Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Senha para a conspiração!

É público e notório, a todo o povo brasileiro, que os mineiros têm uma expressão deles [nossa, pois sou mineiro] que ninguém sabe o que significa, mas gostaria de saber: UAI.

Conta-se que uma professora esteve com o Governador do Estado de Minas Gerais, Juscelino Kubitschek, e perguntou: "Governador, o que representa ou qual a origem desta nossa expressão UAI?" – o Governador deu uma bela risada e disse: "Eu não sei, mas a senhora vai descobrir e, depois, me contar."

A professora, então, saiu em viagem pelas cidades históricas do Estado, Diamantina, São João Del Rey, Ouro Preto, Tiradentes, Sabará etc e procurava os livros de histórias dos municípios, nas paróquias locais; finalmente, em uma delas, encontrou a história da expressão mineira: "UAI".

No século XVIII, surgiu a "Inconfidência Mineira", uma "conspiração de natureza separatista que ocorreu na então capitania de Minas Gerais, entre outros motivos, contra a execução da derrama e o domínio português, sendo reprimida pela Coroa portuguesa em 1789"; "a derrama era um dispositivo fiscal aplicado em Minas Gerais a partir de 1751 a fim de assegurar o teto de cem arrobas anuais na arrecadação do quinto. O quinto era a retenção de 20% do ouro em pó ou folhetas ou pepitas que eram direcionadas diretamente para a Coroa portuguesa" [Wikipédia].

Os "inconfidentes" reuniam-se na calada da noite, em porões das casas dos seus membros, e o que chegava tinha que se identificar para adentrar ao recinto – ele dava três batidas na porta: "toc, toc, toc" e o recepcionista, também, dava os mesmos sinais e perguntava "quem é?" – a resposta devia ser "UAI", e o recepcionista repetia "UAI" e abria a porta; isso se prolongava por todo o tempo em que ainda poderia chegar algum outro membro do movimento.

Eles se habituaram com a expressão e, quando se encontravam nas ruas, nas praças, nas igrejas, nos mercados, diziam um para o outro "uai"; assim o povo acabou aprendendo e passou a dizer isso a todo momento e em qualquer assunto.

O "U" significava "união", o "A" "amor", e o "I" "independência", princípios que regiam o grupo "conspirador" no seu intento de libertar o Brasil da Coroa, de Portugal, o que só ocorreu décadas depois, 1822, com o Príncipe Regente, Dom Pedro I, às margens do riacho do Ipiranga, que proclamou "Independência ou morte!"

Esta senha, uai, e o seu significado me remetem à Palavra de Deus na qual também aprendemos alguns princípios de grande valor:

* União – "Oh! Como é bom e agradável viverem UNIDOS os irmãos!" (Salmo 133. 1); não necessariamente apenas os irmãos biológicos, mas, também, os irmãos na fé, enfim o "próximo".

* Amor – "Nisto conhecemos o AMOR: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos" (I João 3. 16); não apenas os irmãos sanguíneos, mas, do mesmo modo, os irmãos na fé, o próximo de um modo geral.

* Independência – "e conhecereis a verdade, e a verdade vos LIBERTARÁ" (João 8. 32), que é um dos versículos que amo citar, pois foi o primeiro versículo que aprendi, na infância, quando passamos a participar da II Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, bem pertinho de casa; é que a igreja de minha mãe, Metodista, situava-se longe da nossa residência e não era viável que ela, com cinco filhos bem pequenos, se dirigisse ao templo Central de Belo Horizonte [não havia, à época, templos evangélicos nos bairros].

A verdade, o Senhor Jesus Cristo (João 14. 6), nos liberta [nos torna independentes] do jugo do pecado, nos alforria da maledicência, nos livra de pensamentos impuros, nos distancia das palavras torpes, nos afasta da cobiça ao cônjuge alheio etc; enfim, o trinômio "União, Amor e Independência", também é presente no Cristianismo, e nos torna seguidores do Senhor Jesus, e a sua Palavra diz que aos que o recebem [no coração] Ele concede "o poder de sermos feitos filhos de Deus [antes, éramos apenas criaturas suas], a saber, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1. 12-13).

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 576 [ver]
Site: http://www.sefiel.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.