Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

A Bíblia: quem decide o que o filho vai ler?

Por Erní Walter Seibert
 
Nas últimas décadas, cientistas sociais começaram a procurar características comuns de comportamento entre as pessoas nascidas em um determinado período de tempo. Foram dados nomes a estes grupos: Geração Baby Boomers (nascidos depois da Segunda Guerra Mundial); Geração X (nascidos nos anos 1960 e 1970); Geração Y ou Millenials (nascidos nos anos 1980 e 1990); e Geração Z (nascidos depois de 2005).
 
Sem entrar no mérito destes conceitos, é importante reconhecer que, de geração em geração, a história da humanidade vai seguindo. Na Bíblia Sagrada, o conceito de geração também está presente.
 
Nos Dez Mandamentos, em Êxodo 20.5-6, está escrito “eu, o Senhor seu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam, mas faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos”. O texto mostra que uma geração pode deixar um legado de bênção ou maldição para a próxima geração. Em outras palavras, uma geração deve cuidar para deixar um legado de bênção para a outra.
 
No Salmo 71.18, o salmista pede a Deus “não me desampares, ó Deus, agora que estou velho e de cabelos brancos, até que eu tenha declarado à presente geração a tua força e às gerações vindouras o teu poder”. A preocupação do salmista era que a sua própria geração e a vindoura conhecessem a força e o poder de Deus. Se uma geração falhar nessa tarefa de levar à próxima geração a mensagem do amor de Deus, o prejuízo é, aos olhos humanos, irreparável.
 
Este é um desafio permanente para todas as gerações que conheceram e confiam em Deus. Levar este conhecimento à próxima geração. Em meados do século passado se popularizou um pensamento de que os pais não deveriam ensinar aos filhos as questões de fé. Dizia-se que os pais deveriam deixar que o filho, quando adulto, decidisse se queria ou não seguir um caminho de fé em Deus. Este mesmo princípio é sustentado em muitos outros círculos, estimulando que os assuntos de fé fiquem restritos à intimidade da pessoa, e não possam ser expressados. Aí há uma clara diferença entre o que a Bíblia ensina e o que estes posicionamentos expressam.
 
O desafio que a Bíblia nos dá é de que ensinemos à nossa e à próxima geração sobre o amor de Deus. É desafio da atual geração motivar a nova geração a ser temente a Deus e amar a sua Palavra. Esse legado teria consequências enormes. Imaginem uma geração que ama a Deus e que tem amor à Bíblia Sagrada. Não é um belo desafio que temos diante de nós?
 
• Erní Walter Seibert é diretor-executivo da Sociedade Bíblica do Brasil. Formado em Teologia, é mestre em Teologia e doutor em Ciências da Religião, além de ter MBA em Marketing de Serviços. 
 

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.