Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Oh! céus, oh! vida, oh! azar - o murmúrio rejeitado!

Eis aí uma questão que incomoda: uma pessoa pessimista, negativa que vive a murmurar, a reclamar, a proferir muxoxos e muchochos* e, até, a criticar todas as coisas com as quais se depara [sempre aponta defeitos].

É o contrário de quem só vê beleza, só vê perfeição, e aí há um ditado popular elogiando a quem só aplaude: "é você que tem lindos olhos" (sic); este elogio, também, pode ser o tal do "politicamente correto".

• Muxoxo¹ – estalo que se dá com a língua e os lábios, à semelhança de um beijo, para mostrar desdém ou pouco caso em relação a pessoa ou coisa.

• Muchocho² – sinal de desdém ou de contrariedade.

Parte do título [Oh! céus, oh! vida, oh! azar] é de um desenho animado, Lippy e Hardy (Hanna-Barbera), cujo personagem, Hardy, só reclama.

Li, recentemente, que uma pessoa pode até comentar negativamente as coisas, todavia, deve elogiar antes, por exemplo, assim: "que flores lindas, nunca vi tão belas, pena que não são vermelhas"; a crítica posterior ao elogio já não soa tão mal, tão irritante, tão provocadora, é amenizada, é amortecida.

Vamos trazer a Palavra de Deus a este artigo, eis que ela nos concede porções muito claras nessa questão do nosso proceder:

"Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e COISAS SEMELHANTES a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam" (Gálatas 5. 19.21).

Esta "lista" não se esgota em si mesma, há mais algumas que, até, acrescentam outras "coisas semelhantes" [pecados] para os quais devemos estar atentos [vide, por exemplo, Romanos 1. 28-32 e I Coríntios 5. 9-11], sobretudo no sentido de sempre fazermos algo [ou não], desde que seja para a glória de Deus, como tenho repetido aqui:

"Portanto, quer comais, quer bebais ou façais OUTRA COISA QUALQUER, fazei tudo para a glória de Deus" (I Coríntios 10. 31).

Repito o que tenho dito sempre: ao pensarmos em fazer alguma coisa, ou dizê-la, devemos nos perguntar: "isso é para a glória de Deus?" – se a resposta for negativa, então, não devemos ir em frente; não podemos e nem devemos é levar tristeza ao coração do Pai, com uma conduta inadequada para o cristão.

A murmuração é algo que desagrada ao nosso Deus, Ele se aborrece, e um grande exemplo disto é encontrado na narrativa dos 40 anos que o povo de Deus [filhos de Israel] caminhou, no deserto, para a Terra Prometida, Canaã.

Houve inúmeras murmurações pela falta dos benefícios que tinham no Egito, mesmo sendo escravos, além do alimento; também desobediência, idolatria etc., o que levou o Pai a não permitir que entrassem na terra, tendo entrado apenas seus descendentes, liderados por Josué e Calebe (Deuteronômio 1. 34-40).

Isso me lembra das saudades do poeta Gonçalves Dias, quando exilado em Portugal, que citei em artigo recente; dá até para parafraseá-lo:

"No Egito tem puras águas
que não encontro eu cá,
quero voltar p’ra lá.

Saudades tenho eu cá
dos peixes, pepinos que existem lá.

Não permita Deus que eu morra
sem desfrutar o alho que comia eu lá."

A murmuração cabe muito bem na lista que inseri acima, pois desagrada ao nosso Deus e, também, ao próximo, quando ela se dá em relação a este; pode levar a dissensões, porfias, ciúmes, invejas, inimizades, facções etc.

Deus, afirmo, se desagrada com a murmuração, a queixa, a reclamação, o não reconhecimento das bênçãos, a ingratidão com tudo o que Ele nos dá, principalmente a Graça, mediante a fé no Senhor Jesus, através da qual alcançamos o arrependimento, a confissão a Ele das nossas mazelas, o perdão de pecados (I João 1. 10), a salvação que nos concede; enfim Ele se agrada da nossa adoração em espírito e em verdade conforme disse o Senhor Jesus.

"Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores" (João 4. 23).

O Senhor Jesus disse isso, à mulher de Samaria, ao responder a pergunta "se devemos adorar no monte ou em Jerusalém."

Gostaria de destacar, também, algo que já disse em artigos anteriores: a oração que o Senhor quer é aquela feita no recôndito do nosso quarto [coração]:

"Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará" (Mateus 6.6).

Recomenda a Palavra de Deus: "Fazei tudo sem murmurações nem contendas; para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo preservando a palavra da vida ..." (Filipenses 2.14-16A).

Pense nisto!

*Fontes:
¹Oxford Languages
² Dicionarium.com
São Paulo - SP
Textos publicados: 616 [ver]
Site: http://www.sefiel.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.