Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Primeiros passos para uma igreja garantir um ambiente acolhedor e seguro para todos

Por Elsie Cunha Gilbert e Alexandre Gonçalves
 
É imperativo para toda igreja evangélica responder esta pergunta com urgência, cautela e sabedoria. É também obrigação ética e civil que toda instituição exija de seus líderes e membros comportamento respeitoso da dignidade sexual de cada um. Assédio sexual, em todas as suas manifestações, é crime. Ignorar o problema não exime uma instituição da responsabilidade sobre as práticas presentes em seus bastidores. 
 
Aqui estão alguns passos iniciais para pastores e líderes. A jornada da prevenção é longa, mas é também o melhor caminho.
 
1. Encarar o problema. Violência sexual em todas as suas dimensões está presente entre nós.  Os dados e a nossa experiência ministerial não nos permitem continuar presos à ilusão de que este é um problema lá de fora.
 
2. Levar a sério as queixas de mulheres envolvidas em relacionamentos conflituosos no espaço intra-familiar. Esta tarefa é difícil e precisa ser realizada por pessoas qualificadas e bem equipadas para tal.
 
3. Combater do púlpito a crença de que o homem é superior à mulher e que tem privilégios sobre ela, crença tão presente em nossa cultura, dentro e fora da igreja. Masculinidade e feminilidade são temas importantes e muito polêmicos. Não vamos concordar sempre e em tudo. Mas devem ser tratados sempre muita sensibilidade para que não venham a servir de apoio às tendências violentas presentes na nossa cultura. 
 
4. Dar mais valor à ovelha ferida do que à imagem pública da instituição. As tentativas de silenciar a mulher, ou constrangê-la a manter o assunto entre portas fechadas encoraja o agressor sexual que busca espaços seguros para si mesmo! A opção de manter sigilo ou buscar a exposição de um agressor deve partir da mulher e não de líderes que desejam proteger a imagem da igreja. Neste sentido, a imagem pública da igreja precisa ser resguardada a partir da prática da prevenção – um esforço constante de se estabelecer boas práticas que resguardam as pessoas mais vulneráveis no seio da igreja. Em todas as gerações desde a igreja primitiva, é necessário descobrir os desequilíbrios nas relações e trabalhar para saná-los. Só assim é possível para um rebanho imitar os princípios de amor ao próximo do Bom Pastor. 
 
5. Buscar, em situações de violência, informar ou dialogar com as autoridades competentes. Tentar disciplinar o agressor pelo “lado de dentro” protegendo-o da lei gera consequências sérias como temos visto nos escândalos que têm causado tanta dor à Igreja Católica.
 
6. Escrever, de forma coletiva, uma carta de intenções ou uma política de proteção que oriente com clareza o comportamento esperado dos membros e da equipe pastoral em relação à manutenção das normas de respeito à dignidade sexual de todos, incluindo com especial atenção a proteção das crianças e adolescentes.
 
7. Caminhar com uma mulher, vítima de violência, de forma a restabelecer seus vínculos de confiança e amizade. Isto significa PARAR terminantemente de buscar as razões na sua conduta que a levaram àquela situação. Isto nada mais é do que fazê-la vítima do nosso próprio julgamento.
 
Recursos disponíveis para este fim:

Livro:
Até Quando, publicado pela Editora Ultimato, este livro aborda a violência contra a mulher do ponto de vista pastoral. É um excelente recurso para pastores que desejam compreensão sobre o tema. 
 
Cartilha: Superando a Violência Familiar contra a Mulher, produzida pela Diaconia, organização social cristã com sede em Recife. Trata-se de um roteiro de oficinas para igrejas criado pela equipe técnica do PAADI, Programa de Apoio à Ação Diaconal como o objetivo de sensibilizar homens e mulheres comprometidos com suas comunidades locais e com os desafios da realidade onde vivem. A cartilha foi publicada em 2008 e está disponível na internet aqui.
 
Programa Igreja Segura: recentemente criado pela Visão Mundial, este programa se propõe a fortalecer o papel das igrejas e organizações de fé para a proteção das crianças e adolescentes, especialmente focado na prevenção das violências. O programa prevê uma capacitação que orienta as igrejas. O objetivo é sensibilizar e capacitar a comunidade de fé a pensar em uma política de proteção que fomente medidas de prevenção e proteção como práticas institucionais diárias. Entre em contato com vmb_atendimento@wvi.org para obter mais informações.
 
Claves Brasil: Há um grupo de pessoas muito bem preparadas para dar capacitações para igrejas no tocante à prevenção e proteção contra a violência sexual de crianças e adolescentes. Para estabelecer contato com este grupo você pode acessar o site www.clavesbrasil.org; enviar um e-mail para contato@clavesbrasil.org, ou acessar a página do Claves Brasil no Facebook. 
 
Consultores dispostos a ajudar com o assunto do assédio sexual entre adultos na igreja: escreva para a Rede Mãos Dadas no e-mail: cartas@maosdadas.org e receba uma pequena lista de contatos.

 
• Elsie Cunha Gilbert é missionária, jornalista por formação e coordenadora da Rede Mãos Dadas. 
 
• Alexandre Gonçalves é pastor da Igreja da Irmandade, formado em Ciência Religiosas pela PUC Campinas, mestrando em Divinity com ênfase em Estudos da Paz pelo Bethany Theological Seminary, Estados Unidos e capacitador do CLAVES Brasil.
 
 

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.