Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Opinião

Vida feliz?

“Agora que vocês sabem estas coisas, felizes serão se as praticarem" (Jo 13.17)

“Então Jesus lhe disse: "Porque me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram" (Jo 20.29).

A felicidade sempre esteve entre as principais preocupações e reflexões dos homens de todos os tempos. Ela talvez seja a principal ambição dos corações humanos. Sócrates, Platão, Aristóteles, Epicuro, Agostinho, Tomás de Aquino, Bernardo de Claraval, Elredo e de Rievaux e Calvino, isto sem falar e Blaise Pascal, Bacon e etc., meditaram e escreveram muito sobre a natureza, conveniência, busca e o objeto da suprema felicidade. Seria isto possível? Alcançar a suprema felicidade? E você é feliz ou tem momentos de alegria passageira e insustentável?

O fato é que se todos queremos ser felizes nem todos possuímos o mesmo padrão para a felicidade e nem mesmo os mesmos planos para alcançá-la. A nossa sociedade confundiu bem-estar e conforto com felicidade. Basta dar uma rápida olhada nos comerciais de televisão, os mais diversos. De serviços bancários às facilidades de um cartão de crédito, passando pelas novas tecnologias e designers dos automóveis às novas cervejas. Tudo parece oferecer um atalho para a felicidade.

Ora, uma primeira reflexão pode levar-nos a uma conclusão simplista. Então todos apostam que precisam de muito pouco para ser, de fato, felizes. Uma casa nova e própria, um carro bacana e uma condição financeira estável seria a base de tal felicidade. Verdade, estas coisas podem diminuir algumas preocupações básicas e legítimas e não constituem de maneira alguma um mal em si. Devem mesmo até ser desejadas. Mas estas coisas nunca poderão ser a suma de nossa felicidade, quem sabe fazer parte dela.

Qual o fundamento da felicidade?

Eis o que as Escrituras asseveram sobre a felicidade pela qual o homem deve anelar:

1. “Como é feliz o povo assim abençoado! Como é feliz o povo cujo Deus é o Senhor!” (Sl 144.15); “Como é feliz a nação que tem o Senhor como Deus, o povo que ele escolheu para lhe pertencer!” (Sl 33.12). É feliz aquele que vive no meio de um povo, de uma nação que teme a Deus e que o reconhece como Soberano. Muitos de nossos irmãos padecem sob regimes ateus ou com cosmovisão secularizada ou ideologias que não toleram e criminalizam a fé. Há felicidade para os homens quando as Escrituras podem ser livremente pregadas para influenciar, modelar, questionar e desafiar a condução de um povo. Não poderá haver felicidade para um povo inteiro onde o Evangelho não incomodar as consciências e inclinar os corações para o bem e a verdade. Aspiremos para que o nosso Brasil seja fermentado, salgado e iluminado pelo Evangelho para que todos tenhamos vida pacífica e próspera (1Tm 2.1,2).

2. “Quem despreza o próximo comete pecado, mas como é feliz quem trata com bondade os necessitados!” (Pv 14.21); “Como é feliz aquele que se interessa pelo pobre! O Senhor o livra em tempos de adversidade” (Sl 41.1). Feliz é aquele que não vive uma vida autocentrada, mas se abre para o encontro do necessitado. Que não é avarento e egoísta, mas se deleita em compartilhar das próprias bênçãos recebidas, lembremo-nos sempre de que a fé sem obras é morta (Tg 2.17).

3. “Como é feliz o homem a quem disciplinas, Senhor, aquele a quem ensinas a tua lei” (Sl 94.12). Há felicidade para o homem que sente a disciplina, a correção e a zelosa pedagogia do Senhor. O homem que vive sem limites e entraves éticos é desde já um desgraçado e infeliz, uma vez que Deus parece não se importar com ele de maneira definitiva quanto a sua felicidade eterna. Feliz é aquele que experimenta a vara da correção do Senhor.

4. “Como é feliz aquele que tem suas transgressões perdoadas e seus pecados apagados!” ( Sl 32.1). Esta é uma felicidade libertadora e altamente medicinal. Como é feliz o homem que tem não só a sensação, mas, sobretudo, a segurança de que suas transgressões, de que seus pecados foram e são perdoados por Deus. Sua alma descansa em paz. Seu sono é terapêutico. Sua consciência não o acusa e agora é livre para fazer o bem onde se encontram as grandes alegrias desta vida.

5. “Aleluia! Como é feliz o homem que teme o Senhor e tem grande prazer em seus mandamentos!” (Sl 112.1); “Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração” (Sl 37.4). Ter prazer nos mandamentos é amar a vontade expressa e manifesta de Deus quanto ao proceder do homem em seu relacionamento com o Altíssimo e seu relacionamento com os seus semelhantes. Deus ama quem ama proceder segundo a sua vontade. A estes nunca faltam compartilharem da felicidade mesma de Deus.

6. “Quem examina cada questão com cuidado, prospera, e feliz é aquele que confia no Senhor” (Pv 16.20). O homem diligente e prudente, o que não se deixa conduzir pela lógica do conveniente, mas que examina cada situação à luz da Palavra de Deus e passa todas as coisas no crivo santo de Deus, prospera, encontra a felicidade porque confia no juízo e na sabedoria de Deus.

7. Todavia, não obstante todas estas garantias e promessas já lidas, a suprema felicidade é conhecer a Jesus Cristo, ser salvo por Ele e viver por Ele, pois só quem “tem o Filho, tem a vida!” (1Jo 5.12), e a tem plenamente (Jo 10.10).

Então, você é feliz?


Leia também
Alegria, alegria, por favor!
Práticas devocionais
Refeições Diárias com o Sabor dos Salmos
É ministro da Igreja Presbiteriana Central de Itapira (SP) e professor de Teologia Pastoral e Bioética no Seminário Presbiteriano do Sul, de Filosofia na Faculdade Internacional de Teologia Reformada (FITREF) e de História das Missões no Perspectivas Brasil.
  • Textos publicados: 69 [ver]

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Opinião

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.