Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

Os livros, as feiras e um fracasso de estimação

Frequento a Bienal do Livro de São Paulo e do Rio bem antes dos rumores sobre o livro digital. Os longos corredores, o carpete cobrindo o chão que parece estar a ponto de desabar e o barulho da turba continuam os mesmos. Em 1998, lançamos Cartas entre Freud e Pfister na feira de São Paulo. Um retumbante fracasso.

Não faltaram estande, sala para lançamento, pompa e alguma circunstância. Em resumo, não cobrimos os custos do aluguel da sala, do velho e bom retroprojetor e das passagens de ônibus entre o interior mineiro e a Pauliceia. Os tempos mudaram. E, talvez exatamente por isso, repetiu-se nos últimos dias a discussão sobre o lugar -- literalmente ou não -- e a relevância da Bienal paulistana. Editores, autores, a Câmara Brasileira do Livro, entre outros, não cansam de apontar o sucesso e o fiasco da maior feira de livros do país, que terminou ontem. Poupo o leitor dos detalhes sobre a suposta crise do ‘modelo’ das grandes feiras ou dos problemas com estacionamento, banheiros e com o preço do ingresso.

Vamos aos livros. Bem, estar perto deles -- muitos e diferentes livros -- é algo fascinante, raro. E, por isso mesmo, vale a pena a visita. É como um dia no shopping ou, para os delicados, no museu, ou ainda no zoológico, com tudo que há de ruim ou de bom nessa comparação improvável. O programa pode não funcionar na prática. Às vezes, uma apresentação, um tema relevante no meio editorial, com gente de peso, reúne uma ou duas dúzias de gatos pingados. Outras, o espaço é pequeno para as centenas ou milhares de leitores alucinados com a celebridade da vez.

As feiras, mesmo as evangélicas, enfrentam problemas. Para os leitores e editores. Numa cidade histórica e turística, das minhas preferidas para as férias, onde há não muito tempo instalamos estande e toda a parafernália de praxe por quase uma semana, os números eram esquizofrênicos. De dia, era possível ouvir uma ou outra mosca desavisada vagando pelo pavilhão de estandes. À noite, na praça ao lado, uma multidão que se contava aos milhares ia à loucura com uma celebridade gospel. Ossos e livros do ofício.

Enfim, volto à Bienal de São Paulo. Mesmo carregando o crachá de “Profissional do Livro”, que não paga ingresso, lanço minha destra de companhia aos leitores. Pasmem, a Bienal não é dos melhores lugares para se comprar livros. Refiro-me às editoras. Porque, comprando no estande do distribuidor, o livro será entregue na casa do leitor e sairá por um preço até 50% menor do que na editora ao lado, que acabou de lançar o mesmo livro. Claro, isso não explica a nossa experiência em 1998. Uma espécie de consolo viria alguns meses depois: tanto a Folha de São Paulo como o Jornal do Brasil deram resenhas caudalosas sobre o nosso fracasso retumbante.

Leia mais:

Os zumbis e a sua majestade, o livro
É diretor editorial da Ultimato.
  • Textos publicados: 195 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.