Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Prateleira

O pessimismo de João Ubaldo Ribeiro e o realismo de Cristo

“Não sou muito otimista quanto à humanidade. Somos uma especiezinha muito criticável. Somos todos uma contradição imensa. Nossa ruindade animalesca prevalece, apesar da racionalidade. Enquanto estamos aqui convivendo pacificamente agora, tem alguém estrangulando alguém. Vivemos fazendo esse tipo de coisa e não aprendemos nada. No curso na história humana, continuamos a repetir as mesmas atrocidades, muitas delas de maneira mais refinada.”

As palavras cheias de pessimismo foram ditas pelo escritor João Ubaldo Ribeiro ao site G1 na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) que terminou no domingo, dia 11, na cidade fluminense. Ele tem certa razão. Mas não toda.

É honesto reconhecer a “ruindade” humana, mas para que isso não nos leve a um completo cinismo existencial é mais correto crer no realismo cristão. Jesus tanto descortinou a sujeira interior do homem (Mc 7.21-23) quanto valorizou a nossa dignidade intrínseca, como imagem e semelhança de Deus (Gn 1.26,27), ao dar sua própria vida por nossa salvação. Já dizia no século XVII o matemático e filósofo francês, Blaise Pascal: “A religião cristã é a única que reconhece a grandeza e a pequeneza da natureza humana e a razão de ambas”.

É mais sábio afirmar, portanto, que “todos carregam dentro de si duas tendências opostas. Uma delas é para o bem, a outra é para o mal”, como diz o pastor Elben em Por que (sempre) faço o que não quero?. Mário de Andrade, outro famoso escritor da literatura brasileira, autor de Macunaíma, foi mais equilibrado que João Ubaldo Ribeiro. Em carta escrita ao artista Cândido Portinari, ele afirmou: “Você me revelou o meu lado angélico, ao passo que Segall me revelou o meu lado diabólico, as tendências más que procuro vencer”.

John Stott, em Por Que Sou Cristão, chama este conflito de “paradoxo da humanidade”. “Os seres humanos são um paradoxo estranho e trágico. Somos capazes de nos comportar por um momento como Deus, a cuja imagem fomos criados, e no momento seguinte como bestas, de quem fomos feitos para ser para sempre distintos. Somos capazes de pensar, escolher, amar e matar. Os seres humanos criaram os hospitais para o cuidado dos doentes, as universidades para a aquisição de sabedoria e as igrejas para a adoração a Deus. Mas eles inventaram também as câmaras de torturas, os campos de concentração e os arsenais nucleares”.

Mesmo reconhecendo o conflito que reside em nós, o realismo cristão não nos deixa famintos. Ele nos alimenta com esperança, porque afirma que o pecado é finito e que há a possibilidade de plena salvação. Em seu livro, o pastor Elben lembra as palavras de John Donne, poeta e clérigo inglês, escritas há mais de 500 anos: “Aqui me vejo envolto em disfarces; lá, então, me verei a mim mesmo, mas também verei a Deus [...] Aqui tenho algumas faculdades aguçadas e outras deixadas nas trevas; minha compreensão às vezes é clareada, ao mesmo tempo em que minha vontade é pervertida. Ali serei apenas luz, sem sombras sobre mim: minha alma revolta na luz da alegria e meu corpo, na luz da glória”.
Equipe Editorial Web
  • Textos publicados: 1174 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Prateleira

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta