Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Cinco atitudes para (qualquer) líder

Em tempos de eleição de um novo Papa, muito se comenta sobre o que se espera de um líder. Não o conheço, por isso prefiro não emitir qualquer juízo sobre sua escolha, ainda que pessoalmente celebre que seja um latino-americano. A história nos mostrará a que veio.

Antes proponho aqui um simples exercício de voltar às Escrituras e examinar a atitude de cinco pessoas diferentes ao redor de Jesus. Suas atitudes com relação ao mestre nos ensinam e nos preparam para um sano exercício da liderança. O episódio é aquele registrado no evangelho de João (12.11), em que a poucos dias de seu sofrimento e morte, Maria (a irmã de Marta) o unge. Quem são esses cinco personagens e como nos desafiam?

A primeira, Marta. Com um banquete, foi assim que Marta o serviu. Pobre Marta, muito mais lembrada por aquele episódio onde ela se queixa de sua irmã e como resposta recebe uma reprimenda de Jesus. Esquecemo-nos que Lucas captou bem a essência do que aconteceu (Lc 10) ao colocar lado a lado o relato do Bom Samaritano e o da repreensão à irmã de Maria. Marta era o modelo da mulher de ação, de iniciativa, a obediente proativa que tão bem representava o samaritano da parábola contada por Jesus. Mas além de sua obediência louvada, era importante também enfatizar a outra atitude, a do saber ouvir e do deleite em desfrutar da presença de Jesus, como sua irmã o fez. O equilíbrio entre contemplação e ação, entre o ouvir e o obedecer, é a chave para entender o que Jesus nos ensinou. Aqui, Marta, a mulher que nos modela em seu serviço e iniciativa, preparou um banquete, serviu a Jesus, e assim o “ungiu” à sua própria maneira. Jesus simplesmente a acolheu e recebeu essa sua “unção do serviço”. Desfrutou do que Marta tinha para oferecer-lhe.

O segundo, Simão, o leproso. O dono da casa, anônimo no evangelho de João, nos é revelado pelas narrativas paralelas como sendo certo Simão, de quem pouco sabemos. Concluímos que seria na verdade um ex-leproso, possivelmente curado por Jesus, reintegrado à vida na cidade, e agora anfitrião de um jantar especial oferecido ao Mestre. Como pode alguém previamente excluído, menosprezado, rejeitado, agora ser um hospitaleiro generoso? Parece que a amargura que nos seria tão natural e justificada passou longe de seu coração e de seu agir. Ele se abriu, também abriu sua casa, não guardou Jesus exclusivamente para si e quis compartilhar sua visita ilustre com todos os que vieram ao seu lar naquela noite. Simão, o anfitrião generoso certamente nos ensina muito.

A terceira, Maria. A irmã de Marta e de Lázaro não calcula os custos de sua devoção a Jesus. Demonstra, sem restrições de qualquer tipo, sua profunda e intensa entrega. O óleo caro (um ano de salário), o trabalho de um servo, os raros cabelos soltos de uma mulher judia em público, a unção tanto da cabeça como dos pés de Jesus (possivelmente para João o inusitado tenha sido o nardo derramado sobre os pés, por isso o seu registro). Sem reservas, sem cálculos prévios, numa consagração inteira e apaixonada. Uma gratidão que não mede os custos da devoção é a chave da atitude de Maria.

Quarto, Judas Iscariotes. Evitemos julgá-lo rapidamente. Recordemos que nesse momento ele era uma voz da razão e do bom senso. Além do mais, ninguém ali além de Jesus sabia que ele era um ladrão que viria a ser o traidor. Ao contrário, o que ele disse soava bem, parecia bastante razoável, “não desperdicemos”, “vejamos o custo-benefício”, “ajudemos aos pobres”. Excelente, não? O problema é que a agenda era falsa e egoísta. Vale aclarar um ponto importante. Quando Jesus responde dizendo que “sempre tereis pobres convosco”, certamente não foi um estímulo à passividade, e sim a revelação de uma agenda permanente de missão, “quando quiserdes, podeis fazer-lhes o bem” (Mc 14.7). Claro, implica em disposição, em custo, em trabalho missionário cuidadoso e perseverante. É fácil e cômodo julgar Judas? Sim. Difícil é resistir às tentações que nos assolam todos os dias. Melhor aprender com Judas, ao menos sabendo através de seu penoso exemplo onde cuidar e o que evitar.

Nosso quinto personagem é Lázaro. O terceiro irmão, aquele que está à mesa com Jesus, aquele que há pouco havia sido ressuscitado por seu amigo tão querido. Lázaro, o ex-defunto que agora é alvo de novos planos para assassiná-lo. Como assim? Outra vez? Mas acabou de sair da tumba! Qual a razão para que Lázaro “Duro de Matar” seja outra vez ameaçado de morte? Simples: por meio dele as pessoas chegavam até Jesus. Ele era um “risco”, era a penetrante fragrância que levava as pessoas a Cristo. Assim como a casa se encheu com o cheiro daquele perfume, sua vida estava impregnando tantas outras vidas com a fragrância de Cristo.

Com quem nos identificamos em nosso exercício da liderança e das responsabilidades que o Mestre nos deu quando se foi poucos dias depois daquele banquete? Com a mulher de ação, a obediente Marta? Com o anfitrião hospitaleiro de enorme coração que foi Simão? Com Maria, que não mediu o tamanho e o custo de sua devoção a Cristo? O que aprendemos de Judas, evitando não cair em nossas próprias tentações, cuidando que não nos quebremos nesses pontos débeis da fragilidade humana? Desejamos ser como o missionário Lázaro, para que em qualquer lugar e em tudo o que fizermos, sejamos esse perfume de vida que leva as pessoas a encontrarem-se com aquele que venceu a morte e nos abriu caminho para uma vida verdadeira e abundante?

Cinco lições, para um líder, qualquer líder, para você e para mim, na missão de seguirmos a Jesus.

Leia mais
Vulneráveis a duras penas
Pastor & Igreja: uma relação (conjugal) em crise
Nem monge, nem executivo
É casado com Ruth e pai de Ana Júlia e Carolina. Integra o corpo pastoral da Igreja Metodista Livre da Saúde, em São Paulo (SP), e serve como secretário regional associado para a América Latina da Comunidade Internacional de Estudantes Evangélicos (CIEE-IFES)
  • Textos publicados: 48 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.