Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Cruz: perdão ou tolerância?

Há uma certa confusão entre dizer que Deus ama o pecador, como de fato ama, e dizer que Ele tolera o pecado [faz vista grossa]; não devemos, nem podemos dizer que Deus tem tolerância em relação ao pecado, como é comum se ouvir em vários meios, há décadas.

"A tolerância em relação ao mal não é uma virtude. Deus continua dizendo a seu povo para se santificar" (John Stott).

Todos que conhecem a Palavra de Deus sabem que Ele nos instrui a nos santificarmos: "Porque está escrito: Sede santos, porque eu sou santo" (I Pe 1. 16).

Também é bem conhecido o texto que afirma que Deus tanto ama, a nós pecadores, que enviou seu Filho unigênito [o Senhor Jesus] para morrer em nosso lugar, e todo o que nele crer alcançará a vida eterna em Sua presença (Jo 3. 16).

O nosso Deus e Pai abomina o pecado, é verdade, motivo pelo qual não só enviou o Senhor Jesus para se dar por nós, como também para deixar conosco sua mensagem de salvação, a qual devemos:

• Ensinar (Mt 28. 19);
• pregar (Mc 16. 15);
• e testemunhar (At 1. 8).

A prática de gritar contra o pecado é igual a ladrar para o sol; ele nascerá, no dia seguinte, impávido do mesmo jeitinho - a humanidade se habituou com a "tolerância", não de Deus, mas da própria sociedade.

Vivemos um "novo normal": de uns tempos para cá, tudo é aceitável, tudo é relativo, e se convive com situações de ausência de valores morais, sociais, éticos e, principalmente, espirituais com a maior naturalidade.

Há mais de 30 anos, tenho uma admiração muito grande pelo Cardeal Joseph Ratzinger, ex-Papa Bento XVI [antecessor de Francisco], tendo em vista seu posicionamento firme em defesa da Palavra de Deus e no combate aos deslizes humanos, chamados por Deus de "pecados".

Ele pronunciou um longo discurso, na véspera de sua escolha como Papa, do qual sobressaiu a severa discordância com a "relativização" das coisas, principalmente do pecado e da Bíblia.

Decorridas algumas décadas, Governos e Instituições [não só no Brasil] procuram dar um jeitinho, à moda da famosa "Lei de Gerson", em relação a tudo o que está errado, em relação a tudo o que Deus abomina, em relação ao pecado.

Como a Lei Penal brasileira, por exemplo, já não mais considera crime o adultério, como, de fato, o despenalizou, então passou-se a procurar uma forma de "justificar", quando um dos cônjuges, ou ambos, "pula (m) a cerca" e vai (ão) se "relacionar" com cônjuges alheios, o que sempre será pecado para o nosso Deus e Pai.

Como a "incompatibilidade de gênios" caiu em desuso, agora é "carência afetiva" ou é qualquer outra desculpa esfarrapada, e já se criou até um jeito de não imputar o pecado a quem o cometeu, mas à sociedade, chamando-o de "pecado social" - todo mundo é inocente [anjo], pois a culpa é da sociedade, não mais do pecador.

Até mesmo já "está virando moda" dizer que quem furta, quem rouba, quem agride, quem mata, não é pecador; é vítima de uma condição social injusta, que não lhe deu oportunidade de galgar uma melhor oportunidade na vida - assim, hoje, tudo é tolerado, tudo é relativizado.

Em decorrência desse novo normal, em vez de se cuidar da vida espiritual do pecador, que merece sim uma chance de conhecer o Senhor Jesus, de aceitá-lo como seu único e suficiente Salvador e Senhor e, via de consequência, passar a ter o direito de ser chamado filho de Deus (Jo 1.12), essas pessoas estão sendo encaminhadas, desde décadas passadas, para psicólogos, psiquiatras para que se resolva o seu problema de "má formação educacional e ou social"!

Assim, passaram a ter [e a ser] a solução de [e] para todos os males das pessoas, que caem em pecado, os famosos Freud (Sigmund) e Jung (Karl Gustav), dois críticos do cristianismo, até mesmo rivais do que chamaram de "neurose universal" (sic).

Apenas uma voz nos é necessária, a voz do Senhor Jesus, não tenho a menor dúvida; a mistura de "vozes", de "teorias", de "técnicas" pseudocientíficas, é que afasta as pessoas [pecadoras] de buscarem a solução verdadeira e única que é o Senhor Jesus, que disse: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (Jo 14. 6).

Também não devemos nos abstrair de amar os pecadores, como Deus tanto os ama; temos que amar o pecador, mas detestar o pecado, e falar nele, sim, para que as pessoas se reconheçam pecadoras (Todos pecaram e carecem da glória de Deus – Rm 3. 23) e tenham a oportunidade de se arrependerem; e, uma vez arrependidas, confessarem o pecado a Deus, apropriando-se do perdão que já nos foi dado na cruz do calvário.

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar [já nos ter perdoado] o pecado, e nos purificar [já nos ter purificado] de toda injustiça" (I Jo 1. 9).
Parece simples, mas não é necessário apenas "arrependimento" e "confissão", é de bom alvitre "deixar/abandonar" o pecado, pois "Aquele que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e DEIXA alcançará misericórdia" (Pv 28. 13).
São Paulo - SP
Textos publicados: 807 [ver]

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.