Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O dia em que Jesus me abraçou (e eu era uma criança!)

Minha mãe nos vestiu com uma roupa especial naquela tarde, embora não fosse dia de festa. Havia excitação na sua voz, que nos convocou: “Vamos, rápido! Levaremos vocês até Jesus de Nazaré”. Meu irmãozinho mamava ao peito enquanto ela distribuía ordens e providências. O irmão mais velho aguardava solene à porta. Ele ouvira na sinagoga que os líderes religiosos, preocupados com o crescente número dos seguidores de Jesus, começaram a persegui-lo. Meus pais se incluíam no grupo que acreditava que Jesus era o Messias e, juntamente com outras famílias, resolveram levar seus filhos para serem abençoados por ele.

Animados e agitados, chegamos ao canto da praça onde Jesus estava. Havia muitas crianças, algumas das quais eu conhecia da vizinhança. Jesus, sentado em meio aos adultos, falava de assuntos sérios. Quando os pais levaram seus filhos para mais perto dele, escutamos vozes exaltadas. Um dos discípulos, com voz de trovão, falava e gesticulava, reclamando da algazarra que as crianças faziam.

Uma família resolveu sair, seguida por outras. Minha mãe, com o semblante triste, me explicou o que estava acontecendo; os discípulos estavam nos mandando embora: “Vão embora, levem seus filhos para casa. Não importunem o mestre”. Quando as crianças, decepcionadas, começaram a desfazer a roda, ouvimos Jesus dizer: “Fiquem, não se vão!”. A seguir ele censurou energicamente seus discípulos, o que nos deixou surpresos. Mas o que ele falou depois me pareceu ainda mais estranho aquele dia…

As crianças aproximaram-se de Jesus, que as abraçou e abençoou, uma a uma. Tímida, escondendo-me atrás das pernas de minha mãe, eu não ousava ir até ele. De repente, ele acenou com a mão e disse: “Menina, venha cá!”. Caminhei a curta distância com rubor no rosto. Ele me abraçou sem pressa. Pequenina, coloquei meu rosto em seu peito. Como ele era grande, forte, e que sorriso bonito! Queria ficar ali para sempre. Jesus colocou a mão sobre minha cabeça e me abençoou.

[Leia o artigo completo no blog de Mãos Dadas]

Leia também
Uma criança os guiará
Vem aí! A Criança, a Igreja e a Missão 
É diretora administrativa da Editora Ultimato.
  • Textos publicados: 21 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.