Apoie com um cafezinho
Olá visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

O Deus digital - como a tecnologia afeta as nossas relações humanas e fraternas, e com Deus

Por William Lane

Todos nós vivemos sob alta dependência e influência de diversas tecnologias, em especial, as digitais de comunicação. Não conseguimos mais nos desvencilhar dos meios digitais. Ao mesmo tempo que são surpreendentes ferramentas para tudo que fazemos e, em particular, nossos relacionamentos, aos poucos eles nos dominam e moldam. E, tudo indica que, diante do acelerado avanço da Inteligência Artificial, muita mudança ainda virá pela frente.

A humanidade sempre dependeu da tecnologia. Desde tempos remotos o ser humano buscou encontrar e desenvolver técnicas para realizar as suas tarefas mais primárias. A diferença entre os antigos e os tempos atuais é o tipo de tecnologia, o grau de dependência nas tecnologias e a rapidez dos avanços tecnológicos. Mesmo assim, não só cientistas do comportamento humano como os das próprias tecnologias digitais ponderam sobre os efeitos nocivos das tecnologias para as relações humanas.

Como igreja vivenciamos essa mesma realidade e precisamos refletir sobre como isso afeta não só nossas relações humanas e fraternas como também nossa relação com Deus. Alguns anos atrás, Jonas Kurlberg e Peter M. Phillips se debruçaram sobre o impacto da era digital, especialmente sobre a Missio Dei1. Kurlberg apontou que os teóricos dos meios de comunicação têm sustentado há décadas que as “mídias tecnológicas não são meros conduítes ou canais de comunicação ininterrupta entre mensageiro e receptor”. Segundo ele, “a própria forma e arquitetura da mídia tecnológica condiciona como a mensagem é comunicada, interpretada e recebida”. Citando ainda a tese de Marshall McLuhan que “o meio é a mensagem”, Kurlberg alerta para o fato de que “o mensageiro adapta a sua mensagem à lógica do meio e os ouvintes interpretam a mensagem de acordo com os conduítes pelos quais ela é canalizada”. Assim, para Kurlberg, a tecnologia digital está alterando radicalmente as condições em que a missão é cumprida, pois passa a moldar não só nossa compreensão da missão como também a própria concepção sobre Deus2.

De modo semelhante, Dennis Ford sugere que a mídia tecnológica dominante de qualquer era faz surgir epistemes que influenciam nossa própria concepção a respeito de Deus. Em culturas orais, argumenta Ford, o divino é concebido como concreto, imprevisível e pluralista, enquanto em culturas letradas a natureza estática do texto escrito desperta concepções de Deus mais autoritário, transcendente e imutável. Por outro lado, o multissensorial ‘Deus digital’ é experiencial, acessível e ‘customizável’.

É evidente que as relações humanas e a relação com Deus desde muito tempo se reduzem a certos ritos sociais e religiosos conforme a finalidade e os costumes culturais das partes envolvidas. Na atualidade esses ritos assumem formas de comunicação digital em massa e em proporções nunca antes pensadas para um cidadão comum. As angústias humanas também assumem forma digital. O sofrimento se agrava porque Deus não opera na velocidade e meios digitais. Daí a agonia humana por um Deus digital que fale nossa linguagem.

O QUE ESPERAM OS CRISTÃOS? | REVISTA ULTIMATO
 
A esperança cristã possibilita alegria hoje, guia os nossos afetos e o modo como vivemos, nos relembra da nossa condição de peregrinos, nos anima na evangelização e na missão, nos dá a perspectiva correta com relação ao sofrimento atual, alinha os nossos planos aos de Deus, não permite que nos acomodemos às facilidades do mundo.
 
É disso que trata a edição 400 da Revista Ultimato. Para assinar, clique aqui.

Notas:

1. KURLBERG, Jonas; PHILLIPS, Peter M. (orgs.). Missio Dei in a Digital Age, Londres: SCM Press, 2020.
2. Cf. LANE, W. L. Revisitando o conceito de Missio Dei diante dos desafios da atualidade. Revista de Reflexão Missiológica. V. 2 n. 3 jul-dez 2022. Disponível em: https://www.periodico.reflexaomissiologica.com.br/index.php/revista/article/view/37. Acesso em 30 mar 2023.


Saiba mais:
» Fé, Esperança e Tecnologia - Ciência e fé cristã em uma cultura tecnológica, Egbert Schuurman
» Filosofia da Tecnologia – uma introdução, Maarten J. Verkerk, Jan Hoogland, Jan van der Stoep, Marc J. de Vries
» Nossos hábitos tecnológicos podem moldar nosso coração?
» Tecnologia: nossa esperança para o futuro?
» Inteligência artificial no contexto cristão
Pastor presbiteriano e doutor em Antigo Testamento, é professor e capelão no Seminário Presbiteriano do Sul, e tradutor de obras teológicas. É autor do livro O propósito bíblico da missão.
  • Textos publicados: 57 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.