Apoie com um cafezinho
Ol? visitante!
Cadastre-se

Esqueci minha senha

  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.
Seja bem-vindo Visitante!
  • sacola de compras

    sacola de compras

    Sua sacola de compras está vazia.

Notícias

Justiça brasileira treina líderes religiosos para a mediação de conflitos

Em 2011, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instituiu o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), com o objetivo de planejar, efetivar e fomentar a utilização de métodos alternativos de solução de conflitos. Para o juiz coordenador do Nupemec, Paulo César das Neves, essa medida foi importante devido à necessidade de mudar o enfoque do litígio para o diálogo.

O programa “Mediar é Divino”, implementado em 2016 pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), representa uma dessas ações para facilitar a solução de conflitos e já vem sendo adotado em cinco estados brasileiros. A proposta é treinar líderes religiosos que possam auxiliar as partes a identificar soluções consensuais para conflitos. Após o treinamento, as instituições religiosas podem designar um espaço físico adequado para a realização das audiências. Na hipótese de um acordo, ele poderá ser reduzido a termo e homologado por um juiz.

A inserção de líderes religiosos na mediação de conflitos pode ajudar a dessobrecarregar o sistema judiciário, que já acumula mais de 100 milhões de processos não resolvidos. Este número representa cerca de 70% do total de processos no Brasil, conforme o relatório “Justiça em Números”, do Conselho Nacional de Justiça. Segundo o especialista em direito processual do Trabalho, Marcos Untura Neto, existe no país uma cultura de se individualizar os processos e querer levar tudo à Justiça. O ideal, segundo ele, seria resolver mais casos por acordo, em Câmaras de mediação, e coletivizar os processos.

Os interessados em participar do programa “Mediar é Divino” devem fazer um curso, baseado nas diretrizes da Resolução n. 125/2010 do CNJ, sob a supervisão de instrutores formados pelo CNJ. São 40 horas de aulas teóricas e 80 horas de aulas práticas. O curso é destinado a pessoas que já atuam em expedientes de aconselhamento. Para fazê-lo, o candidato deve possuir indicação de um líder religioso e ser graduado em qualquer curso de nível superior há mais de dois anos.

Nota: Com informações do Conselho Nacional de Justiça.

QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI.

Ultimato quer falar com você.

A cada dia, mais de dez mil usuários navegam pelo Portal Ultimato. Leem e compartilham gratuitamente dezenas de blogs e hotsites, além do acervo digital da revista Ultimato, centenas de estudos bíblicos, devocionais diárias de autores como John Stott, Eugene Peterson, C. S. Lewis, entre outros, além de artigos, notícias e serviços que são atualizados diariamente nas diferentes plataformas e redes sociais.

PARA CONTINUAR, precisamos do seu apoio. Compartilhe conosco um cafezinho.


Leia mais em Notícias

Opinião do leitor

Para comentar é necessário estar logado no site. Clique aqui para fazer o login ou o seu cadastro.
Ainda não há comentários sobre este texto. Seja o primeiro a comentar!
Escreva um artigo em resposta

Ainda não há artigos publicados na seção "Palavra do leitor" em resposta a este texto.