Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Quatro anos depois, a destruição no Iraque continua

(Portas Abertas) Quatro anos atrás, o exército americano iniciou o cruel ataque aéreo ao Iraque. Desde o início, a Operação Liberdade do Iraque tem levado essa nação árabe a viver uma era de trevas, medo e destruição.

Os primeiros sinais de que os iraquianos sofreriam uma ocupação sangrenta e desumana apareceram no bombardeamento de Bagdá e outras cidades. A mídia árabe transmitiu diariamente as imagens dos civis mortos e dos enterros que aconteciam a cada hora.

Durante esses 1.461 dias que se passaram, o Iraque se tornou uma nação em decadência; o povo está deslocado, refugiado nos países vizinhos. Aproximadamente 700 mil iraquianos de todas as religiões e seitas morreram. A ordem pública não existe; o barulho dos tiros e as explosões em escolas, mercados e parques tomaram o lugar do som das conversas do dia-a-dia. Mesquitas e igrejas foram derrubadas. Centros urbanos e aldeias foram arrasados. Cidades foram invadidas e destruídas.

O ódio extremo se tornou lei à medida que algumas famílias se livraram da perseguição e da morte. Cerca de cinco milhões de iraquianos escaparam da matança que acontece no seu país de origem, e agora contam com a bondade – e a paciência – do Egito, Jordânia, Síria e outros.

Há muitos refugiados nesses países, e todos estão exaustos. Suas atitudes estão cheias de tristeza e pesar. Seus olhares são sonolentos e vazios. Contam histórias de terror que descrevem o Iraque como um país que cedeu ao zelo excessivo, ao terrorismo e ao fanatismo religioso. Eles costumavam demonstrar sua desaprovação quando ouviam sobre uma criança de 10 anos seqüestrada, estuprada e decapitada; ou quando sabiam de uma jovem cristã decapitada porque havia se recusado a usar o véu. Gritavam de raiva ao saber que uma jovem de 14 anos havia sido estuprada por soldados americanos. Hoje já não fazem mais isso. São como mortos-vivos, zumbis. Leia mais em Agência Portas Abertas

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.