / você tem o direito de fazer o que quiser / não se importe com os outros, ou de onde você veio / não é o que você era, e sim o que você se tornou / Em quê nos tornamos? / em um povo auto-indulgente / diga-me onde estão os justos / em um mundo degenerado / em quê nos tornamos?” 

Em quê nos tornamos? Em motivo de louvor a Deus ou motivo de pilhéria e gozação (Rm 2.24)? Mas o que mais me entristece em nossa auto-indulgência é nunca confessarmos o nosso pecado de mudança de rota (se preferirem, “perversão”). Sempre preferimos fazer um malabarismo psicológico de projeção, jogando a nossa culpa em cima do diabo. Apesar de o diabo ser real, ele não é tão poderoso assim para ser o responsável pelo estado atual da igreja. Nós também temos nossa parcela de culpa. 

Nesse momento, em que parece que a angústia, a decepção, a tristeza e o desânimo querem tomar conta daqueles que são sérios com Deus, é bom nos lembrarmos das palavras do Senhor registradas em 2 Crônicas 7.14: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se desviar dos seus maus caminhos, então eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra”. Ainda resta esperança. Somos povo dele, e ele não nos joga fora. Ao contrário, ele se volta a nós. É hora, portanto, de nos voltarmos a ele. 


Rodrigo de Lima Ferreira, casado, duas filhas, é pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil desde 1997. Graduado em teologia e mestre em missões urbanas pela FTSA, hoje pastoreia a IPI de Serranópolis, GO.
Casado, duas filhas, é pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil desde 1997. Graduado em teologia e mestre em missões urbanas pela FTSA,  é autor de "Princípios Esquecidos" (Editora AGBooks).
  • Textos publicados: 38 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.