Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Palavra do leitor

Menina ou menino? Eis a questão!

Pelo "andar da carruagem", com o rumo que os problemas morais, éticos, espirituais e, agora, até científicos [Biologia] estão tomando parece que ainda terei muitas semanas para dissecar essa inacreditável, indesejável, abominável, odiosa iniquidade que vai atropelando tudo e todos e se impõe entre nós: nas famílias, nas igrejas, nas empresas, nas escolas, na sociedade de um modo geral, e especificamente, agora, até com as crianças.

A corrupção dos costumes desce os degraus inferiores do fétido porão de uma humanidade que se desumaniza, que se perde, que se vê envolvida até acima do pescoço em tentar [e conseguir] deteriorar as coisas naturais que Deus criou e desejou que fossem puras, perfeitas, santas! Ele nos diz "Sede santos, porque eu sou santo" (I Pedro 1. 16).

A palavra "santo" tem o sentido de "ser separado" para o trabalho de Deus, é uma missão! Neste texto a palavra santo tem sim o significado de "ser puro" [e não estou consultando a língua original do texto]; é o que penso, é o que sinto, é o que desejo para mim e para todos os que já são filhos de Deus, família de Deus (João 1. 12-13).

Sem fugir da questão, que é grave, já se quer impor às crianças, desde o início de suas vidas e escolarização, que não se nasce menino [masculino] ou menina [feminino]; cada um e todos, dizem, nascem "sem sexo definido", e terão a liberdade de conhecer e praticar todas as formas existentes [libertinagem] para, experimentados, escolherem se querem ser menino ou menina – até então seriam "meninx"?

Apesar de não ter sido aprovado no Congresso, o governo [anterior] impôs a inserção disso no PNE (Plano Nacional de Educação).

Já disse eu antes: Com relação ao pecado contra o próprio corpo [fornicação, prostituição, adultério, etc.] a Palavra de Deus classifica como pecado contra o Templo do Espírito Santo, único pecado não perdoável:

"Por esse motivo eu lhes digo: Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada. Todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem será perdoado, mas quem falar contra o Espírito Santo não será perdoado, nem nesta era nem na que há de vir" (Mateus 12. 31-32)."

A intenção oculta, já mencionei em texto anterior, é desconstruir a família nos moldes de Deus; destruída a família, célula mater da sociedade, destrói-se, também a Igreja [Corpo de Cristo] e o "satanismo" estará definitivamente implantado na terra – intenção antiga do maligno, que não logrou êxito até aqui.

Essa é a intenção que já se transformou em ação, e entre as ações em andamento, em implantação discreta, dissimulada, está essa questão dos meninos e meninas [meninx], que vão sendo doutrinados desde cedo, pois uma coisa [bem ou mal] plantada, desde cedo, nos corações puros das crianças, se eterniza principalmente agora em que, de fato, "o mundo jaz no maligno" (I João 5. 19).

Uma criança bem formada, na família e na igreja, será mais difícil de ser enganada para que, nas escolas, se inculque nela essas ideias e práticas iniquas; daí a necessidade, desde o berço, que nossos filhos e netos sejam criados, educados na Palavra de Deus que diz: "Ensina a criança no caminho em que deve andar; e mesmo quando envelhecer não se desviará dele" (Provérbio 22. 6).

Deus, que é perfeito, criou tudo perfeito e depois disse que "era muito bom"; Deus que é perfeito criou tudo perfeito e para a perfeição; disse o Senhor Jesus: "Sede vós perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos Céus" (Mateus 5. 48).

Deus criou o homem e a mulher [masculino e feminino], Deus criou o leão e a leoa [macho e fêmea] Deus criou o galo e a galinha [macho e fêmea], Deus criou o cachorro e a cadela [macho e fêmea], etc. e perfeitos criou para que perfeitos sejam para sempre; se Ele quisesse diferente, diferente teria criado, mas Ele foi exato em tudo; e menino já nasceu menino, e menina já nasceu menina – é uma questão da ciência criada por Deus, a Biologia, e não podemos mudar isso – se o fizermos teremos que, diante d’Ele, ser responsabilizados por nossas "escolhas" infelizes!

Não podemos e nem devemos permitir essas coisas, temos que denunciar, temos que lutar contra; não podemos e nem devemos deixar as nossas crianças diante da dúvida: "To be or not to be, that is the question" [Ser ou não ser, eis a questão] da peça "A tragédia de Hamlet, príncipe da Dinamarca", de William Shakespeare.

Temos que nos lembrar que o Senhor Jesus disse: "Deixai vir a mim as criancinhas, não as impeçais, pois das tais é o reino de Deus" (Mateus 19. 13-15); temos que educá-las respeitando-as como seres humanos que pertencem a Deus, seres que foram por Ele criados para a sua [d’Ele] glória.

"Porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; TUDO FOI CRIADO POR ELE E PARA ELE" (Colossenses 1. 16).

Pense nisto!
São Paulo - SP
Textos publicados: 524 [ver]
Site: http://www.sefiel.com.br

Os artigos e comentários publicados na seção Palavra do Leitor são de única e exclusiva responsabilidade
dos seus autores e não representam a opinião da Editora ULTIMATO.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.